Entre em contato

Cultura

Nós consentimos com a ditadura do algorítimo promovida pelo Facebook

Publicado

on

Muito se fala por aí sobre o impacto que terá o programa contra fake news desenvolvido pelo Facebook em parceria com agências de checagem de fatos. A conduta da rede social fundada por Mark Zuckerberg desperta uma série de desconfianças. Abundam contra ela acusações de perseguição a determinadas correntes ideológicas, bem como critérios subjetivos para a retirada de conteúdo do ar. Os questionamentos são válidos, uma vez que o tema central aqui é possibilidade de censura.

E se há preocupação, é também devido ao fato de se reconhecer a importância que o Facebook ganhou na sociedade. Pesquisas variadas demonstram que parte considerável dos internautas brasileiros dedicam grande do tempo em que estão conectados olhando o Facebook. E aí é necessário fazer mea-culpa. Nós ajudamos a alimentar o monstro que agora se pretende guardião da verdade.

Hoje se acessa a internet por meio do Facebook, que se tornou um grande filtro informativo. O que não está na timeline “não existe”. E o que aparece nela precisa atender uma série de exigências e regras acondicionadas em uma inteligência artificial.

A falsa sensação de agilidade que temos, por acessarmos conteúdos e formatos diretos a partir do mesmo mecanismo, mascara aquilo que é na verdade a ditadura do algoritmo. Ditadura consentida, diga-se de passagem. No Facebook, afinal, temos o chat para falar com amigos, temos stories para mostrar o que fazemos, temos possibilidade de gravar vídeo, tirar fotos, escrever sobre qualquer assunto, investigar a vida alheia e até expressar como nos sentimos. Da mesma forma, também não é mais preciso escrever o nome de um site para ver o que nele foi postado. Basta curtir sua página e milagrosamente tudo surgirá na bendita timeline.  Está tudo ali, à distância de um joinha.

A cada atualização do Facebook, somos cegados pelo deslumbramento com as novas ferramentas que eram incorporadas ao site. Sem notar, concentramos todas as nossas atividades em um mesmo lugar. E isso permitiu que os donos do lugar não apenas lucrassem, o que seria natural e tolerável, mas também moldassem a realidade de quem por ali estivesse.

A internet sempre foi comparada a um mar. É por isso que se popularizou o conceito de navegação para se referir ao uso dos meios digitais. O Facebook drenou toda a água para si, transformando o antigo mar em uma infinita série de poças profundas, onde nossa liberdade, uma gota de cada vez, vai sendo afogada. 

Se você gostou deste artigo ou de outros de nossos materiais, clique no link abaixo apoie Lócus fazendo uma assinatura anual. Com ela você terá acesso a conteúdos exclusivo.

 

 

Continue Lendo

Cultura

Por que está cada vez mais difícil e desinteressante estudar latim?

Publicado

on

Com a adoção do método de Paulo Freire nas escolas, nossa inteligência não caiu em constante e sutil queda, mas despencou ladeira abaixo, como um corpo arremessado de um penhasco

Eu estava conversando recentemente com o Cidney Surdi Jr., que além de ser meu colega na Lócus, é um amigo de longa data, sobre o estudo do latim. Tanto ele quanto eu nos arriscamos a estudar a língua do Lácio, embora certamente ele tenha o feito com maior empenho aos longos destes anos, sobretudo por ter cursado a disciplina no Departamento de Letras da UFPR, instituição onde ele se formou e fez mestrado em Filosofia.

Eu me interessei pelo latim quando comecei a acompanhar as aulas do Curso Online de Filosofia do professor Olavo de Carvalho, que lamentavelmente nos deixou no dia de ontem (25). Ele foi o responsável por resgatar um método que há anos estava esquecido nas estantes dos sebos, porque há muitos anos não era republicado. Trata-se da Gramática Latina, de Napoleão Mendes de Almeida.

Já vi muitas pessoas tentarem por conta própria estudar latim utilizando este trabalho. No entanto, poucos acabam avançando as páginas, na sua maioria desistindo já nas primeiras lições. Uns dizem que o estudo é chato, outros que não estavam entendendo nada, outros que acusaram o método de estar lhes fritando o cérebro. Eu mesmo, lá no início, abandonei o estudo em duas oportunidades. Por que isso acontece com a maioria das pessoas?

