Bolsonaro é o novo Collor?

Meu amigo Paulo Cruz, a quem entrevistei no Podcast Lócus, fez uma provocação interessante no Facebook: falou que Jair Bolsonaro é o novo Fernando Collor. Foi o suficiente para atiçar os leitores, que se manifestaram na postagem com comentários favoráveis e contrários à afirmativa.

Comparar figuras políticas contemporâneas com Collor é um esporte nacional. Em muitos casos, entretanto, acontece o “Reductio ad Collorem”, porque não há semelhanças reais entre o ex-presidente e o alvo da comparação. Em nossa história recente, Aécio Neves, Marina Silva, Ciro Gomes já foram considerados potenciais novos Collors, ainda que apenas Dilma Rousseff tenha tido o mesmo destino dele.

Isso quer dizer que Paulo Cruz esteja errado? Não, de forma alguma. Ainda que no campo moral Jair Bolsonaro não lembre Collor de forma alguma, é preciso analisar o contexto político. Os críticos de Bolsonaro, que muitas vezes são tão radicais quanto os partidários mais embevecidos do deputado, fazem as perguntas erradas, cegos que estão pelo ódio que nutrem dele. E aí deixam de fazer as perguntas que são válidas.

Para vencer a próxima eleição, Jair Bolsonaro tem um ativo importante: a rejeição que grande parte da população tem dos políticos tradicionais. Todos estão fartos do PMDB, do PSDB, do PT e de seus satélites. Claro, há outras razões, e aí estão os alarmantes números da violência para demonstrar. Mas é inegável que não ser membro da elite partidária brasileira configura-se em uma vantagem na atual situação.

Dito isto, é preciso diferenciar as condições de vitória eleitoral com as condições de governabilidade. E é na segunda fase, depois de uma vez eleito, que surgem as potenciais semelhanças com Fernando Collor. Não porque Bolsonaro é corrupto e tem um PC Farias em sua estrutura de campanha, mas porque ele, uma vez eleito, provavelmente não terá apoio político para conduzir suas pautas. Será um governo em permanente tensão, com minoria nas duas casas legislativas.

O presidente Bolsonaro governaria com quem? O presidencialismo de coalizão, essa estrovenga política que só existe no Brasil, não vai desaparecer em 2018. Por mais fragilizados que estejam, as principais legendas continuarão com amplas bancadas no Congresso. O chamado “centrão”, composto por fisiológicos de todos os matizes, manterá sua influência e cobrará caro por ela.

Vencedor do processo eleitoral, Bolsonaro precisaria negociar uma agenda para o país. Teria de compor, teria de ser pragmático, teria de negociar. Envolveria distribuição de cargos? O PMDB teria espaço nos ministérios? E o PP? E se não houver distribuição de cargos? E se PMDB e PP, além de outros partidos, não tiverem espaço nos ministérios? Ainda não vi ninguém fazer essas perguntas.

Não se trata de terrorismo, apenas de confrontar sua candidatura e as expectativas de muitos de seus apoiadores com a realidade da política brasileira. Ou alguém acredita que os nobres representantes do povo apoiarão a agenda Bolsonaro pensando no bem do país e sem pedir nada em troca?

É possível governar tendo uma agenda de país e governar sem ter essa agenda. Fernando Henrique usou o apoio dos fisiológicos para aprovar as bases de nossa política econômica, incluindo a Lei de Responsabilidade Fiscal. Já Lula, Dilma e o PT fizeram da troca de favores com os fisiológicos o mecanismo ideal para que eles se perpetuassem no poder. De uma forma ou de outra, quando esse apoio se perde o governo acaba. Dilma perdeu a mão no Congresso e se viu enfrentando um processo de impeachment.

Se optar por compor com as forças políticas tradicionais, é bem provável que Bolsonaro seja rejeitado por ampla parcela dos eleitores que votaram nele como forma de protesto contra a elite política.  Teria Jair Bolsonaro a receita secreta para governar sem necessariamente montar uma coalização de governo? Conseguiria governar apenas com o apoio das ruas?

O fato é que, se não tiver apoio no Congresso e for abandonado pelas ruas, cujos organismos de mobilização ainda estão nas mãos da esquerda, Bolsonaro não poderá fazer nada. E foi assim que Collor terminou. Ou alguém acredita que o Fiat Elba seria suficiente para derrubá-lo se tivesse maioria no Congresso? Jair Bolsonaro pode ser o novo Collor? Para não ser, terá de fazer o que parte de seu eleitorado não quer e nem espera que ele faça.

Ouça o Podcast Lócus 4: Paulo Cruz considera que a influência do discurso racialista está na base do afastamento de William Waack

Leia também: As dificuldades concretas dos candidatos da direita nas eleições de 2018

Se você gostou deste artigo ou de outros de nossos materiais, clique no link abaixo e apoie o Lócus fazendo uma assinatura anual. Com ela você terá acesso a conteúdos exclusivos.

Previous ArticleNext Article
  • Regina Villela

    Ok, o autor já decretou: “Será um governo em permanente tensão, com minoria nas duas casas legislativas.” Será? Há uma oportunidade do eleitor trocar um grande número de deputados e senadores. O medo já está nos calcanhares da elite política. Muitos senadores já pensam em se candidatar a uma vaga de deputado federal na tentativa de garantir o foro. O certo é que haverá um enorme número de novos candidatos e também de adesistas. Só os eleitores poderão tornar ou não, Bolsonaro um novo Collor em relação ao Congresso.

  • Seu Zé

    se esse partido do bolsonaro, o patriotas, conseguisse mais deputados e senadores e ele se aliar as bancadas evangélicas e da bala pode ser que consiga governar e progredir parte da agenda, tem que ver a popularidade também, ela ajuda a pressionar deputados; qualquer coisa ele nomeia uns 15 ministros militares e governa na truculencia mesmo