Entre em contato

Governo Bolsonaro

Salim Mattar explica como o Governo Bolsonaro está colocando o Brasil novamente nos trilhos

Publicado

on

Salim Mattar proferiu palestra no Minascon 2019, na sede do SEBRAE-MG, em Belo Horizonte, no dia 18 de setembro deste ano. Entre os problemas herdados pelo atual Governo, abordou o nocivo legado deixado pela social-democracia no Brasil. Abaixo, um resumo dos principais pontos da palestra do empresário e atual secretário de Privatizações do governo de Jair Bolsonaro. 

Talvez poucos tenham ouvido falar de Salim Mattar, atual secretário de Privatizações do governo de Jair Bolsonaro. Mas é certo que você já viu o nome de sua empresa estampada nos aeroportos brasileiros. Salim é dono da Localiza, maior empresa de aluguel de carros do Brasil e a mais valiosa do segmento no mundo. 

Em palestra recente na sede do SEBRAE-MG, apontou que, desde a saída do Governo Militar, foram os sociais-democratas que comandaram o país. O legado da atual Constituição Federal é a criação de 90 direitos contra 7 deveres. Em 30 anos: 5,9 milhões de normas, 390.726 tributárias, 46 por dia útil, 4.387.853 artigos. “Este é o legado que recebemos da social-democracia”, apontou. “Descobri que o maior problema da minha vida não foram meus concorrentes, mas o Governo. O Estado é feito totalmente contra o empresário, contra o cidadão“. 

Salim lembrou uma frase de Bolsonaro: “Nós precisamos tirar o Estado do cangote do cidadão e do empresário“. Para ele, é prazeroso ter um Governo que reconhece que o Estado age dessa forma. Abaixo, apresentou quadro com a evolução da carga tributária no Brasil:

Não é de agora que o empresário vem sendo atacado por todas as frentes, taxado muitas vezes de explorador. No entanto, é quem gera renda e trabalho na economia, uma simples lição que a esquerda tem dificuldade de compreender. Sufocar o empresário é condenar o sistema econômico à morte. Salim destacou que há um rigor da fiscalização das atividades produtivas que frequentemente obrigam empreendedores a abandonar os negócios. São trilhões de gastos em contencioso, fruto duma legislação confusa e que não colabora com o crescimento econômico do Brasil: “O país é consertado, aí vem a esquerda com o canto das sereias. Após destruírem as contas, os liberais são chamados para salvar o Estado“.

Outros dados trazidos e que podem ser conferidos tanto no vídeo quanto nos slides da sua apresentação abaixo:

  • Crescimento médio de 2,2% desde a social-democracia;
  • Crescimento econômico é a metade da média dos países emergentes;
  • Baixo investimento em infraestrutura;
  • Dívida bruta crescente;
  • Dívida líquida de R$ 3,8 trilhões;
  • Déficit nos fundos de pensão;
  • Rombo de R$ 196 bilhões no BNDES;
  • Taxa de desemprego em quase 13%;
  • Taxas de homicídios crescentes;
  • 79º no Índice de Desenvolvimento Humano;
  • 102º em liberdade de expressão;
  • 153º no Índice de Liberdade Econômica;
  • 80º no Relatório Global de Competitividade;

De acordo com o art. 173 da Constituição Federal: “Ressalvados os casos previstos nesta Constituição, a exploração direta de atividade econômica pelo Estado só será permitida quando necessária aos imperativos da segurança nacional ou a relevante interesse coletivo, conforme definidos em lei.” Entretanto, o país possui cerca de 700 empresas estatais (o BNDES está realizando novo levantamento): “Os governos que passaram por nós violaram a Constituição. Onde estava o Supremo, onde estavam os órgãos de controle, onde estava a oposição?“, criticou. Para ele, estes números provam que os sociais-democratas nada entendem de economia, pois são bilhões que acabam sendo destinados para cobrir os gastos das estatais.

Com o Governo Bolsonaro, houve a fusão de quatro ministérios em torno do atual Ministério da Economia. Para Salim, a principal função da sua secretaria será a redução da dívida e do tamanho do estado para o país voltar a crescer. O potencial dos ativos é de quase R$ 1 trilhão. Mesmo assim, destacou que só serão vendidos os ativos que a sociedade, o Congresso e o Presidente achar que devem ser vendidos. A meta de privatizações para o ano de 2019 é de aproximadamente R$ 76 bilhões. Abaixo, Salim apresentou um quadro do que já está sendo realizado:

Dentre as ações realizadas até agora: Reforma administrativa; Acordo Mercosul-União Europeia; Liberdade econômica; Abertura do mercado de gás; Aberturado mercado de aviação; Redução da alíquota de depósitos compulsórios pelo BC; Liberação de R$42 bi do FGTS e do PIS/PASEP; Bancos públicos federais: devoluções e nova política de empréstimos; 13º Bolsa família; Ficha limpa para cargos nomeados; Pente-fino do INSS; Governo digital; NR’s trabalho; Melhoria do ambiente de negócios; Reforma tributária; Reforma trabalhista; Integração à OCDE; Pacto federativo; Reestruturação financeira dos estados: privatização das empresas estatais estaduais; Capitalização da Eletrobras; Choque de competição no Mercado financeiro pelo BC; Privatização do mercado de crédito: desalavancagem do BNDES –crowding in; Reforma do Estado; Cessão onerosa: R$106 bilhões; Novo marco legal de saneamento; Novo marco legal de telecomunicação. 