Bem, talvez a coisa mais importante do método do professor Napoleão não seja ensinar o latim propriamente dito. Mas deixar às claras, como um olhar sincero ao espelho, o que se tornou o sistema de ensino brasileiro. Bem, sobre este ponto, fica muito difícil resumir o cenário. Com o Cidney mesmo eu realizei alguns estudos sobre o tema. No entanto, o resumo da ópera é o seguinte: o ensino brasileiro já vinha decaindo a partir da década de 60; com a adoção do método de Paulo Freire nas escolas, nossa inteligência não caiu em constante e sutil queda, mas despencou ladeira abaixo, como um corpo arremessado de um penhasco.

Vou tentar explicar um pouco melhor por que a Gramática Latina nos dá esse tapa na cara. Na primeira lição da obra, assim está escrito: “Numa oração nós podemos encontrar seis elementos: o sujeito, o vocativo, o adjunto adnominal restritivo, o objeto indireto, o adjunto adverbial e o objeto direto”. A partir daí, embora gradualmente, o estudo só avança. Enfim, por que nós encontramos dificuldades já nas primeiras lições?

Quando o professor Napoleão concebeu essa obra, muito certamente a população que havia frequentado a escola tinha uma sólida base gramatical. Dizer isso, no entanto, não basta. Vou além…

Essencialmente, as gramáticas de língua portuguesa são divididas em três partes: (1ª) a fonologia, que é o estudo dos fonemas, letras e pontos de articulação, isto é, é o ramo da linguística que estuda o sistema sonoro de um idioma; (2ª) a morfologia, que é estudo da composição dos vocábulos, das classes de palavras e das classes gramaticais; por fim, (3ª) a sintaxe, que estuda da relação entre palavras de uma oração e relação entre as orações de um período.

Essa terminologia utilizada pela Gramática Latina, logo no início, parte do que seria o estudo final de uma gramática de língua portuguesa, que é a análise sintática. Como a maioria de nós jamais se debruçou com seriedade sobre o estudo da língua portuguesa, é tarefa impossível o estudo do latim.

Vejamos um exemplo. Leia a frase a seguir: “O deputado recebeu dois homens. O primeiro estava de terno”. Pergunto: a palavra “primeiro”, enquanto classe de palavras, o que é? É um numeral. Mas ela está se comportando como um numeral da frase? Não, pois ela está exercendo a função de “sujeito”, de acordo com a análise sintática.

O que eu quero dizer é que não basta saber classificar as palavras. Cada palavra, quando inserida num contexto, pode estar exercendo uma função diferente daquela que usualmente ocorre.

É possível, nesta sintética abordagem, ter uma noção do problema que um brasileiro qualquer enfrenta ao tentar estudar latim? Ele precisa conhecer muita coisa anteriormente para poder avançar nas lições, por isso a tarefa acaba sendo demasiadamente desgastante.

Uma sugestão: é preciso que todos voltemos muitos passos para trás e nos debrucemos alguns anos sobre a língua portuguesa. Isto, todavia, não se faz com a leitura de gramáticas, mas com muitas obras de literatura. Sabe o velho Machado de Assis que está abandonado nas estantes da sua sala? Pois comece por ele. Quando surgir dúvidas, consulte dicionários e, pouco a pouco, vá se interessando por um estudo mais aprofundado de gramática. Depois de muitos anos, com sorte, você estará apto para vencer as primeiras lições do fabuloso método do professor Napoleão Mendes de Almeida.

Mas se dizem por aí que o latim é língua morta, por que é que eu devo perder todo esse tempo estudando isto? Bem, este tema merece um artigo específico para melhor explicá-lo; contudo, darei uma palinha: “Latim não serve para você falar, mas para aumentar a sua inteligência”. É para isto? Sim, apenas para isto!

Continue Lendo

Cinema

Não olhe jamais para os lados.  Um conto jamais visto na Netflix.

Publicado

on

Talvez seja oportuno assistir a “Não Olhe Para Cima”, filme novo com Leonardo Di Caprio e Jennifer Lawrence, disponível na Netflix, antes de ler este texto.

Ao que parece, os telescópios em 2019 não encontraram nenhum asteroide vindo em direção da Terra.  Ainda bem, porque microscópios identificaram um vírus.  Desde o começo sabíamos que não dizimaria a vida na Terra; desde o começo relatos de sobreviventes, mesmo que ainda não tivéssemos a real percentagem, em poucos dias vimos que a letalidade era seguramente menor que 5%.

