Haddad é a carapaça mansa de um projeto revanchista e de inspiração autoritária

Quando Lula escolheu um nome para substituí-lo nas eleições, o fez tendo em mente que deveria ser alguém cuja imagem pudesse ser palatável ao centro. Fernando Haddad, que acabou ungido como poste da vez, tinha o tipo ideal para isso. Cordado e desvinculado dos setores sindicais do PT, representava a ala ligada à academia. Uma carapaça mansa para o projeto revanchista de inspiração autoritária comandado de dentro da cadeia pelo ex-presidente condenado.

Com a polarização conduzindo o pleito para o 2° turno entre Haddad e Jair Bolsonaro, a estratégia seria fazer o candidato petista transcender seu nicho político e elevá-lo à condição de defensor da democracia brasileira contra a ameaça representada pelo fascismo. Seria uma posição confortável de onde poderia facilmente articular apoios com os concorrentes de centro de modo a isolar seu adversário no suposto extremismo de direita.

O cenário traçado por Lula, entretanto, começou a desmoronar quando José Dirceu deu uma entrevista para o jornal espanhol “El País”. O ex-ministro, figura comum nos escândalos de corrupção dos governos petistas, afirmou que a esquerda pretendia “tomar o poder” e que isso seria diferente de “ganhar a eleição”. Ainda que pouco divulgada pela mídia, a declaração ganhou ampla repercussão nas redes sociais. Dirceu, afinal de contas, nunca foi um militante qualquer. É uma liderança diferenciada dentro do PT. Além da influência e da capacidade de articulação política, é um quadro que recebeu treinamento em Cuba. Sem terem sido contestadas por Haddad, suas palavras golpistas escancararam o DNA revolucionário da sigla que nunca o expulsou.

Concomitante às declarações de Dirceu, veio à tona o conteúdo do programa de governo petista. Defendendo a democracia plebiscitária, o estatismo agigantado e a regulação da imprensa, o documento não passa de um panfleto bolivariano. Novamente, a internet se encarregou de dar publicidade ao seu conteúdo. O que restou comprovado é que não havia nada ali que pudesse ser minimamente relacionado à moderação.

Por sua vez, a manifestação #elenao, que nasceu para repudiar Bolsonaro e dar continuidade à estratégia de transformar Haddad no candidato antifascista do 2° turno, acabou se revelando contraproducente. Ainda que tenha reunido muita gente nas ruas de São Paulo e do Rio de Janeiro, sua forma (em diversos momentos abertamente escatológica) e seus promotores (grupos identitários e de gênero) acabaram incentivando o lado contrário, que deu resposta contundente em atos de desagravo ao candidato do PSL. 

E então veio a publicização da delação de Antonio Palocci. Cheia de acusações pesadas, atingiu em cheio os governos petistas e as principais figuras do partido. Entre as revelações, a de que 90% das medidas provisórias editadas nos governos Lula e Dilma tinham propina, que os dois ex-presidentes acertaram propina por meio da construção de sondas e que 3% do valor dos contratos de publicidade da Petrobras iam para o caixa do PT.

Esse conjunto de fatores serviu para formar uma onda antipetista na última semana de campanha eleitoral. Ainda não se sabe se capaz de decidir a eleição, mas suficientemente forte para sepultar qualquer possibilidade de Fernando Haddad ser vendido como sustentáculo de preservação da democracia brasileira. A fraude política foi devidamente revelada.

Se você gostou deste artigo ou de outros de nossos materiais, clique no link abaixo apoie Lócus fazendo uma assinatura anual. Com ela você terá acesso a conteúdos exclusivo.

 

Previous ArticleNext Article

Responder