Por medo de perder a hegemonia na esquerda, Lula fez a aposta no cavalo errado

A onda antipetista que varre o país e impulsiona Jair Bolsonaro é prova de que Lula fez a leitura errada da realidade. Imaginava que colar seu nome ao de qualquer petista bastaria para vencer a eleição. Por certo, o slogan “Lula é Haddad” trouxe votos, mas também uma enorme rejeição. Por medo de perder sua hegemonia na esquerda, o ex-presidente tratou candidaturas aliadas com menoscabo, como é o caso de Ciro Gomes. 

Desde o início da campanha, em todos os cenários eleitorais de 2° turno, é Ciro que aparece com os melhores números, vencendo todos os adversários. Ele poderia representar a retomada de um projeto desenvolvimentista sem carregar o peso das denúncias de corrupção. Ainda assim, Lula tratou de torpedeá-lo, impedindo acordos políticos que poderiam dar maior estrutura de campanha ao candidato do PDT. Como é sabido, o PT não faz alianças como subordinado, ainda mais aquelas envolvendo o seu líder inconteste. Como diz meu amigo Reinaldo Azevedo, “o PT divide com mais facilidade a propina do que o poder”.

Uma vez no governo, Ciro Gomes não seria um recebedor de ordens como foi Dilma Rousseff e seria Fernando Haddad. O que não lhe falta é personalidade. Essa autonomia jamais seria tolerada por Lula, que adoraria mandar e desmandar. Sempre com a necessidade de ser protagonista, o ex-presidente preferiu um nome domesticado. Ao que tudo indica, apostou no cavalo errado. 

Se você gostou deste artigo ou de outros de nossos materiais, clique no link abaixo apoie Lócus fazendo uma assinatura anual. Com ela você terá acesso a conteúdos exclusivo.

Previous ArticleNext Article

Responder