Derrota do aborto na Argentina revela o ódio da esquerda pela vida e pela democracia

A derrota da agenda abortista na Argentina causou estupor e indignação entre os ativistas que se mobilizaram para aprovar o direito à interrupção irrestrita da gravidez no país. A mudança da legislação foi barrada no Senado por 38 votos a 31. Muitos imaginavam que a Casa seguisse o posicionamento favorável externado pela Câmara dos Deputados. As expectativas dos que se colocavam como favoráveis ao aborto foram devidamente frustradas. Nas ruas do país, feministas e movimentos de esquerda, que aguardavam ansiosos para comemorar, foram pegos de surpresa. Tiveram de recolher os fogos de artifício, as serpentinas e as agulhas de curetagem.

A rejeição do aborto pela maioria dos senadores foi considerada fruto do “atraso”, do “reacionarismo”, do “patriarcado”, do “machismo” e do “sectarismo religioso”. Só a aprovação do projeto seria aceitável. Os defensores da causa acham que apenas seus argumentos são modernos, inclusivos, racionais e científicos. Essa forma de encarar o debate é  reveladora do ódio que os abortistas têm não apenas pela vida, como também pela democracia representativa.

Do ponto de vista estratégico, o resultado é uma derrota considerável para as ONGs e para os organismos internacionais que defendem a medida. Imaginava-se que o exemplo da Argentina serviria de referência para outros países na América Latina. A ideia era iniciar um movimento de mudança nas legislações do continente que ainda vetam o procedimento. 

Se na Argentina ao menos houve debate no Legislativo, aqui as atenções se concentram no Judiciário. Na última semana, o STF organizou uma audiência pública que tratou da questão. Os integrantes da Corte avaliam uma ação impetrada pelo PSOL que pretende permitir a prática de abortos até o terceiro mês de gravidez. Não há nada na Constituição e no Código Penal que ampare a demanda do partido.

Sabedores de que não possuem apoio  para mudar a lei no ambiente adequado, os abortistas e seus patrocinadores ideológicos se agarram na esperança de que ministros com posicionamentos ativistas o façam. Contam com a ação de magistrados progressistas que não pensam duas vezes antes de surrupiar as prerrogativas do Congresso. No caso específico, a conspurcação da tripartição dos poderes é instrumento da cultura da morte.

Se você gostou deste artigo ou de outros de nossos materiais, clique no link abaixo apoie Lócus fazendo uma assinatura anual. Com ela você terá acesso a conteúdos exclusivo.

Previous ArticleNext Article

Responder