Atribuir o ataque a Bolsonaro como consequência do clima de ódio é socializar a culpa do criminoso

A tentativa de assassinato de Jair Bolsonaro gerou uma enorme repercussão no Brasil, com a informação se espalhando ao redor do mundo. O autor do crime foi identificado como Adélio Bispo de Oliveira, militante de esquerda que foi filiado ao PSOL durante sete anos. Ele atacou o parlamentar enquanto este participava de uma caminhada pelas ruas de Juiz de Fora. Escondido em meio a multidão de simpatizantes e eleitores do candidato, o meliante desferiu-lhe uma facada na região do abdômen. Bolsonaro foi levado às pressas ao hospital, onde chegou em condições críticas.

Tão logo se noticiou o fato, veículos de imprensa passaram a tentar estabelecer uma conexão entre o ato praticado e o suposto clima de ódio político que se instalou no país. Os mais maliciosos não pensaram duas vezes antes de atribuir culpa à vítima. Para eles, o discurso e as propostas do candidato é que foram os verdadeiros responsáveis pelo seu esfaqueamento.

Dilma Rousseff, por exemplo, chegou ao ponto de afirmar que “quem planta ódio colhe tempestade”. A postura da ex-mandatária diante de uma situação tão dramática é reveladora de uma moralidade pervertida. Não é à toa que, além de ter participado de movimentos terroristas, ela tenha se casado com um sujeito responsável pelo sequestro de um avião. Para essa senhora, só o ódio alheio é condenável. 

Se vale a tese de que Bolsonaro foi esfaqueado por ter um discurso pró-armamento, por que não valeria a de que foi esfaqueado por ser visto como uma pessoa ruim? Não há um único dia em que ele não seja chamado de homofóbico, machista, racista, xenófobo e misógino. Diante de tantas acusações de preconceito, é factível imaginar que alguém gostaria de vê-lo morto por isso. 

É inegável que o ambiente das redes sociais tem sido de enorme virulência. Mas entre os xingamentos distantes de teclados separados por milhares de quilômetros e a tentativa real de se matar alguém há uma diferença considerável. Para se enfiar uma faca na barriga de outro é necessária, mais do que apenas ódio, a disposição de matar. Imaginar que tudo se resume a difusão de um hipotético “discurso de ódio” é socializar a culpa objetiva do responsável com uma fonte abstrata de geração de comportamentos.

Se você gostou deste artigo ou de outros de nossos materiais, clique no link abaixo apoie Lócus fazendo uma assinatura anual. Com ela você terá acesso a conteúdos exclusivo.

 

Previous ArticleNext Article

Responder