O “Centrão” era o sonho de consumo de todos aqueles que agora o desprezam

Começou a fase decisiva da eleição presidencial. As articulações políticas, antes no campo das hipóteses, agora tomam a forma de coligações. Alianças são formadas e nomes são definidos. Mas o que chamou a atenção nesse início de campanha foi a mudança de postura de alguns em relação ao chamado “Centrão”, formado por por partidos como PP, PRB, DEM, PR e PROS.

Até ontem, esse bloco estava sendo disputado a tapas pelos mais variados candidatos. Ciro Gomes e Geraldo Alckmin fizeram um verdadeiro cabo de força para conquistar as siglas. Prevaleceu o tucano, que agora contará com o maior tempo de rádio e TV durante o horário eleitoral obrigatório.

O próprio Jair Bolsonaro, que vem se postando como candidato outsider, buscava o PR para constituir sua chapa com Magno Malta de vice. Não deu certo. Depois, foi a vez de sondar o general Augusto Heleno, do nanico PRP. Apesar de o militar demonstrar disposição, não houve interesse por parte de seus correligionários em formar a aliança.

Aqueles que viram infrutíferas suas tentativas de compor com o “Centrão”, agora se manifestam em relação a ele com desprezo. No ato de lançamento da candidatura de Ciro, Carlos Lupi, presidente do PDT, afirmou que o referido bloco tem vocação para ser “adjacente do PSDB”. Por sua vez, Bolsonaro postou nas redes sociais que seu “partido é o povo”. Na prática, cospem no prato em que adorariam banquetear.

Se você gostou deste artigo ou de outros de nossos materiais, clique no link abaixo apoie Lócus fazendo uma assinatura anual. Com ela você terá acesso a conteúdos exclusivo.

Previous ArticleNext Article

Responder