Entre em contato

Educação

Cerca de 67% dos estudantes brasileiros de 15 anos não sabem diferenciar fato de opinião

Publicado

on

Cerca de 75,6% dos estudantes brasileiros com 15 anos encontram-se entre os níveis mais baixos de proficiência em leitura. E estamos falando de estudantes que passaram, no mínimo, 8 anos frequentando a escola.

De acordo com o relatório “Leitores do Século 21: Desenvolvendo habilidades de alfabetização em um mundo digital”, recentemente divulgado pela OCDE, cerca de 67% dos estudantes brasileiros de 15 anos não sabem diferenciar fato de opinião. O índice dos nossos estudantes estaria acima da média registrada de estudantes em outros 79 países, que foi de 53%. O relatório traz dados e resultados provenientes do PISA 2018 – avaliação que teve como foco a proficiência em leitura.

O desempenho brasileiro nas avaliações do PISA é bem conhecido e divulgado. Desde o ano 2000, figuramos entre os mais baixos rendimentos dos países analisados, acumulando deficiências, ano após ano, série após série. O desempenho brasileiro em Leitura no PISA 2018 pode esclarecer os recentes dados do relatório divulgado pela OCDE (Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico).


A cada 3 anos, o PISA (Programa Internacional de Avaliação de Alunos) destaca um domínio cognitivo diferente – Leitura, Matemática e Ciências, respectivamente. A edição de 2018 teve foco em Leitura, com maior quantidade de questões voltadas a esse domínio. Nessa edição, a média dos jovens brasileiros em Leitura foi de 413 pontos, 74 pontos abaixo da média dos estudantes dos países da OCDE, que foi de 487. Esse desempenho deixou o Brasil em 55º, entre 78 países.

Para avaliar o desempenho dos estudantes, o PISA utiliza uma Matriz de Proficiência que procura estabelecer diferentes graus de complexidade e capacidade de entendimento, avaliação e interpretação de textos. A matriz é classificada em 6 grandes níveis, estabelecidos de modo progressivo, que vão desde a simples capacidade em dominar informações simples e literais até a compreensão e interpretação de textos complexos e informações elaboradas.

 

Leitores no Nível 1 conseguiriam entender, avaliar e interpretar o significado literal de frases, trechos ou passagens curtas de textos. Tudo aquilo que envolve alguma complexidade, sentidos duplos ou analogias não será facilmente compreendido nesse nível. Terá dificuldade de entender alguma piada implícita ou dúbia em gibis, por exemplo. Esse leitor tem a capacidade de leitura de mensagens e vocabulário simples, como mensagens abreviadas de Whatsapp, notícias rápidas em sites e jornais, frases em posts de redes sociais ou comandos e informações explícitas.

Já os leitores no Nível 2, conseguiriam entender, avaliar e interpretar textos de tamanho moderado, como uma redação. Estes leitores seriam capazes de identificar a ideia geral de um texto, interpretar informações explícitas e realizar relações básicas, como verificar alguma contradição na própria redação. Neste grau de domínio, a capacidade de leitura ainda se encontra no nível da literalidade – significados tênues ou analogias mais complexas não são compreendidos.

Seria apenas no Nível 3 em que encontraríamos capacidades mais elevadas de identificar informações para além do nível literal: os leitores conseguiriam realizar relações mais complexas do texto com a realidade. Isto significa que o leitor seria capaz de analisar, inicialmente, a veracidade das informações, identificar a expressão de fatos e distinguir sentimentos e opiniões. Ao ler um artigo, o leitor seria minimamente capaz de identificar se ali encontra uma opinião ou a descrição de um fato. Trata-se do início do domínio da linguagem – o leitor é capaz de ler livros, entender a mensagem e fazer alguma relação com o mundo.

De acordo com o PISA 2018, cerca de 75,6% dos estudantes brasileiros com 15 anos encontram-se entre os níveis mais baixos de proficiência em leitura – níveis 1 e 2. Apenas 25,6% dos estudantes encontram-se acima do nível 3, demonstrando capacidade de leitura mais desenvolvida. Estamos falando de estudantes que passaram, no mínimo, 8 anos frequentando a escola.

