Entre em contato

Passo Fundo

Astroturfing à moda passo-fundense: tudo está certo quando se diz que está certo

Publicado

on

O nome parece estranho: astroturfing, a técnica de mascarar apoio para organizações políticas, empresas e causas, é pouco conhecida da maioria dos brasileiros. Mas ela existe, é comum e você já sofreu influência da prática até mesmo em Passo Fundo.

Nós somos levados por emoções e vontade de pertencer a grupos, consumir o que os outros consomem e, muitas vezes, economizamos na análise dos fatos. Foi assim quando pedimos o mesmo brinquedo no Natal, dançamos as mesmas musiquinhas e comemos o mesmo salgadinho Elma-Chips no recreio. Transportando estas tendências comportamentais para a vida adulta, o nosso destino político foi traçado por escolhas não do lanche, mas das propostas sociais endossadas por parentes, amigos e organizações comunitárias.

A explicação para o termo astroturfing é simples. Em inglês, organizações comunitárias representando de forma genuína diversos segmentos da sociedade são chamadas de grassroots (raiz de grama). Astroturf é uma marca comercial de grama sintética. Daí o nome da técnica de simular, de forma muito elaborada, endossos para ideias através de entidades, reais ou fictícias.

O termo foi usado pela primeira vez em 1985, por um senador democrata do Texas chamado Lloyd Bentsen, ao receber centenas de cartas “copiadas e coladas” pedindo apoio para uma questão na indústria dos seguros. Na ocasião, o senador disse que seus correligionários não sabiam distinguir a diferença entre grama e Astroturf. Bônus: Bentsen trabalhou no Brasil nos anos 40, na área de inteligência. Em 1988, concorreu ao cargo de vice-presidente dos EUA, formando chapa com Michael Dukakis (derrotado por Bush pai).

Nosso astroturfing gaudério é ativado das mais diversas formas. Ações governamentais de rotina são meticulosamente tratadas como especiais, gerando apoios em honra ao ato (artificialmente extraordinário) realizado em prol da comunidade x, não raramente reverberado pela associação de bairro do local, que logo terá alguém na política.

Premiações diversas são tratadas como pequenos Oscars e Emmys. Os diretores das aventuras no reino do astroturfing mal conseguem segurar todas as estatuetas para posar em fotos e vídeos variados, enviados como releases para a imprensa local, que replica, caracter a caracter, textos e imagens sem qualquer crítica, sem avisar ao leitor que aquilo se trata de um release, um “a pedido” governamental.

Encontros políticos feitos nos bastidores em nome de arranjos eleitorais nas dependências das nossas instituições são vendidos como encontros democráticos, de pujança, de perspectivas para o futuro da cidade e do Estado. Isso tudo sem qualquer pudor. E o brasileiro cordial tem um especial apreço pelo acordo a qualquer custo, uma aversão ao conflito, repetindo mentalmente vícios do tipo “respeito tua opinião, mas”. Imagine um prisioneiro político no paredão norte-coreano dialogando pela última vez com seu executor: antes da bala do fuzil atingir a testa, o alerta de respeito. Este comportamento favorece a publicação de encontros entre a água e o vinho, em nome da “democracia”. E certos vinhos nem deveriam, em um mundo civilizado, praticarem política à luz do dia.

Aceitamos, em troca de sorrisos e retórica da pujança e do retorno do dinheiro retirado de nossos impostos, gente que apoia o controle máximo do Estado em nossas vidas, da estatização das empresas em algum dia (até lá, usar de democracia) e de regimes assassinos, no passado ou na atualidade (você já viu como anda a Venezuela ultimamente?).

Precisamos reservar um espaço para a nossa pequena beautiful people local, recebendo prêmios em dinheiro para destaques nesta ou naquela área das artes cênicas, da música e sabe-se mais o quê, enriquecendo eventos culturais sempre com marca e propósitos bem definidos, impressos em vultosos banners e realizados em espaços ainda não interditados pelo Ministério Público.

 

 

No lado oposto, a verdade paga um preço enorme para “vingar” no imaginário popular. Assim como filantropos de verdade são quase sempre acusados de tendenciosos à procura de algum benefício oculto, ações informativas visando o bem comum dentro de propósitos firmes e sem compactuar com interesses ocultos recebem do estamentosinho guasca ações de descrédito, boatos e ataques. Em uma sociedade acostumada por décadas a receber informações no meio político através de “notinhas” com tom de fofoca e balões de ensaio plantados após um singelo telefonema para algum vereador, secretário ou assessor, algumas pessoas não estão acostumadas a passar do segundo parágrafo das análises.

Em uma era de internet, redes sociais e toneladas de informações disponíveis para consulta de qualquer cidadão, a única vacina contra o astroturfing (inclusive o local) passa por esforço, trabalho e força de vontade. Se você continuar aplaudindo o que te mandaram aplaudir, nunca passará de um mero agente da mudança. Não da mudança pessoal advinda de uma sociedade melhor, mas da força inabalável de quem puxa as cordinhas desde tempos imemoráveis.