Escolhemos mesmo assim viver o filme, a imprensa amou!  Sentiram-se os donos do espetáculo, conseguiram a atenção e editaram aquilo que deveria ser conhecido (daquele momento em diante) como ciência. Somente seus especialistas e convidados eram os entendidos sobre o novo coronavírus.  Apelaram! O governo teve de enviar aviões intercontinentais para regatar alguns brasileiros que poderiam se infectar na China, de onde veio esse vírus.

Cenas fortes de ruas completamente vazias eram televisionadas diuturnamente com enormes caminhões despejando líquidos nelas.  Logo após a Itália começou a apresentar a peste e de lá imagens de caixões empilhados nas igrejas eram divulgadas ao mundo.

Optamos, graças à coragem dos governos do Rio de Janeiro e São Paulo, em continuarmos a fazer o nosso melhor: pular carnaval!  Como aquele médico disse na Globo, “nada a se preocupar”.  Mas Bolsonaro levou centenas de milhares às ruas, quando os governadores 2 dias depois fecharam o Brasil com o amparo de 11 jogadores de preto.

Não era um meteoro, nem mesmo uma guerra com soldados. Mas nos fizeram acreditar que devíamos nos trancar sob quatro paredes para “achatar” a curva, acreditamos que era por duas semanas de março. Em Passo Fundo, por exemplo, o então prefeito Luciano Azevedo pedia “só mais 15 dias de paciência”, renovados quinzenalmente. Vimos o sol em outubro para votar: isso podia, era seguro, diziam.

Enquanto isso aqueles negacionistas, nos quais me incluo, começaram a estudar, ler e aprender. Remédios baratos e seguros foram apontados como a possibilidade de tratamento, obviamente como um ônibus espacial velho com a solução barata e, a seu tempo, eles foram desprezados, afinal, até aquele ponto, com uma situação favorável, apenas a China tinha lucrado com máscaras, aventais e respiradores, além, é claro, de alguns consórcios de compras.  A indústria farmacêutica não queria vender testes para a doença ser depois tratada com medicamentos já sem patente.

Bolsonaro, Trump, Osmar Terra, Nise Yamaguchi, Ricardo Zimmermann, entre outros capitães e soldados como eu, como tantos ficaram muito bem no papel do louco que falava palavrões ao tentar cumprir sua missão.  Não a ciência era mais charmosa… Renata Vasconcelos, Amanda Klein, William Bonner e, claro, Maju Coutinho com seus especialistas de plantão (que só faltavam perguntar: é pro Fantástico?) saberiam muito mais dessa ciência com eficácia comprovada. Sim, classes de recomendação e níveis de evidência foram temporariamente substituídos por com eficácia ou sem eficácia comprovada.

Ali, como um cientista deslumbrado com a fama, traidores pularam fora do esforço de manter a nação e passaram a atormentar, como Mandetta, aquele do “só procure atendimento se tiver falta de ar” ou o Morno, desculpe, Moro, que resolveu preservar biografia no meio da pandemia, tentando salvar sua imagem em vez de vidas.

E veio 21 e aí, assim como as lindas naves de drone das empresas Bash, vieram as vacinas potentes de micropartículas de mRNA da Pfizer Bio’nTech, entre outras, a preços exorbitantes. Uma corrida feita por governos, que para garantir o contrato tiveram de comprar muito mais doses que usariam, sem poder reclamar da eficácia ou segurança nestes casos, afinal o foguete era lindo!

Mas o meteoro era malvado e mudou de nome. Agora era Delta e matava muito mais. As potentes naves da Pfizer, digo vacinas, dariam conta, né?  Passaportes vacinais foram criados e direitos fundamentais ignorados, como a liberdade de ir e vir, o direito ao emprego e ao lazer. Aqueles que se esqueciam e olhavam para cima, digo, que não traziam as máscaras, poderiam ser agredidos por seguranças e até mesmo pela polícia.  Deveríamos seguir as regras, usar máscaras, falar mal do tratamento precoce, se vacinar, odiar o genocida Bolsonaro, jamais olhando para o lado e percebendo que a fome, o desemprego, a obesidade, o stress, a educação, tudo desandava, olhando sempre pra frente, na telinha da Globo.  Como diziam, “a economia a gente vê depois”.

O depois chegou. A economia piorou, a inflação voltou, a gasolina subiu – por culpa do genocida, claro! A CPI muito bem conduzida pelos assessores da Merryl Streep, digo, pelos ilustríssimos senadores, confirmou.

Não olhe para o lado. Não veja que lá na terra do Biden a inflação chegando a 7,5%. Em alguns países, milhares de pessoas detidas por reclamar dos combustíveis. Olhe para frente, veja o esquálido César Tralli.