Diante dos dados detalhados da edição do PISA 2018, por que ficaríamos surpresos ao saber que 67% dos estudantes não conseguem distinguir fato de opinião? A educação é um processo lento que não desfaz erros acumulados em um ano ou três. Depois de décadas de métodos de alfabetização equivocados, ondas sobrepostas de ideologias que transformam a educação em tudo menos o desenvolvimento da inteligência, não será simples nem fácil elevarmos a qualidade da nossa educação. É possível, mas não é rápido.

Leia também: Colunistas da Lócus publicam artigo sobre domínio da linguagem na educação brasileira em revista científica

Continue Lendo

Educação

Sobre o retorno das aulas: afinal, quais são as demandas estavam em jogo? (Parte 2)

Publicado

on

A equipe da Lócus conversou com a vereadora Regina dos Santos (PDT) e com Eduardo Albuquerque, diretor do CMP Sindicato, para entender melhor como estão as condições – de um modo geral – para o retorno das aulas em Passo Fundo

No dia 3 de junho, publicamos a primeira parte desta matéria, quando conversamos com a vereadora Regina dos Santos (PDT) sobre a situação da pandemia relacionada ao retorno das aulas na rede municipal em Passo Fundo. Agora, na segunda parte, Eduardo Albuquerque (imagem), professor e diretor do CMP Sindicato, conversou conosco sobre o mesmo assunto, complementando pontos discutidos com a parlamentar.

Contexto

Na Sessão Plenária do dia 26/04/2021, da Câmara de Vereadores de Passo Fundo, a parlamentar Regina Costa dos Santos (PDT) ocupou a tribuna para falar sobre educação nos tempos de pandemia. Como professora, é natural que a educação seja uma das suas bandeiras na Câmara.

Professora Regina, vereadora pelo PDT, no seu grande expediente do dia 31 de maio de 2021.

Na ocasião, Regina disse que a educação merece “respeito”, “responsabilidade” e “planejamento” por parte dos gestores. Como as expressões destacadas são comumente utilizadas para tratar a maioria dos assuntos na Câmara, a vereadora foi procurada com o intuito de esclarecer melhor esse ponto, a quem as seguintes perguntas foram direcionadas:

a) A senhora disse na tribuna que “a Educação merece respeito”. Qual o exato alcance da palavra respeito neste caso? O que seria um “ato de desrespeito” direcionado neste momento à Educação?

b) O que o sindicato dos professores quer, afinal, para retornar às aulas? A vacinação dos professores basta? O que mais é necessário? (Quando realizada esta pergunta, a prefeitura de Passo Fundo já havia determinado o retorno)

c) Qual o protocolo que o CMP ou demais sindicatos sugeriram para o retorno das aulas?

De acordo com a parlamentar, ela tem ido às instituições de ensino e fiscalizado de perto como estão as condições de trabalho dos professores, com agenda intensa de visitas e reuniões. É preciso destacar que, conforme pontuado pela vereadora, as suas respostas eram de cunho pessoal, em nenhum momento se fazendo representante de qualquer sindicato: “Eu só posso me manifestar acerca do meu gabinete, jamais como porta-voz dos sindicatos de classe“.

Em relação à primeira pergunta, ela disse que o respeito exigido estava intimamente associado aos ataques que a classe dos professores tem sofrido, quando injustamente dizem que os professores não querem o retorno das aulas e que não querem trabalhar. Há um abismo entre a realidade das escolas privadas e públicas, sobretudo quando comparados os recursos tecnológicos das instituições e o acesso à internet por parte dos alunos. Para ela, o poder público teve cerca de um ano para preparar o retorno das aulas com as condições necessárias, mas acabou deixando para última hora, exigindo que os professores improvisem na maneira como conduzem as atividades escolares. Mencionou, inclusive, o posicionamento do deputado federal Ricardo Barros (Progressistas-PR), líder do governo federal na Câmara dos Deputados: “os gestores públicos, além de não darem as condições necessárias para o retorno e criticar o trabalho dos professores, colocam a população contra a a categoria dos profissionais da Educação“.

Para ela, com a paralização das aulas, muita economia foi feita. Em outras palavras, com as aulas suspensas, parte dos recursos destinados à educação não foram utilizados. Esse montante poderia ter sido revertido para a aquisição de materiais tecnológicos para condução das aulas de forma remota. O seu gabinete fez indicação para que fossem entregues kits de alimentação para as famílias dos alunos mais carentes, já que a merenda escolar não estava sendo distribuída: “A gente sabe que há muitas crianças que frequentam a escola para poderem se alimentar“, lamentou.