Os efeitos imediatos também surpreendem. O que não ocorria desde 2013, o crédito privado supera o público. Juros baixos. Queda de 22% nas taxas de homicídio. Só uma invasão de propriedade neste ano. Crescimento do PIB. 

Finalizou dizendo: “Precisamos reduzir este Estado gigantesco, obeso, lento, burocrático e oneroso para os pagadores de impostos que interfere na vida do cidadão e do empresário!” A palestra de Salim Mattar, portanto, é obrigatória para todos aqueles que querem realmente entender o “antes versus depois” e o novo rumo em que este Governo está conduzindo o Brasil.

 

190918-Apresentação_SEDDM_português_Minascon

Continue Lendo
Comentários

Covid-19

Eva Lorenzatto: “Está escancarada a corrupção no Governo Bolsonaro”

Publicado

on

A petista Eva Lorenzatto ocupou a tribuna para relatar as recentes acusações sobre os desvios de recursos nas compras de vacinas

A vereadora Eva Lorenzatto (PT) usou a tribuna na Sessão Plenária do dia 23 de junho de 2021, da Câmara de Vereadores de Passo Fundo, para tecer comentários sobre o depoimento do ex-ministro Osmar Terra. De acordo com a parlamentar, a fala de Terra comprova que Bolsonaro é o grande responsável pelo descaso com o povo brasileiro, por conta da pandemia.

Sobre as recentes acusações envolvendo a compra da vacina indiana Covaxin, disse que havia sido comprada antes da autorização da Anvisa, por um preço, segundo ela, “mil por cento mais caro do que o anunciado”, mais cara do que a vacina da Pfeizer. Conforme relato da parlamentar, a empresa que intermediou o contrato está sendo acusada de fraude:

“Comunidade, qual é a desculpa agora? Está escancarada a corrupção no Governo Bolsonaro”

Rodinei Candeia (PSL) fez uso do aparte, por questão de ordem, apontando que a vereadora estava se valendo de expressões injuriosas. Segundo o parlamentar, conforme recente manifestação do Ministério da Saúde, essa compra nunca aconteceu e nem mesmo foi disponibilizado esse valor. Para ele, a vereadora estava fazendo uma afirmação injuriosa, além de caluniosa sobre o Governo Bolsonaro. Candeia pediu que a vereadora fizesse retratação da fala, pois não há comprovação de que há crime e, portanto, ela não poderia fazer essa afirmação.

A Mesa Diretora, todavia, não atendeu a solicitação do vereador Candeia:

Continue Lendo

Geral

“Se hoje o Bolsonaro disser que água faz bem, amanhã vão começar a dar Qboa para o pessoal tomar”

Publicado

on

Ada Munareto (PL) e Rodinei Candeia (PSL) criticaram a maneira com a qual a grande mídia retrata as ações do Governo Bolsonaro

Na Sessão Plenária do dia 9 de junho, Rodinei Candeia (PSL) criticou recente texto da Folha de São Paulo do jornalista Vinicius Torres Freire, com o seguinte título: “Economia dá mais sinais de despiora”. Para o parlamentar, a grande mídia é incapaz de colocar qualquer palavra que sinalize algo de positivo referente ao Governo Bolsonaro:

Olha a que ponto chega o escárnio de uma mídia corrupta que quer manipular a opinião pública a ponto de não querer colocar uma palavra positiva para retratar com fidelidade a situação que nós estamos vivendo na economia brasileira atual”.

Já na Sessão Plenária desta segunda-feira (14), Ada Munaretto (PL) criticou as recentes postagens de jornalistas de esquerda. Uma delas até uso de expressões racistas para se referir a manifestantes a favor de Bolsonaro. De acordo com a parlamentar, se a mesma postagem tivesse sido feita por um apoiador do presidente, a grande mídia não iria deixar passar em branco.

Continue Lendo

Governo Bolsonaro

Num ato de intolerância a opiniões contrárias, vereadora petista ataca Paulo Guedes

Publicado

on

“Será que não está na hora de o povo brasileiro expulsar esse senhor do nosso país?”, questiona Eva Lorenzatto (PT)

Quando um petista decide se manifestar, é quase certo que um ato de intolerância com qualquer opinião contrária às diretrizes do partido irá escapar.

A petista Eva Lorenzatto tem dado amostras constantes daquilo que a esquerda tem maior dificuldade de lidar, que é a liberdade de expressão. Por conta de recentes posicionamentos do ministro Paulo Guedes, um dos homens de maior influência no Governo Bolsonaro, a parlamentar questionou: “Será que não está na hora de o povo brasileiro expulsar esse senhor do nosso país?”

De acordo com a parlamentar, Guedes criticou a manutenção do Sistema Único de Saúde pelo atual formato, o que, para ela, é inadmissível.

É certo que a palavra “democracia” só serve para os partidários da vereadora. Opiniões divergentes… nem pensar! É certo que Passo Fundo terá que lidar com longos quatro anos de gritos de “Lula Livre” e “Bolsonaro genocida” na tribuna.

Continue Lendo

Assine nossa newsletter

* indicates required

Mais Acessados

Copyright © 2021. Lócus Online.