E o meteoro ignorou a revisão por pares – o que tampouco no filme ou na realidade foi feita. A vacina dobrou-se a Omicron, ignorou uma, duas, três, até quatro doses.  Dinheiro posto fora, caos criado, para onde embarcarão todos aqueles cientistas?!? Ondes se criopreservarão até a próxima eleição?

Mas a Globo teima. Não olhe para o lado, olhe para a telinha. Vejam: começou o Big Brother!

Continue Lendo

Cultura

Fernanda Montenegro e Gilberto Gil são os novos imortais da ABL

Publicado

on

A nomeação da atriz e do músico para a ABL é mais um episódio controverso da instituição

Recentemente, a Academia Brasileira de Letras elegeu como imortais a atriz Fernanda Montenegro e o músico Gilberto Gil. A eleição da atriz ocorreu depois de 34 dos 17 votos necessários para oficializar uma candidatura única – na ocasião, não havia (!) concorrentes para a cadeira. Já a eleição do músico Gilberto Gil aconteceu depois de 21 votos a favor, entre concorrentes como o poeta Salgado Maranhão e o escritor Ricardo Daunt.

Há quem tenha recebido a notícia das nomeações com simpatia, celebrando a abertura da ABL para a diversidade cultural; há quem tenha recebido a notícia com indignação, questionando qual seria, afinal, o propósito de uma academia de letras que aceita atrizes e músicos. A controvérsia merece uma análise.

A Academia Brasileira de Letras foi fundada em 20 de julho de 1897, pelo nosso grande Machado de Assis. Em seu discurso de inauguração, Machado exaltou o comum desejo dos membros originários de “preservação da unidade literária”, conclamando que os vindouros imortais haveriam de ter a missão de preservar a tradição das letras no país. Sob esse princípio, o requisito inicial para admissão de candidaturas é “ser brasileiro nato e ter publicado, em qualquer gênero da literatura, obras de reconhecido mérito ou, fora desses gêneros, livros de valor literário”.

Os novos imortais possuem obra literária? Bem, Fernanda Montenegro, reconhecidamente uma das grandes atrizes brasileiras (sem sombra de dúvidas), possui dois livros publicados: um livro de memórias escrito em parceria com um jornalista e um texto inserido em uma coletânea de textos sobre teatro. Quanto a GIlberto Gil, um dos reconhecidos nomes da MPB, também podemos dizer que possui duas publicações: um livro reunindo grande parte das letras de suas canções e um livro de memórias, também em parceria com jornalista.

A rigor, os novos imortais cumprem o requisito inicial. Se as publicações possuem valor literário de destaque, é outra questão. Ou melhor, essa é a questão. A atriz e o músico simplesmente não são reconhecidos como escritores cujas contribuições possuem valor literário, são reconhecidos enquanto atriz e músico.

Estranho seria se este fosse um episódio inédito. Na verdade, há uma lista de imortais da ABL cuja contribuição não se deu na área literária. Cacá Diegues e Nelson Pereira dos Santos (cineastas), Celso Lafer (economista), Sérgio Rouanet e Marco Maciel (políticos), Ivo Pintaguy (cirurgião plástico), Hipólito da Costa e Roberto Marinho (donos de jornal e tv) são alguns exemplos.

Ou os imortais responsáveis não são tão imortais assim e estão desvirtuando totalmente os propósitos originários da Academia, ou que se declare, afinal, não ser aquela uma casa apenas de Letras, mas de cultura geral brasileira. O que Machado diria?

 

EM TEMPO:

Nos idos de 2011, o então presidente da Academia Brasileira de Letras, Marcos Vilaça, convidou para um almoço na ABL a presidente do Flamengo, Patrícia Amorim, o técnico Wanderley Luxemburgo e o jogador Ronaldinho Gaúcho. A intenção era homenagear os representantes do clube carioca com uma das mais altas condecorações para escritores, a medalha Machado de Assis. Na ocasião, um dos repórteres perguntou ao jogador Ronaldinho qual havia sido o seu último livro lido, ao que o jogador acabou desconversando sem jeito. Em seguida, por ocasião dos agradecimentos à alta honraria, o técnico Luxemburgo comentou: “Quem poderia imaginar que um dia eu seria homenageado pela mais importante casa de cultura do país?”. Pois é, Luxemburgo, pois é. 

Continue Lendo

Assine nossa newsletter

* indicates required

Mais Acessados

Copyright © 2021. Lócus Online.