Em relação à segunda e à terceira pergunta, a vereadora disse que deixaria a cargo do Sindicato. No entanto, afirmou que o CMP colaborou com a elaboração do protocolo de retorno e não tem medido esforços para fiscalizar o retorno das atividades escolares.

Em outra oportunidade, perguntamos a quem ela se referia quando afirmava “a responsabilidade é dos gestores públicos”. Afinal, de quem ela está falando? Ela respondeu: “Governo Federal, Governador Estadual e prefeito de Passo Fundo; enfim, todos os responsáveis pela política de enfrentamento ao Covid e da Educação pública“.

Ainda, questionamos quais seriam, na opinião dela, as condições de trabalho ideais para os professores. Em resposta: “Quanto ao que precisa: garantia dos protocolos sanitários, disponibilizar testagem, vacina, equipe de monitoramento e equipamentos tecnológicos e internet. Isso seria o básico, considerando que estamos ainda em meio a uma pandemia“.

CMP Sindicato

Importante destacar que, na mesma semana em que contatamos a professora Regina e o CMP Sindicato, o Poder Executivo Municipal havia decretado o retorno das atividades escolares presenciais [maio de 2021]. De qualquer forma, julgamos que seria importante procurar entender as motivações da classe dos professores. Direcionamos uma pergunta extensa para o professor Eduardo Albuquerque, para saber exatamente o que os profissionais da educação queriam para retornar às aulas:

Lócus: A professora Regina disse que não poderia falar em nome do Sindicato. Por isso, pergunto: o que os professores querem para o retorno imediato das aulas? Existe um protocolo? O que exatamente a classe dos professores quer? Digamos que todos os professores sejam imunizados, eles retornariam imediatamente às aulas ou isto é insuficiente? O que de concreto os professores querem dos gestores públicos?

Eduardo Albuquerque respondeu o seguinte:

Bom, em primeiro lugar, quero dizer que “não é que queiramos voltar [às aulas]”, pois nós voltamos! Já estávamos trabalhando online. Mas já que você se refere à questão das aulas presenciais, nós retornamos ainda no dia 3 de maio, mesmo sem as vacinas. Aqui [Passo Fundo], o Município optou por um retorno escalonado – que é no mínimo de bom senso, pois você vai fazendo com que aos poucos as coisas comecem a funcionar, e o risco de acontecer alguma coisa é bem menor. 

Respondendo objetivamente à sua pergunta, o que nós queremos é sim a vacinação de todos os profissionais da educação, deixando bem claro que não se trata apenas dos professores, mas de todos os profissionais que trabalham em função da escola (merendeiras, secretárias, faxineiras), isso porque nós não podemos tão somente imunizar um grupo de profissionais da escola e deixar os demais sem esse tipo de proteção, pois obviamente as coisas não vão funcionar.

Em paralelo a isso, nós queremos que os protocolos do COE, que já foram estabelecidos e que estão adequados, sejam cumpridos à risca. Isso garante a proteção de todos os profissionais. Máscara, distanciamento, organização da escola, número de alunos por sala, isso tudo já foi estabelecido pelo COE [Comitê de Orientação Emergencial]. O Ministério Público do Trabalho estabeleceu cerca de 23 medidas de segurança, que são muito parecidas com as medidas que já estão nos protocolos do COE municipal.

Obviamente que queremos a vacinação. Quanto mais pessoas vacinadas, mais tranquilidade nós teremos para esse retorno, o qual, como eu já lhe disse, está acontecendo mesmo sem a vacinação [em maio].

A equipe da Lócus agradece o imediato retorno do professor Eduardo, que nos atendeu muito cordialmente, complementando prontamente as dúvidas relacionadas ao tema da educação municipal.

Continue Lendo

Covid-19

Sobre o retorno das aulas: afinal, quais são as demandas estavam em jogo?