 

Ninguém está livre do confronto com a verdade, da crítica severa e do ataque contundente ao sair da linha originalmente proposta. Isto deveria estar em uma placa de bronze na mesa de qualquer pessoa, empresa ou instituição disposta a trabalhar com divulgação de informações verdadeiras, especialmente na política. É assim que fazemos aqui, que fique bem claro. Como dizem os jovens de hoje, #FicaAdica.

Continue Lendo
Comentários

Passo Fundo

Saiba aqui quanto custa o aluguel do prédio para a nova Secretaria Municipal de Saúde

Publicado

on

quanto custa o aluguel

Prédio inteiro na Rua Independência foi ocupado pela pasta que tem um dos maiores orçamentos da administração municipal

A Secretaria de Saúde de Passo Fundo mudou de endereço, saindo da Paissandú para um prédio maior e mais novo na rua Independência, próximo ao final da rua Tiradentes.

O Edifício Florença tem 5 pavimentos, área construída de 748 m2, elevador, 6 vagas na garagem coberta e 7 em frente ao prédio. Já esteve listado em site de imobiliária local para venda pelo valor de R$ 3,85 milhões.

sms nova

O novo local da SMS. Reprodução do Google Street View.

print contrato

O contrato de aluguel. Confira o original, aqui.

O contrato de aluguel foi assinado entre a prefeitura e a B2 Empreendimentos Imobiliários LTDA, proprietária do imóvel, ainda no mês de fevereiro. Com validade de um ano, o município pagará R$ 21.500,00 mensais (R$ 258.000,00 ao ano). Depois da assinatura do contrato, o processo licitatório passou a “correr” na prefeitura, conforme aponta o Portal da Transparência:

licitação sms

De fato, a estrutura só foi inaugurada oficialmente na sexta, 23 de julho. Antes, um aditivo ao contrato “poupou” os cofres públicos ao isentar a prefeitura do pagamento de aluguel referente ao mês de abril. Sobre a inauguração, o site da prefeitura deixou registrada a palavra do nosso gestor:

Conforme o prefeito, além de qualificar o serviço prestado à comunidade, as novas instalações da Secretaria asseguram melhores condições de trabalho aos servidores. “O prédio em que funcionava a Secretaria vinha apresentando problemas, dificultando inclusive o armazenamento de documentos importantes em razão de infiltração”, comentou Pedro, destacando que a mudança de endereço também integra o projeto de humanização do atendimento. “Este é um compromisso do nosso governo com a população”.

O endereço velho

sms velha

A SMS ocupava um imóvel na Paissandú, número 1052. Segundo algumas reclamações nas redes, mais fácil de chegar ali para quem usava o transporte coletivo. Antigo e com problemas na estrutura, incluindo infiltração, o prédio custava em aluguel quase a metade, R$ 11.255,20.

Finalizando

É impossível saber – só coletando informações na Transparência da prefeitura – quanto a mudança custará ao municipio. Além da majoração do aluguel, há um aparente aumento no custo fixo, dada a diferença na estrutura. O “quarto de milhão” em aluguel ao ano para a SMS é um pequeno percentual do orçamento da pasta (R$ 117 milhões em 2020 e R$ 107 milhões em 2021) que gasta praticamente a metade em folha de pagamento. Se a mudança é melhor que a reforma ou no longo prazo um local próprio, isso é um conhecimento reservado ao gestor. Pelo menos é o que se espera, que este seja o melhor caminho para a saúde municipal em tempos de pandemia.

Veja também

A prefeitura de Passo Fundo gasta uma fortuna com aluguel de imóveis, veja aqui alguns exemplos (2019)

Continue Lendo

Passo Fundo

Legislativo parece estar saindo da “zona de influência” do Executivo

Publicado

on

O apoio incondicional dado ao Prefeito pelos vereadores da legislatura passada pode estar mudando, quebrando, ao menos em parte, a unanimidade dos votos de outros tempos. A seguir, os destaques da Sessão Plenária desta quarta-feira (28) da Câmara de Vereadores de Passo Fundo

Tribuna Popular

A pedido do vereador Michel Oliveira (PSB), o espaço da Tribuna Popular foi ocupado pela representante da Comissão de Direitos Humanos de Passo Fundo, Associação Cultural de Mulheres Negras e o Grupo Estadual de Educadores Negros, Josenira Oliveira da Silva Ferreira, oportunidade em que ressaltou a importância da representatividade da data de 25 de julho, em que se celebra o Dia Internacional da Mulher Negra Latino-Americana e Caribenha.

