Janaina Pachoal vota em quem quiser

A advogada Janaina Paschoal, coautora do pedido de impeachment de Dilma Rousseff, anunciou que votará em Jair Bolsonaro nas eleições de 2018. A declaração foi dada ao canal de Rafal Zucco no Youtube. “Hoje, qual é o candidato, que de maneira mais clara, favorece a continuidade o processo de depuração? Hoje é o Bolsonaro. Então o meu voto é dele”, disse Janaina.

Não demorou para que surgissem reações. Em seu Twitter, Maria do Rosário escreveu que considera o anúncio de Janaina um “horror”:

Maria do Rosário, que tieta um político condenado por corrupção, agora quer pautar o voto de outras mulheres. O que a deputada do PT e outras feministas como ela não aceitam é que Janaina é uma mulher livre, sem amarras com grupelhos. Ela vota em quem quiser, sem necessidade de pagar pedágio ideológico ou pedir autorização para terceiros.

Em 2015, comentando os ataques racistas sofridos por Joaquim Barbosa, escrevi que a “esquerda criou os escravos de consciência”. Seriam pessoas que, por sua origem, “seriam obrigadas a ter um comportamento padronizado e esquemático”.  Para os esquerdistas, Janaina, por ser mulher, não poderia votar em um sujeito como Bolsonaro. Teria de votar em alguém ungido pelos progressistas.

As feministas se dizem defensores da ideia de que “o lugar da mulher é onde ela quiser”. Mas ai da mulher que não ficar no lugar em que elas mandarem.

Se você gostou deste artigo ou de outros de nossos materiais, clique no link abaixo apoie Lócus fazendo uma assinatura anual. Com ela você terá acesso a conteúdos exclusivo.

Previous ArticleNext Article

Responder