Publicado

on

A equipe da Lócus conversou com a vereadora Regina dos Santos (PDT) e com Eduardo Albuquerque, presidente do CMP Sindicato, para entender melhor como estão as condições – de um modo geral – para o retorno das aulas em Passo Fundo

Na Sessão Plenária do dia 26/04/2021, da Câmara de Vereadores de Passo Fundo, a parlamentar Regina Costa dos Santos (PDT) ocupou a tribuna para falar sobre educação nos tempos de pandemia. Como professora, é natural que a educação seja uma das suas bandeiras na Câmara.

Professora Regina, vereadora pelo PDT, no seu grande expediente do dia 31 de maio de 2021.

Na ocasião, Regina disse que a educação merece “respeito”, “responsabilidade” e “planejamento” por parte dos gestores. Como as expressões destacadas são comumente utilizadas para tratar a maioria dos assuntos na Câmara, a vereadora foi procurada com o intuito de esclarecer melhor esse ponto. A equipe da Lócus foi prontamente atendida, o que será abordado adiante.

A parlamentar teceu duras críticas ao deputado federal Ricardo Barros (Progressistas-PR), líder do governo federal na Câmara, por ter recentemente falado (pelo menos é o que se noticiou) que a classe de docentes “não quer trabalhar” durante a pandemia da Covid-19. Barros, em entrevista à CNN Brasil, disse que os professores estão causando danos às crianças ao interromperem a continuidade da formação delas. No Congresso, há uma votação para determinar que a educação seja classificada como serviço essencial, para que assim as escolas sejam reabertas.

É impossível afirmar que os professores não querem trabalhar, pois a generalização não soa como um bom argumento em qualquer discussão, sobretudo em matéria de educação. Mas a pergunta que fica é: afinal, o que estava em jogo para o retorno das aulas? Muitos afirmam que precisam de “condições de trabalho”, mas o que isso exatamente significa? Certamente após a vacinação em massa, demanda principal, virão outras exigências. Em matéria de “luta por direitos”, isso nunca terá fim.

Regina disse que a fala do deputado Barros “envergonha o sistema democrático do nosso país”. O que isso exatamente quer dizer? Parece que além da palavra “respeito”, o termo “sistema democrático” ou mesmo “Estado Democrático de Direito” parece comumente mencionado. A democracia permite o contraponto de ideias. Ela usa a palavra “democracia” para impedir que outro político se manifeste? Parece um tanto antidemocrático.

Na ocasião em que se manifestou na tribuna, a parlamentar disse que quem não está trabalhando é o deputado [Barros] e que ela espera que os políticos lutem pela vacinação em massa no país. Na tribuna, em algumas ocasiões, ela afirmou que não é contra o retorno das aulas, mas sob determinadas condições. Para Regina, a imunização dos professores é imprescindível para a retomada das aulas presenciais. É preciso reforçar que, após a imunização dos professores, novas demandas virão.

Ainda, a vereadora disse que a educação é apenas vista como essencial quando visa obrigar as pessoas a retornarem às escolas, ressaltando que os professores não deixaram de trabalhar ao longo da pandemia: “Eu defendo a educação como essencial como instrumento de transformação social. Eu defendo que lugar de criança é na escola. E a escola deve ser o lugar mais seguro do mundo para essas crianças, já que suas casas nem sempre são capazes de garantir essa segurança”.

Ela apontou ainda que os governantes estão jogando a população contra os professores e contra as escolas. Informou que o governador Eduardo Leite sabia que havia uma impossibilidade jurídica para o retorno das aulas. No entanto, desconsiderou uma ordem judicial para determinar o retorno às aulas.

Pois bem. Depois de contextualizado o motivo de resgatar essa discussão, conversamos com a vereadora, que prontamente nos atendeu, como também Eduardo Albuquerque, presidente do CMP Sindicato. Abaixo, é possível conferir a participação da vereadora Regina no Programa CMP, conduzido pelo próprio presidente da entidade.

Para a vereadora Regina, foram feitas as seguintes perguntas:

a) A senhora disse na tribuna que “a Educação merece respeito”. Qual o exato alcance da palavra respeito neste caso? O que seria um “ato de desrespeito” direcionado neste momento à Educação?

b) O que o sindicato dos professores quer, afinal, para retornar às aulas? A vacinação dos professores basta? O que mais é necessário? (Quando realizada esta pergunta, a prefeitura de Passo Fundo já havia determinado o retorno)

c) Qual o protocolo que o CMP ou demais sindicatos sugeriram para o retorno das aulas?

