O Cirinho paz e amor é um factoide desmentido pelos fatos

PDT anda preocupado com o temperamento de Ciro Gomes. Para tentar amaciar a imagem de seu pré-candidato, o partido lançou uma campanha publicitária na qual o descreve como um “indignado”. É o Cirinho paz e amor. Trata-se um factoide que se desmente pelos fatos. Ciro não para de propiciar provas em contrário, evidenciando que não tem o preparo emocional adequado para comandar o país.

Nesta semana, em sabatina feita pela Abimaq (Associação Brasileira de Máquinas e Equipamentos), o pedetista ofendeu um promotor de São Paulo que aceitou abrir contra ele um inquérito por injúria racial. Com aquela eloquência típica de um troglodita diplomado, disparou:

Um promotor aqui de São Paulo resolve me processar por injúria racial. E pronto, um filho da puta desse faz isso. Ele que cuide de gastar o restinho das atribuições dele, porque se eu for Presidente essa mamata vai acabar.”

A injúria racial pela qual Ciro será indiciado se refere a outro episódio recente protagonizado por ele. Em entrevista para a rádio Jovem Pan, chamou o vereador Fernando Holiday, do DEM de São Paulo, de “capitãozinho do mato”.

Uma injuria racial seguida de uma ofensa pessoal. Seria o suficiente para qualquer um que pretenda ocupar o mais alto cargo político do país. Mas não é o caso de Ciro. Em abril, ele também deu um tapa no Youtuber Arthur do Val, editor do canal “Mamãe Falei”, depois de este questioná-lo a respeito de declarações polêmicas que deu sobre Lula e a Lava Jato. Também foi embora de um encontro com prefeitos promovido pela Associação Mineira de Municípios depois de se irritar com o formato do evento.

Não é de hoje que Ciro Gomes se comporta de forma destemperada. Em eleições passadas, se meteu em situações semelhantes, ofendendo eleitores e dando declarações de baixo nível sobre sua ex-mulher. Um festival de boçalidades que o fez perder a possibilidade chegar à Presidência já em 2002, quando disputou com Lula e José Serra. O que se vê agora é apenas um repeteco de sua conduta anterior. 

A indignação é uma característica de quem não se conforma com algo. Ela pode ser exercida, entretanto, com bom senso, ponderação, equilíbrio e temperança. Em suma: indignação não é sinônimo de porra-louquice, como o PDT quer que acreditemos.

Atualização 1: O Ministério Público de São Paulo e a Associação Paulista do Ministério Público publicaram notas de repúdio contra as declarações dadas por Ciro Gomes. “É inaceitável qualquer referência de baixo calão a membro do Ministério Público que atua no exercício constitucional de suas prerrogativas e no estrito cumprimento de seu dever. Da mesma forma, o comportamento do referido ex-minitro ministro atenta não só contra a independência funcional institucional, mas também contra o próprio Estado Democrático de Direito”, afirmou a APMP.

Atualização 2: As notas divulgadas pelo Ministério Público de São Paulo e pela Associação Paulista do Ministério Público informam que a autoria do pedido de abertura de inquérito é de uma promotora. Trata-se de Mariana Bernardes Andrade, da 4ª Promotoria Criminal do Fórum da Barra Funda.

Se você gostou deste artigo ou de outros de nossos materiais, clique no link abaixo apoie Lócus fazendo uma assinatura anual. Com ela você terá acesso a conteúdos exclusivo.

Previous ArticleNext Article

Responder