Entre em contato
Largo da Literatura Largo da Literatura

Passo Fundo

O apodrecimento fétido do Largo da Literatura em Passo Fundo

Publicado

on

Uma década após a inauguração, a Praça Armando Sbeghen se encontra abandonada pela prefeitura e associados. Dinheiro público e reputações jogadas no lixo.

Nem os moradores da fictícia cidade de Asa Branca, município imaginado por Dias Gomes para a telenovela Roque Santeiro, poderiam sonhar com o final melancólico reservado para três grandes símbolos que enaltecem nosso título de Capital Nacional da Literatura: Árvore das Letras, túnel da literatura e quiosque da Praça Armando Sbeghen (a poucos metros da prefeitura) estão sujos, depredados e abandonados.

Encravada entre a Avenida Brasil, o Rio Passo Fundo e a Rua Ângelo Preto, a praça ganhou uma reforma e a instalação do monumento “Árvore das Letras” em 2008. Pouco a pouco, o local foi recebendo os demais equipamentos sempre com pompas, autoridades e cobertura da imprensa. Toda esta estrutura era vendida como grande potencializadora da relação da população com os livros, ajudando a justificar o pesado uso de dinheiro público nas empreitadas. Em valores da época, o convênio com o Governo Federal financiou a obra com R$ 682 mil e mais uma contrapartida da prefeitura no valor de R$ 209 mil. O valor atualizado até julho deste ano pelo INCC – Índice Nacional do Custo da Construção fica em R$ 1,8 milhão.

A sinergia das “palavras bonitas”

Canais estatais não economizam ao reportar as glórias literárias da Cidade e seus beneméritos. No informativo da Assembleia Legislativa de março de 2008, o destaque era para o então deputado Luciano Azevedo. No texto “Luciano participa da inauguração do Marco da Literatura de Passo Fundo” podemos ler:

O deputado Luciano Azevedo (PPS) participou na sexta-feira da inauguração do Marco da Capital Nacional da Literatura, na Praça Armando Sbeghen, em Passo Fundo. A obra consolida o título da cidade de Capital Nacional da Literatura e cria novo espaço de cultura e lazer para a comunidade, abrigando locais para visitação e leitura.

Luciano, que em novembro de 2007, teve seu primeiro projeto transformado em lei, tornando Passo Fundo a Capital Estadual da Literatura, lembrou que a cidade é a melhor para se morar e que o Marco demonstra o orgulho dos passo-fundenses de viverem na Capital Nacional da Literatura. Ele ressaltou que a inauguração representa um momento fundamental para a cidade. “Passo Fundo comemora a literatura sempre presente em sua vida e agora o trabalho deve ser para que as ações permaneçam e se fortaleçam na criação de outros espaços”, disse.

Mais adiante, justificativas:

O Marco da Capital Nacional da Literatura abriga a Árvore das Letras, cujo principal objetivo é consolidar o título obtido por Passo Fundo em janeiro de 2006, como Capital Nacional da Literatura e ainda o Monumento aos Tropeiros, que se relaciona à passagem deles com o gado em direção a São Paulo, pelo lugar mais fundo do rio que deu origem ao nome Passo Fundo. Além dos dois monumentos, a Praça ainda abriga um quiosque multimídia com livros, revistas, jornais e acesso à Internet, além de dois túneis em metal onde estão textos de autores locais, regionais e nacionais, que serão substituídos a cada 15 dias. Passo Fundo vai contar também com quatro praças semelhantes que representarão diversos tipos de literatura.

Já o site da Prefeitura é farto em citações ao local que já abrigou diversos eventos, especialmente nos primeiros anos após a inauguração. Em “Governo Municipal Incentiva Ações Literárias” de novembro de 2009, um conjunto de ações culturais é listado e dá uma noção sobre o espírito da época no setor. Recentemente, o mesmo site divulgou a renovação de contratos do “Adote o Verde”, programa que incentiva a adoção de praças e canteiros da cidade por parte de empresários e instituições interessadas em assumir as tarefas do poder público e manter tudo limpo e organizado. A Universidade de Passo Fundo é “madrinha” do Largo da Literatura e renovou os votos em dezembro de 2017.

Se Asa Branca viveu (e sobreviveu) do mito da morte de Roque Santeiro, nossa fama de apreço diferenciado pelas letras rende até hoje muito destaque para personalidades da política. Coladas em quase todas as edificações da praça estão placas metálicas com dezenas de nomes de responsáveis por verbas, políticos eleitos da época e instituições que emprestaram prestígio ou boa vontade para os monumentos.


