O Brasil precisa de lei e ordem

Tornou-se corrente a ideia de que o Brasil precisa ser politicamente pacificado depois da eleição. A tal polarização, dizem, instaurou o clima de beligerância no país. Nada poderia ser mais errado. Estamos acostumados com a permissividade absoluta. Por tempo demais, o debate público foi monopolizado apenas por um tipo de pensamento, de modo que vivíamos em uma democracia fajuta. As coisas não são e nem serão mais assim.

A paz que deve ser ambicionada não é a das posições políticas, e sim a social. Essa se perdeu em meio a onda de criminalidade incessante que seiva a vida de milhares de brasileiros. Segundo o Anuário da Violência, há mais de uma década o país registra 60 mil homicídios todos os anos. O somatório representa um número de mortes superior ao das guerras da Síria e do Iraque.

Se nas eleições anteriores os grandes assuntos eram estabilidade econômica, emprego e continuidade de programas sociais, agora tudo se voltou para a segurança pública. O cidadão comum, que precisa sustentar a família, já não sabe se termina o dia vivo. Precisa lidar com o perigo contínuo dos assaltos, das balas perdidas e dos sequestros, que não escolhem nem hora e nem local para acontecer.

Na medida em que os bandidos conquistaram as ruas e áreas inteiras dos centros urbanos, a população foi sendo empurrada para dentro de suas casas, que se transformaram em fortalezas. Chaves, trancas, cadeados, correntes, cercas elétricas, arames farpados, dentre outros itens, tornaram-se mais do que essenciais no dia a dia.

Ao longo dos últimos anos, poucas ações realmente foram tomadas para se dar alguma resposta ao drama da criminalidade. Quase nenhuma delas foi de fato efetiva. Continuamos à merce de uma legislação que não pune e de um sistema penitenciário que não separa os delinquentes da sociedade. A autodefesa foi restringida e os policiais que, desestimulados, estigmatizados e com poucos recursos, tentam fazer seu trabalho, acabam sendo impedidos pelo contexto de inépcia e descaso.

A economia continua contabilizando o preço da irresponsabilidade fiscal do PT. O sagramento das contas públicas é um dos desafios do futuro presidente. Mas ninguém pode trabalhar e produzir sob a mira dos bandidos. O que se impõe como emergencial, portanto, é o combate à bandidagem. O Brasil clama por lei e ordem, não por ordens de quem viola as leis.

Se você gostou deste artigo ou de outros de nossos materiais, clique no link abaixo apoie Lócus fazendo uma assinatura anual. Com ela você terá acesso a conteúdos exclusivo.

Previous ArticleNext Article

Responder