Entre em contato

Cinema

Não olhe jamais para os lados.  Um conto jamais visto na Netflix.

Publicado

on

Talvez seja oportuno assistir a “Não Olhe Para Cima”, filme novo com Leonardo Di Caprio e Jennifer Lawrence, disponível na Netflix, antes de ler este texto.

Ao que parece, os telescópios em 2019 não encontraram nenhum asteroide vindo em direção da Terra.  Ainda bem, porque microscópios identificaram um vírus.  Desde o começo sabíamos que não dizimaria a vida na Terra; desde o começo relatos de sobreviventes, mesmo que ainda não tivéssemos a real percentagem, em poucos dias vimos que a letalidade era seguramente menor que 5%.

Escolhemos mesmo assim viver o filme, a imprensa amou!  Sentiram-se os donos do espetáculo, conseguiram a atenção e editaram aquilo que deveria ser conhecido (daquele momento em diante) como ciência. Somente seus especialistas e convidados eram os entendidos sobre o novo coronavírus.  Apelaram! O governo teve de enviar aviões intercontinentais para regatar alguns brasileiros que poderiam se infectar na China, de onde veio esse vírus.

Cenas fortes de ruas completamente vazias eram televisionadas diuturnamente com enormes caminhões despejando líquidos nelas.  Logo após a Itália começou a apresentar a peste e de lá imagens de caixões empilhados nas igrejas eram divulgadas ao mundo.

Optamos, graças à coragem dos governos do Rio de Janeiro e São Paulo, em continuarmos a fazer o nosso melhor: pular carnaval!  Como aquele médico disse na Globo, “nada a se preocupar”.  Mas Bolsonaro levou centenas de milhares às ruas, quando os governadores 2 dias depois fecharam o Brasil com o amparo de 11 jogadores de preto.

Não era um meteoro, nem mesmo uma guerra com soldados. Mas nos fizeram acreditar que devíamos nos trancar sob quatro paredes para “achatar” a curva, acreditamos que era por duas semanas de março. Em Passo Fundo, por exemplo, o então prefeito Luciano Azevedo pedia “só mais 15 dias de paciência”, renovados quinzenalmente. Vimos o sol em outubro para votar: isso podia, era seguro, diziam.

Enquanto isso aqueles negacionistas, nos quais me incluo, começaram a estudar, ler e aprender. Remédios baratos e seguros foram apontados como a possibilidade de tratamento, obviamente como um ônibus espacial velho com a solução barata e, a seu tempo, eles foram desprezados, afinal, até aquele ponto, com uma situação favorável, apenas a China tinha lucrado com máscaras, aventais e respiradores, além, é claro, de alguns consórcios de compras.  A indústria farmacêutica não queria vender testes para a doença ser depois tratada com medicamentos já sem patente.

Bolsonaro, Trump, Osmar Terra, Nise Yamaguchi, Ricardo Zimmermann, entre outros capitães e soldados como eu, como tantos ficaram muito bem no papel do louco que falava palavrões ao tentar cumprir sua missão.  Não a ciência era mais charmosa… Renata Vasconcelos, Amanda Klein, William Bonner e, claro, Maju Coutinho com seus especialistas de plantão (que só faltavam perguntar: é pro Fantástico?) saberiam muito mais dessa ciência com eficácia comprovada. Sim, classes de recomendação e níveis de evidência foram temporariamente substituídos por com eficácia ou sem eficácia comprovada.

Ali, como um cientista deslumbrado com a fama, traidores pularam fora do esforço de manter a nação e passaram a atormentar, como Mandetta, aquele do “só procure atendimento se tiver falta de ar” ou o Morno, desculpe, Moro, que resolveu preservar biografia no meio da pandemia, tentando salvar sua imagem em vez de vidas.

E veio 21 e aí, assim como as lindas naves de drone das empresas Bash, vieram as vacinas potentes de micropartículas de mRNA da Pfizer Bio’nTech, entre outras, a preços exorbitantes. Uma corrida feita por governos, que para garantir o contrato tiveram de comprar muito mais doses que usariam, sem poder reclamar da eficácia ou segurança nestes casos, afinal o foguete era lindo!

Mas o meteoro era malvado e mudou de nome. Agora era Delta e matava muito mais. As potentes naves da Pfizer, digo vacinas, dariam conta, né?  Passaportes vacinais foram criados e direitos fundamentais ignorados, como a liberdade de ir e vir, o direito ao emprego e ao lazer. Aqueles que se esqueciam e olhavam para cima, digo, que não traziam as máscaras, poderiam ser agredidos por seguranças e até mesmo pela polícia.  Deveríamos seguir as regras, usar máscaras, falar mal do tratamento precoce, se vacinar, odiar o genocida Bolsonaro, jamais olhando para o lado e percebendo que a fome, o desemprego, a obesidade, o stress, a educação, tudo desandava, olhando sempre pra frente, na telinha da Globo.  Como diziam, “a economia a gente vê depois”.

O depois chegou. A economia piorou, a inflação voltou, a gasolina subiu – por culpa do genocida, claro! A CPI muito bem conduzida pelos assessores da Merryl Streep, digo, pelos ilustríssimos senadores, confirmou.

Não olhe para o lado. Não veja que lá na terra do Biden a inflação chegando a 7,5%. Em alguns países, milhares de pessoas detidas por reclamar dos combustíveis. Olhe para frente, veja o esquálido César Tralli.

E o meteoro ignorou a revisão por pares – o que tampouco no filme ou na realidade foi feita. A vacina dobrou-se a Omicron, ignorou uma, duas, três, até quatro doses.  Dinheiro posto fora, caos criado, para onde embarcarão todos aqueles cientistas?!? Ondes se criopreservarão até a próxima eleição?

Mas a Globo teima. Não olhe para o lado, olhe para a telinha. Vejam: começou o Big Brother!

Continue Lendo

Assine nossa newsletter

* indicates required

Mais Acessados

Copyright © 2021. Lócus Online.