Detalhes do quiosque na tarde de domingo, 18/11/2018: livros amontoados podem ser vistos através das janelas, acumulando sujeira e umidade. Banheiros deteriorados e instalação elétrica deficiente. O entorno da edificação é coberto de lixo, fezes e pichações. O odor é insuportável.

Árvore das Letras: suja e corroída pelo tempo, a estrutura de ferro precisa de reparos até mesmo nas instalações elétricas precárias. Em destaque, uma das diversas placas com nomes dos beneméritos.

O movimento que que invadiu as avenidas e praças de Passo Fundo, com intervenções arquitetônicas na última década, com o propósito de reforçar o título literário da Cidade, forçou a mão. Acompanhado da ideia da criação de coisas com simples canetadas (leis criadas para dizer que Passo Fundo é a capital da literatura e tenho dito), convenceu a população de que não há nada de errado em dizer que espaços que estão a poucos metros de avenidas barulhentas e poluídas são propícios à leitura, ou que pesquisas de revistas indicando altos índices de leitura de livros por habitante/ano em Passo Fundo foram realizadas com métodos aceitáveis.


Viúva Porcina (a que sempre foi sem nunca ter sido) inaugura estátua de Roque Santeiro na pracinha de Asa Branca. A cidade sabia cultuar os seus mitos. O vídeo pode ser visto no Youtube.

A realidade – esta força que teima em derrotar quem a ignora – que tarda, mas não falha: o que foi forçado, hoje parece servir para forças maiores do entorno. No Largo, mendigos, prostituição e fezes em meio a ruínas. Nas praças e canteiros da cidade, tubos gigantes de plástico e ferro viram instrumentos de percussão e abrigo para atividades duvidosas. Mas se a Árvore das Letras secou, a torneira da dinheiro público continua aberta, sempre esperando por um bom mito para eleger novos beneméritos.

Saiba mais

DENOMINA DE “MARCO DA CAPITAL NACIONAL DA LITERATURA”, O COMPLEXO ARTÍSTICO-ARQUITETÔNICO, EDIFICADO SOBRE A PRAÇA ARMANDO SBEGHEM, ÀS MARGENS DO RIO PASSO FUNDO; ATRIBUI COMPETÊNCIAS E DISPÕE SOBRE A PERMISSÃO DE USO (Decreto municipal 41/2008).

 LEI Nº 11.264, DE 2 DE JANEIRO DE 2006. (federal, declara Passo Fundo Capital Nacional da Literatura).

Assembléia torna Passo Fundo a Capital Estadual da Literatura (Outubro de 2007).

Covid-19

Lei pra inglês ver: Na Câmara, norma de visitação é violada no mesmo dia

Publicado

on

Conforme noticiado por vias oficiais, o vereador Evandro Meireles (PTB) reassumiu a presidência da Câmara de Vereadores nesta segunda-feira (24), coordenando mais uma reunião da Comissão Representativa, que atua no período de recesso parlamentar. Na oportunidade, foi editado e assinado um novo Projeto de Resolução, nº 10/2022, intensificando as medidas de prevenção a Covid-19, especialmente através do controle de circulação do público nas dependências do Legislativo. A principal mudança é a limitação de um visitante por vez, em cada gabinete.

Conforme Meireles, a medida se faz necessária para que a Câmara siga com suas portas abertas, mantendo o atendimento à população, porém com todos os cuidados necessários frente a Covid-19:

“Desde o início da pandemia, a Câmara vem mantendo todos os cuidados, todas as pessoas que chegam precisam fazer a higienização e usar a máscara e, agora, diante do recente aumento nos casos de contaminação, juntamente com a Mesa, decidimos editar essa nova resolução, limitando a quantidade de pessoas visitando os gabinetes, garantindo que não haja aglomeração nas dependências da Casa”.

No entanto, parece que a norma foi violada em seguida. Também noticiado pela Comunicação da Casa, Meireles recebeu, na tarde da mesma segunda-feira (24), a visita do Rotary Club de Passo Fundo Planalto Médio, através do seu presidente, Zilmar Bastos Junior e da coordenadora do banco de cadeira de rodas do clube, Reialda Almeida. Na oportunidade, Zilmar e Reialda apresentaram os trabalhos realizados pela instituição, todos projetos sociais, sem fins lucrativos.

