Prêmio Gestor Público: 60 mil reais do Banrisul para homenagear prefeitos

Festa dá um gás no marketing político de gestores municipais, custeada com dinheiro do banco estatal.

Mês passado, a notícia de mais um prêmio para o prefeito Luciano Azevedo foi recebida (ou fornecida) com festa e reforço da velha narrativa de sucesso. Até parece que o gestor estava concentrado em seus afazeres habituais e recebeu de surpresa uma ligação informando sobre o prêmio. Longe disso.

O Prêmio Gestor Público 2017 é organizado pelo Sindicato dos Servidores Públicos da Administração Tributária do Estado do RS (SINDIFISCO-RS) e pela Associação dos Fiscais de Tributos Estaduais do RS (AFISVEC). Segundo o próprio site, o Prêmio Gestor Público – PGP “objetiva reconhecer, publicamente, ações desenvolvidas pela Administração Pública Municipal do Rio Grande do Sul, que atinjam resultados positivos para as comunidades onde se efetivam, incentivando assim, a melhoria da gestão pública, bem como seus gestores municipais em adotar iniciativas inovadoras, criativas e que atendam à metodologia de projetos“.

Ainda, segundo o site, o evento tem patrocínio do Banrisul e do Governo do Estado do RS. O fato chamou a atenção, especialmente pela frágil situação das finanças gaúchas, questão que é de conhecimento de todos.

 

Entramos em contato com o PGP através do e-mail, indagando sobre os recursos e a dinâmica da premiação. A organização prontamente atendeu ao pedido, revelando que a edição do PGP de 2017 teve 59 municípios inscritos e 95 projetos. Foram agraciados 32 municípios e 37 projetos premiados. Afirmaram também que a única fonte de recursos financeiros externos é o Banrisul, além de gastos pagos com dinheiro do próprio sindicato e da associação.

Paralelamente, requisitamos ao Governo do Estado informações sobre o custeio deste evento, já que constam as marcas do Banrisul e também do Governo em todo o material de divulgação.

A Casa Civil informou, em resposta oficial, que o Banrisul é o único patrocinador, contribuindo com 40 mil reais na edição de 2016 e outros 60 mil em 2017, valores para os quais o SINDIFISCO-RS é o único beneficiário. O prefeito de Passo Fundo também foi agraciado nas edições de 2014, 2015 e 2016.

As prefeituras enviam projetos para avaliação do PGP e não pagam taxas para participação. De qualquer maneira, os gastos em deslocamento e diárias para gestores e acompanhantes são notáveis para as equipes vencedoras. Passo Fundo participou, enviando projetos realizados na gestão atual em diversas áreas, recebendo o troféu em Porto Alegre para ações em revitalização dos espaços públicos e castração de animais de rua. De uma forma indireta, é dinheiro público favorecendo políticos, organizado por fiscais de impostos da iniciativa privada.

A notícia de mais um prêmio “para Passo Fundo” foi amplamente divulgada pela mídia local. Cravando no imaginário popular figuras de sucesso gratuito, reconhecido em outras instâncias, de forma natural. O partido do prefeito Luciano Azevedo publicou em 2016 as glórias de mais um prefeito socialista premiado (nestes termos) até mesmo nos canais de comunicação da sigla no Rio de Janeiro, enquanto a Prefeitura, mais comedida em 2017, puxa um pouco do freio da promoção de gestor em canal oficial, transferindo a glória para o município e postando um recorte da foto do evento onde aparece apenas a mão do agraciado.

Postagem na página da Prefeitura de Passo Fundo, disponível neste link.

Nós já falamos sobre premiações aqui no Lócus, como no caso das “cidades inteligentes” em evento realizado em Curitiba, no Paraná. É preciso analisar os motivos, a dinâmica destes processos que elevam as figuras dos gestores públicos e traçar uma linha entre o trabalho do dia a dia de um prefeito, em seus requisitos mínimos, e a ação que realmente merece destaque por inovação, “nunca feito antes” ou quebra de paradigma.

Cabe o exercício de imaginar o que mudaria na vida das pessoas da cidade se o seu prefeito nunca enviasse ações para avaliação de terceiros e recebimentos de prêmios. Como seria a nossa vida, além da economia em viagens, diárias e alimentação? Não precisa responder.

Foto de capa: divulgação da Prefeitura de Passo Fundo.

Previous ArticleNext Article

Responder