Grande Expediente

Rafael Colussi (DEM) apresentou um balanço de suas ações parlamentares, destacando seu trabalho em prol da causa animal. O Fundo do Bem-Estar Animal (FUBEM) atende principalmente protetores cadastrados e entidades que precisem de suporte. O TAMPET coleta de tampinhas de garrafas e a venda é revertida em ações que beneficiem os animais. O Troco Solidário destina os valores arrecadados para serem utilizados castrações e atendimentos para os animais. A Contribuição Voluntária, através do IPTU, busca captar recursos para ampliar ações voltadas à proteção e ao bem-estar animal. O vereador ainda informou que, através de indicações de seu gabinete, sugeriu ao  Poder Executivo a criação do Centro de Castração.

Plano Diretor

Aprovado o Projeto de Lei Complementar (PLC) nº 4/2021, que altera o Plano Diretor do Município na previsão de vagas de garagens ou reserva de áreas para estacionamento, cobertas ou não. A Administração aponta necessidade de adequações devido a mudanças e dinamismo em questões ambientais, econômicas e mobilidade urbana. A proposição prevê redução de vagas em garagens ou estacionamentos para áreas como serviços de alojamento, nas quais se incluem casas de apoio, hotéis, casa de cômodos, lares de idosos, orfanatos e pensões.

SMADER

Aprovado o Projeto de Lei Complementar (PLC) nº 7/2021, que altera a denominação da Secretaria do Interior. Segundo a justificativa, a pasta tinha sido criada pela Lei Complementar n.º 165/2006, que estabelece a estruturação da administração pública municipal. Pela nova proposta, ela será denominada Secretaria de Agricultura e Desenvolvimento Rural (SMADER).

Construção Civil

Rejeitado pela maioria em Plenário o Veto Total do Executivo ao Projeto de Lei nº 32/2021, de autoria do vereador Wilson Lill (PSB), que dispõe sobre a inserção de sistema de captação e armazenamento de água das chuvas nos novos projetos de edificações públicas municipais. A matéria foi vetada sob a justificativa de apresentar vício de inconstitucionalidade, o que foi rejeitado pelo parlamento municipal. A matéria prevê que os novos projetos devem conter sistema de captação e armazenamento de água das chuvas, para fins de economia, sustentabilidade e preservação do meio ambiente.

Militares

Aprovada a Moção nº 40/2021, de autoria do vereador Gio Krug (PSD), de Repúdio à Proposta de Emenda Constitucional 21/2021, que prevê a vedação da participação de militares da ativa em cargos de natureza civil nos três níveis da federação.

Vídeo da Transmissão

Continue Lendo

Passo Fundo

“Produtor não é bandido para ser recebido com fuzil às cinco da manhã”

Publicado

on

Feira do Produtor da Gare é novamente alvo de excessos da Vigilância Sanitária. A seguir, os destaques da Sessão Plenária desta segunda-feira (26), na Câmara de Vereadores de Passo Fundo

Grande Expediente

Leandro Rosso (REPUBLICANOS) prestou homenagem ao radialista Altair Carlos Colussi (in memorian), que dará nome  à nova sala de comunicação social da Câmara de Vereadores, que passa a se chamar “Estúdio Altair Carlos Colussi”.

Estúdio Altair Carlos Colussi

Aprovado o Projeto de Resolução (PR) nº 6/2021, de autoria do vereador Leandro Rosso (REPUBLICANOS), que denomina de “Estúdio Altair Carlos Colussi” a sala de comunicação social, rádio e TV da Câmara.

Poda de árvores

Tchequinho (PSC) informou que desarquivou projeto que agiliza poda de árvores em Passo Fundo, sobretudo daquelas que possam apresentar riscos à segurança das pessoas.

Feira do Produtor

A conhecida Feira do Produtor da Gare foi novamente alvo de excessos na fiscalização no último sábado, feita pela Vigilância Sanitária. Muitos produtores tiveram suas mercadorias apreendidas, o que gerou revolta inclusive da comunidade. Vários vereadores se manifestaram sobre o caso na tribuna. Sargento Trindade (PDT) disse não ser contra fiscalização, mas que é preciso ponderar a sua forma; para o parlamentar, é necessário, primeiramente, informar os produtores, dar um amparo e explicar os termos e o que deve ser feito antes de sair apreendendo mercadorias que garantem o sustento de muitas famílias da região: “Não é pouca gente que vive da agricultura familiar“, apontou.

Para Candeia (PSL), não há dúvidas de que houve excessos pela Vigilância. Citando Instrução Normativa da MAPA, destacou que, para casos assim, a fiscalização terá natureza prioritariamente orientadora. Por conta das arbitrariedades, mais de 20 estabelecimentos foram fechados na cidade nos últimos anos, isso por conta das constantes e novas exigências normativas: “Essa situação passou dos limites. É preciso haver razoabilidade na atuação da Vigilância Sanitária. Produtor não é bandido para ser recebido com fuzil às cinco da manhã“.

Vídeo da Sessão Completa

Continue Lendo

Assine nossa newsletter

* indicates required

Mais Acessados

Copyright © 2021. Lócus Online.