E a regra de “um visitante por vez”?

Evandro Meireles (PTB) recebendo a visita do Rotary Club de Passo Fundo Planalto Médio, através do seu presidente, Zilmar Bastos Junior e da coordenadora do banco de cadeira de rodas do clube, Reialda Almeida. E a regra de “uma pessoa por gabinete”? (Foto: Comunicação Digital/CMPF)

 

Continue Lendo

Covid-19

Posicionamento da FENEP sobre a vacinação em crianças gera iniciativa de apoio em Passo Fundo

Publicado

on

Centenas de assinaturas já foram coletadas, tanto de médicos quanto de membros da sociedade civil, em respeito às liberdades individuais em relação à exigência de vacinação de crianças de 5 a 11 anos

Recentemente, a Federação Nacional das Escolas Particulares (FENEP), presente em 15 estados e no Distrito Federal, emitiu uma nota de respeito à decisão das famílias que optarem por não vacinar as crianças na faixa etária dos 5 a 11 anos.

Mesmo se posicionando em favor da imunização da população, pontuou que “mesmo não concordando com a posição daquelas famílias que não desejam imunizar seus filhos – apesar da recomendação da Anvisa e do Ministério da Saúde – respeitamos a decisão, pois vivemos em uma democracia”. A nota completa pode ser conferida no link a seguir: https://www.fenep.org.br/single-de-noticia/nid/posicionamento-da-fenep-sobre-a-vacinacao-em-criancas/

Em Passo Fundo, o médico Guilherme Krahl lidera coleta de assinaturas da população em apoio à nota emitida pela FENEP, que respondeu a perguntas feitas pela equipe da Lócus. Veja a seguir:

1- Como surgiu esta iniciativa de apoio à FENEP?

Nós temos visto muitas iniciativas de profissionais, órgãos, entidades de classe coagindo as pessoas a se vacinar. Eu, como médico, vejo isso com muito perigo, isso porque é um direito individual de cada pessoa a opção de se submeter ou não a um tratamento; além disso, é vedado aos médicos querer decidir por elas, obrigando-as direta ou indiretamente.

A postura da FENEP foi de respeito à opção de cada um, sobretudo aos pais, do poder de decisão sobre a saúde dos seus filhos. Isso vai ao encontro daquilo que pensamos sobre a manutenção dos direitos fundamentais, principalmente das liberdades.

Quando a Federação se manifestou em apoio à decisão de cada um poder pensar diferente, isso foi muito bem-vindo. Nós não precisamos que todo mundo concorde com aquilo que pensamos, mas que as pessoas respeitem a nossa opinião.

2 – Como a classe médica tem encarado esta questão?

A classe médica, assim como a sociedade, está muito dividida em relação ao assunto. Há uma sobrecarga de informações, de dramas, isso na tentativa de sensibilizar as pessoas a terem receio ou não daquilo que essa pandemia pode trazer. Muitos médicos reagiram com pânico, achando que se pode ou que se deve fazer qualquer coisa. No entanto, muitos médicos receberam com preocupação as iniciativas de passar por cima dos direitos e liberdades individuais dos pacientes, sobretudo passar por cima do Código de Ética, que nos proíbe de tomar uma decisão pelo paciente.

Não há unanimidade. Há o que sempre houve na Medicina, que é a discussão. A ciência nunca vai ter dono, pois é mutável, aprendendo sempre: ela se testa e ela se recompõe, de forma que, muitas coisas que acreditávamos ser uma verdade inabalável, hoje o pensamento mudou.

3 – É seguro a vacinação de crianças contra covid ou os estudos são inconclusivos?

A questão da segurança da vacina não pode ser discutida neste momento. Nós não temos dados de médio ou longo prazo, nem de eficiência, nem de segurança. Está sendo utilizada uma tecnologia nova, de RNA mensageiro, que nunca foi testada e outras doenças para se fazer vacina. Não foi testada nem em animais ainda. Em vez de se testar em doenças que atingem uma pequena parte da humanidade,  eles estão utilizando na primeira pandemia que tiveram oportunidade. Nós não sabemos quais são ou quais serão as consequências, não temos como prever. O que sabemos apenas é que crianças e jovens são mais suscetíveis a reações adversas do que adultos. Tanto que a maioria das medicações, quando são desenvolvidas para adultos, vocês vão encontrar escrito nas caixas: “não recomendado para menores de 12 anos”. E por que isso é assim? Simples: porque não foram feitos testes em pessoas abaixo de 12 anos. Não vai ser com uma amostragem de mil ou duas mil é que vamos ter segurança de dizer que, numa população de 1 a 2 bilhões de crianças e jovens, vai ser a mesma coisa. Por isso, não há segurança. Não houve pesquisa prévia nesse período.

