A greve dos caminhoneiros reforçou nosso vício no estatismo

Há longa literatura que comprova o amor fraterno da sociedade brasileira pelo Estado. Um dos melhores livros a estudar essa relação emotiva é recente. Trata-se de “Pare de acreditar no governo: Por que os brasileiros não confiam nos políticos e amam o Estado”, do cientista político Bruno Garschagen. A obra estuda como o estatismo se entronizou na identidade de nossa população, fazendo dele uma das preferências nacionais.

O que se viu na greve dos caminhoneiros não foi nada mais do que um sintoma desse caldo cultural intervencionista. Em resumo, os manifestantes queriam privilégios e subsídios. O governo, que não soube lidar com a situação, aceitou tudo. Congelou por 60 dias a redução do preço do diesel na bomba em R$ 0,46 por litro, eliminou a cobrança de pedágio dos eixos suspensos de caminhões em todo o país, além de estabelecer valor mínimo para o frete rodoviário.

Como não existe almoço grátis, o resto do país terá de pagar a conta. Para compensar a desoneração de R$ 9,6 bilhões sobre o diesel, foi anunciada a elevação da tributação sobre exportadores e reduções de investimento em programas de áreas fundamentais como saúde, educação e segurança. Só a concessão de bolsas de ensino superior perdeu R$ 55,1 milhões em receita.

Para além da esfera financeira, que impacta diretamente na recuperação do país, sobraram também os efeitos políticos. A greve acabou por reabilitar o discurso esquerdizante de controle. A política de preços de combustível praticada no governo petista, e que ajudou a Petrobras a perder R$ 162 bilhões em valor de mercado apenas durante o governo Dilma, parece ter se tornado boa novamente.

Em momento algum se falou de redução de gastos públicos, privatização ou abertura econômica. Muito pelo contrário, a demonização do mercado foi reforçada. O discurso agora é que a Petrobras deve servir ao povo, não aos acionistas e especuladores. A receita que levou as contas da empresa para o buraco passou a ser apresentada como solução mágica.

Muitos interpretaram a greve dos caminhoneiros como um momento de ruptura, no qual a sociedade finalmente se emanciparia das esferas de poder. O que vimos foi o recrudescimento dos piores vícios nacionais. Uma casta sindical saiu fortalecida, um método de ação terrorista foi consagrado e a pretensa solução se deu pela ingerência política em uma empresa pública. O saldo da paralisação é uma verdadeira ode ao regressismo. 

Se você gostou deste artigo ou de outros de nossos materiais, clique no link abaixo apoie Lócus fazendo uma assinatura anual. Com ela você terá acesso a conteúdos exclusivo.

 

 

Previous ArticleNext Article

Responder