De acordo com a parlamentar, ela tem ido às instituições de ensino e fiscalizado de perto como estão as condições de trabalho dos professores, com agenda intensa de visitas e reuniões. É preciso destacar que, conforme pontuado pela vereadora, as suas respostas eram de cunho pessoal, em nenhum momento se fazendo representante de qualquer sindicato: “Eu só posso me manifestar acerca do meu gabinete, jamais como porta-voz dos sindicatos de classe“.

Em relação à primeira pergunta, ela disse que o respeito exigido estava intimamente associado aos ataques que a classe dos professores tem sofrido, quando injustamente dizem que os professores não querem o retorno das aulas e que não querem trabalhar. Há um abismo entre a realidade das escolas privadas e públicas, sobretudo quando comparados os recursos tecnológicos das instituições e o acesso à internet por parte dos alunos. Para ela, o poder público teve cerca de um ano para preparar o retorno das aulas com as condições necessárias, mas acabou deixando para última hora, exigindo que os professores improvisem na maneira como conduzem as atividades escolares. Mencionou, inclusive, aquilo anteriormente citado neste texto, sobre o posicionamento do deputado federal Ricardo Barros (Progressistas-PR), líder do governo federal na Câmara dos Deputados: “os gestores públicos, além de não darem as condições necessárias para o retorno e criticar o trabalho dos professores, colocam a população contra a a categoria dos profissionais da Educação“.

Para ela, com a paralização das aulas, muita economia foi feita. Em outras palavras, com as aulas suspensas, parte dos recursos destinados à educação não foram utilizados. Esse montante poderia ter sido revertido para a aquisição de materiais tecnológicos para condução das aulas de forma remota. O seu gabinete fez indicação para que fossem entregues kits de alimentação para as famílias dos alunos mais carentes, já que a merenda escolar não estava sendo distribuída: “A gente sabe que há muitas crianças que frequentam a escola para poderem se alimentar“, lamentou.

Em relação à segunda e à terceira pergunta, a vereadora disse que deixaria a cargo do Sindicato. No entanto, afirmou que o CMP colaborou com a elaboração do protocolo de retorno e não tem medido esforços para fiscalizar o retorno das atividades escolares.

Em outra oportunidade, perguntamos a quem ela se referia quando afirmava “a responsabilidade é dos gestores públicos”. Afinal, de quem ela está falando? Ela respondeu: “Governo Federal, Governador Estadual e prefeito de Passo Fundo; enfim, todos os responsáveis pela política de enfrentamento ao Covid e da Educação pública“.

Ainda, questionamos quais seriam, na opinião dela, as condições de trabalho ideais para os professores. Em resposta: “Quanto ao que precisa: garantia dos protocolos sanitários, disponibilizar testagem, vacina, equipe de monitoramento e equipamentos tecnológicos e internet. Isso seria o básico, considerando que estamos ainda em meio a uma pandemia“.

Por conta da extensão e importância do assunto, vamos deixar os assuntos tratados com o presidente do CMP Sindicato para a próxima matéria, que será publicada nos próximos dias.

Agradecemos, mais uma vez, a vereadora Regina dos Santos pela disponibilidade em atender a nossa equipe.

Continue Lendo

Educação

Como o Conselho Municipal de Educação age sobre os projetos que possam contrariar os seus interesses

Publicado

on

Na Sessão Plenária do dia 12/04/2021, o vereador Evandro Meireles (PTB) falou do PL 30/2021, de sua autoria, que institui o Projeto “Creche em Casa”, com a finalidade de regulamentar a atividade das mães crecheiras, mulheres que desempenham, onerosamente, o cuidado de crianças de outras famílias, em turno integral ou no contra-turno escolar. De acordo com o parlamentar, a iniciativa pode gerar empregos para uma parcela da população que enfrenta dificuldades durante a pandemia.

Na última sessão, ocorrida nesta segunda-feira (17), o parlamentar informou que recebeu uma nota de repúdio do Conselho Municipal de Educação contra o projeto. Entenda a polêmica no vídeo a seguir:

Continue Lendo

Assine nossa newsletter

* indicates required

Mais Acessados

Copyright © 2021. Lócus Online.