4 – Quem quer participar da iniciativa, como pode colaborar?

Muitas pessoas estão participando, tanto no grupo dos médicos, quanto no dos demais cidadãos. Nós separamos nestes dois grupos justamente para mostrar que dois aspectos fundamentais baseiam essa iniciativa: o ponto técnico, no qual médicos não estão confortáveis com a obrigatoriedade da vacina, isso por conta da falta de estudos de segurança relacionados aos efeitos da vacina; o outro ponto, que é o do cidadão, que quer continuar mantendo o seu direito de decisão, o seu direito como paciente e como responsável por sua saúde, como um ser livre para responder por si mesmo e por aqueles da sua família. O poder sobre a própria família é fundamental; além disso, nós não podemos abalar as liberdades civis das pessoas.

Há um grupo de WhatsApp no qual as assinaturas estão sendo coletadas. É possível acessar através do link a seguir: https://chat.whatsapp.com/FvdkdXQ1IKuEmBCyGO1fnz 

Continue Lendo

Passo Fundo

Pagamento de diárias em Passo Fundo subiu 100% em 2021. Veja quem gastou mais

Publicado

on

pagamento de diárias

Entre Prefeitura e Câmara de Vereadores, foram pagos R$ 246 mil em diárias no ano de 2021, o dobro de 2020

Parece que um setor da economia apresentou uma retomada forte em 2021, apesar da pandemia. Trata-se do uso de diárias, aquele dinheiro que políticos, Cargos de Confiança e funcionários em geral recebem para viajar (além da passagem e estadia, quando usada).

Segundo dados da transparência da Prefeitura de Passo Fundo, foram gastos em diárias o valor de R$ 246.622,23 no ano de 2021, contra R$ 123.263,15 em 2020. Os dados foram compilados e somados pela Lócus, já que a Prefeitura fornece apenas a lista de pagamentos em um local e a especificação (justificativa da viagem) em outro, quando fornece.

valores de diárias

Decreto municipal – valores dos diferentes tipos de diárias em vigor. O documento completo, aqui.

Quem mais gastou

Os motoristas, via de regra, sempre estão nas primeiras posições do ranking, já que recebem diárias sempre que levam alguém (especialmente na área da saúde) para outra cidade, mas não podemos desconsiderar os gastos computados por secretários e vereadores. Abaixo, o TOP 30 dos anos de 2021 e 2020:

diárias passo fundo 2021

Em 2021, lideram o ranking das pessoas que mais receberam diárias os motoristas Alaer Miranda e Renan de Bortoli (R$ 21 e R$ 17 mil), seguidos pelo primeiro político da lista, o vereador Rafael Colussi, com R$ 13 mil. Em quarto lugar, o prefeito de Passo Fundo, Pedro Almeida, com R$ 11 mil. A lista completa tem 128 nomes, os quais receberam no total R$ 246.622,23.

 

pagamento de diárias 2020

No ano de 2020, os 8 primeiros são motoristas. Em nono lugar, Dorval de Barros (enfermeiro).

As tabelas de diárias ano a ano podem ser geradas neste link da transparência municipal. O cargo de cada beneficiário você acessa aqui, através de busca por nome.

Resumo: melhorou e depois piorou

No levantamento da Lócus realizado em setembro de 2019, até aquela data, o gasto com diárias era de R$ 201 mil; o ano encerrou com R$ 298 mil. Então o montante teve uma queda significativa em 2020, indo para R$ 123 mil e piorando em 2021, com R$ 246 mil, o dobro do ano anterior.

Resta saber o que 2022 representará aos pagadores de impostos no quesito “Diárias” no município de Passo Fundo.

PS. Há um pouco de antídoto para os discursos de quem defende o recebimento de diárias no texto de 2019, já citado aqui. Aplique em seus debates, sem dó.

Continue Lendo

Assine nossa newsletter

* indicates required

Mais Acessados

Copyright © 2021. Lócus Online.