Joaquim Barbosa e o racionalismo histérico

Ninguém se surpreendeu com a declaração de voto de Joaquim Barbosa, muito menos com o modo como ele a anunciou. Um misto de jurisdiquês, prepotência e contradições. Em sua conta no Twitter, afirmou que “votar é fazer uma escolha racional”, mas em seguida confessou ter “medo” de Bolsonaro. Que tipo de racionalismo seria esse que é embasado por uma emoção?

Em boa medida, a disputa eleitoral foi pautada pelo histerismo. Expressões como “fascimo”, “neonazismo” e “discurso de ódio” se tornaram porretes políticos. Mesmo sem qualquer substância ou conexão com a realidade, foram usadas de forma despudorada. A narrativa tentou fazer do Brasil de 2018 uma réplica da Alemanha dos anos de 1930. Nada poderia ser mais falacioso e desonesto. De tal sorte que muitas pessoas, sendo a maioria delas desprovidadas de qualquer leitura sobre esses assuntos, passaram a vociferar em nome das supostas ameaças e medos que pairavam no horizonte. Joaquim Barbosa tornou-se apenas a expressão mais notória desse estado de espírito que foi inoculado em parte da sociedade.

Se você gostou deste artigo ou de outros de nossos materiais, clique no link abaixo apoie Lócus fazendo uma assinatura anual. Com ela você terá acesso a conteúdos exclusivo.

Previous ArticleNext Article

Responder