Eduardo Bolsonaro no palanque da CUT

Semana passada, durante uma entrevista ao vivo na Revista Veja, Jair Bolsonaro anunciou o economista Paulo Guedes como possível Ministro da Fazenda caso seja eleito Presidente em 2018. A informação pegou tão bem que até a Bolsa de Valores, que operava em queda, acabou subindo. No “Confronto”, programa que ancoro na Rádio Sonora FM, afirmei que se tratava do primeiro “golaço” da pré-candidatura de Bolsonaro.

Paulo Guedes é um liberal de formação, profundo crítico da social-democracia e dono de uma carreira brilhante no mercado financeiro, sendo fundador do Banco Pactual e do Ibmec. Seu nome agregaria valor a qualquer campanha política e a qualquer governo. É bom que Jair Bolsonaro o escute, como também seria prudente que seus filhos fizessem o mesmo.

Em artigo publicado no jornal O Estado de São Paulo em março de 2017, Guedes falava do benefício econômico que viria com a aprovação da Reforma da Previdência:

“As taxas de juros, que já estão em forte queda pelo desabamento das expectativas de inflação, poderiam cair muito mais rápido pela garantia de desarme do endividamento público em bola de neve que resulta do atual descontrole sobre os gastos previdenciários.

A tímida recuperação ensaiada pela atividade econômica receberia ventos extremamente favoráveis. Pois uma desaceleração simultânea nas trajetórias das despesas fiscais com a Previdência e com os juros da dívida deflagraria um círculo virtuoso de maior controle de gastos públicos, juros em queda, reversão da queda do dólar, mais estímulo aos investimentos e às exportações, recuperação da economia e do emprego, com aumento orgânico de arrecadação tributária.”

Tudo lorota, deve achar Eduardo Bolsonaro. O parlamentar é um negacionista do déficit previdenciário, como fica evidente em um post que publicou em sua conta oficial no Twitter:

Eduardo Bolsonaro não leu Paulo Guedes e muito menos o relatório do Tesouro Nacional mostrando que o rombo nas contas da Seguridade Social é gigantesco e progressivo. No lugar dos dados, a retórica desinformada que caberia na boca de um sindicalista.

Sim, a redução do estatismo é necessária para o desenvolvimento e para a probidade administrativa. Estatais são focos de corrupção porque possibilitam a troca de favores entre as elites política e econômica. É necessário, portanto, um amplo programa de privatizações. Isso, entretanto, não resolve a equação da Previdência, cuja problemática nasce da própria constituição populacional brasileira.

Em artigo para para o Instituto Mises Brasil, o economista Bernardo Santoro, outro integrante da equipe de Jair Bolsonaro, comparou a Previdência com um esquema de pirâmide, daqueles que você foge quando aparece um vendedor oferecendo. O INSS é o Telexfree institucionalizado:

“No sistema previdenciário, um grupo original de aposentados passou a receber uma aposentadoria sem haver pago qualquer quantia, à custa do grupo de trabalhadores ativos da época; e esses trabalhadores ativos da época, ao se aposentarem, esperam que os trabalhadores ativos posteriores paguem suas aposentadorias; e esse último grupo te de ser muito grande para poder suportar esse pagamento.

Ora, sem que haja uma progressão geométrica no número de trabalhadores entre uma geração e outra, esse sistema invariavelmente quebrará.  E efetivamente não há como esse sistema não quebrar, por dois motivos: (i) a geração seguinte em regra não cresce suficientemente e (ii) mesmo que crescesse, essa geração precisaria ocupar empregos em uma taxa próxima dos 100%, e a economia de um país pode não crescer o suficiente para absorver toda a mão-de-obra disponível.”

Em março de 2016, Eduardo Bolsonaro anunciou que havia começado uma pós-graduação em Escola Austríaca no Instituto Mises Brasil. Pelo que tem dito nas redes sociais, seria bom que a instituição lhe revogasse o diploma. Do contrário, será o primeiro caso de austríaco com direito a espaço no palanque da CUT.

Atualização: Em nova postagem no Twitter, Eduardo Bolsonaro afirma que há sim déficit na Previdência e que apresentará “proposta da Aposentadoria Fásica,c/base em paper d prof. da Unifesp e publicada na Revista Bras. de Prev”. Então tá.

Se você gostou deste artigo ou de outros de nossos materiais, clique no link abaixo e apoie o Lócus fazendo uma assinatura anual. Com ela você terá acesso a conteúdos exclusivos.

Previous ArticleNext Article