A emoção e a análise política no caso Lula

Meu último artigo aqui no Lócus não foi bem recebido. Eu já imaginava. Afirmei que Lula, condenado a 12 anos de prisão, continuava tendo enorme poder político. Mais do que isso, vaticinei que, uma vez candidato, ele venceria as eleições presidenciais. Contrariados, alguns leitores acusaram o portal de receber dinheiro dos petistas e eu de ser apoiador do ex-presidente.

Onde é que já se viu reconhecer a capacidade do adversário? Parte dos antipetistas só se contentam com textos nos quais o ex-presidente é retratado como um cadáver político. Outros só querem adjetivações. Se Lula não aparecer sendo chamado de ladrão, salafrário, criminoso, bandido, psicopata ou qualquer outro qualificativo desses, o autor não agradará e acabará chamado de traidor e esquerdista. Imagina então escrever que seu governo continua “bem lembrado”, que possui “recall” e que seus opositores ainda não o venceram no campo político, já que nunca conseguiram construir “um discurso alternativo ao dele”.

Pelos mais variados motivos, parcela considerável do público não busca mais a reflexão. Nem mesmo o ponto de vista alternativo. Mas tão somente o simulacro de suas próprias opiniões. E aqui não estou asseverando que sou dono da razão, ou que visões diferentes não estejam corretas. No entanto, é importante considerar apontamentos que venham na contramão do que é tido como líquido e certo. Se a única argumentação que presta é a sua, então o melhor é deixar leituras e comentários de lado e falar na frente de um espelho.

Na próxima terça-feira, muitos tomarão as ruas para pedir a prisão de Lula. Estarão em seu pleno direito. Quase todos estarão lá firmes em sua convicção de que manter o ex-presidente solto é uma excrescência moral e jurídica, mas também, em boa medida, pelo receio de que, fora da cadeia, ele possa se manter competitivo eleitoralmente. Ao mesmo tempo em que há a mobilização pela sua punição, há o temor de seu retorno ao poder pelos votos.

Quem me acompanha sabe o que penso de Lula e do seu grupo político. Tenho firme convicção de sua responsabilidade central no maior esquema de corrupção da história da humanidade. Minhas preferências e torcidas particulares não podem, entretanto, ser confundidas com a leitura que faço dos fatos.

Seria irresponsabilidade se, para agradar o público, ignorasse minhas impressões e escrevesse somente com base em meus sentimentos. Não estaria me comportando como um jornalista, mas como um militante.

Se você gostou deste artigo ou de outros de nossos materiais, clique no link abaixo apoie Lócus fazendo uma assinatura anual. Com ela você terá acesso a conteúdos exclusivo.

Previous ArticleNext Article

Responder