Entre em contato

Cultura

Geração TikTok: muita tecnologia, pouca concentração

Publicado

on

Os usuários ativos ficam expostos de 120 a 240 vídeos curtos por dia, 840 a 1.200 por semana – quando não estão envolvidos produzindo ou criando os próprios vídeos. O TikTok foi feito para viciar.

Que toda tecnologia influencia de alguma forma na nossa maneira de perceber o mundo, é fato conhecido. Antes do advento da escrita, por exemplo, a memória certamente era uma habilidade intensamente requisitada, de modo que as redes neurais responsáveis por essa função estavam em constante treino. Nesse contexto, ao percebermos a presença habitual dos smartphones mediando praticamente todas as experiências e ações diárias das pessoas, não será difícil reconhecer que é altamente provável que essa tecnologia cause alterações cognitivas nos indivíduos que a usem compulsivamente.

De acordo com a edição de 2021 do The State of Mobile Report, relatório sobre os hábitos de uso do celular divulgado pela empresa App Annie, o aplicativo mais baixado e utilizado no mundo foi o Tik-Tok, ultrapassando os afamados Facebook, Instagram e Twitter. No momento da redação deste texto, o aplicativo conta com 1,4 bilhões de usuários ativos. O Brasil aparece como o país que mais teve downloads do aplicativo em 2020.

O Tik-Tok surgiu em 2017, quando a empresa chinesa Beijing Bytedance Technology comprou o aplicativo Musical.ly, o renomeou e aprimorou a sua utilização. Trata-se de um aplicativo de mídia social para criação, interação e compartilhamento de vídeos curtos, com duração de 15 a 60 segundos. Ali, encontram-se coisas as mais variadas possíveis – dublagens, danças e clipes, caretas e exibicionismo, tendências diárias, exposição e divulgação de trabalhos, artistas e famosos. Além disso, devido ao grande alcance, empresas e negócios já adotaram o aplicativo como uma das formas para comunicação rápida, propagandas e campanhas de marketing. A missão, segundo o próprio aplicativo, é ser “o principal destino para vídeo móvel no formato curto, inspirar a criatividade e trazer alegria”. O grande diferencial está na experiência altamente customizada: os vídeos são direcionados de acordo com o que o usuário vai clicando, assistindo ou produzindo e compartilhando – é o algoritmo digital trabalhando ferozmente.

Quase 70% dos usuários ativos desse aplicativo têm entre 16 a 24 anos; 17% têm entre 13 e 16 anos (nos EUA, 35% têm menos de 19 anos, número também muito provável no Brasil). 90% acessam diariamente. Em geral, os usuários gastam uma média de 1 a 3 horas por dia usando o aplicativo. Isso significa que os usuários ativos ficam expostos de 120 a 240 vídeos curtos por dia, 840 a 1.200 por semana – quando não estão envolvidos produzindo ou criando os próprios vídeos. É uma verdadeira inundação de informações em doses frenéticas e de poucos segundos. Não se trata apenas de um aplicativo divertido que obteve sucesso e alcance imediato, mas de uma nova linguagem que está reformulando as mídias digitais, cujos efeitos começam a ser explorados e estudados. (Devido ao imediato sucesso do TikTok, demais redes como Instagram e Youtube já aderiram a esse formato de compartilhamento de vídeos). No entanto, já é possível antecipar que, considerando as pesquisas sobre os impactos das tecnologias digitais na concentração humana, são visíveis os efeitos imediatos dessa inundação de vídeos curtos na atenção prolongada, na concentração focada e na habilidade de leitura dos usuários – em sua maioria, jovens.

CONCENTRAÇÃO FRAGMENTADA

Recentemente, em um artigo publicado na revista digital Frontiers in Public Health, “Sobre a psicologia do uso do TikTok”, pesquisadores da Alemanha, China e EUA, concluíram que o grande alcance e o alto engajamento no uso do TikTok é resultado de uma aperfeiçoada análise psicológica das mídias:

“As empresas de mídias sociais criaram serviços altamente imersivos, com o objetivo de captar a atenção dos usuários o máximo possível. Como resultado da permanência prolongada dos usuários, as empresas de mídia social obtêm insights profundos sobre as características psicológicas dos usuários”.

Neste sentido, o TikTok pode ser considerado o produto mais representativo e avançado das mídias sociais, obtido a partir do comportamento diário dos usuários na internet e nos smartphones. Quanto mais você usa, mais eles conhecem você, mais você receberá o que lhe atrai, mais você ficará engajado. No fim, você acaba despendendo mais tempo do que o pretendido – e desligar não será uma opção considerada. O TikTok foi feito para viciar.

O uso compulsivo de um aplicativo como esse não está essencialmente ligado ao conteúdo distribuído. As informações veiculadas podem ser engraçadas, inúteis, criativas ou importantes – seu efeito não está essencialmente aí. Todo o conteúdo criado e distribuído no TikTok poderia, muito bem, ser distribuído em outras plataformas. A diferença está na forma com que é feito nesse aplicativo – vídeos rápidos, em fluxo contínuo e de alto engajamento. A concentração é requisitada em doses de spiccato, de 15 a 60 segundos, igual a uma mordida, dentro de uma timeline personalizada e de rolagem infinita. A atenção do usuário é mantida em uma constante sensação de novidade e curiosidade sobre o que aparecerá.

O TikTok não foi feito para o usuário ter longos períodos de concentração. Trata-se do paradoxo da atenção: o aplicativo prende a atenção para quebrá-la. Agora, você consegue imaginar o que um hábito como esse pode causar em um indivíduo de 13 a 17 anos, que dedica 2 a 4 horas diárias a este tipo de concentração fragmentada?

Em um estudo publicado em 2019, na Nature Communications, pesquisadores alemães e dinamarqueses concluíram que o tempo de atenção média dos usuários de redes sociais está diminuindo coletivamente devido à rapidez das informações distribuídas e consumidas. Outras pesquisas neurológicas já demonstraram que muitas práticas e ações frequentes, dentro de determinados ambientes, podem alterar as redes neurais do cérebro, criando hábitos rígidos e comportamentos difíceis de serem alterados – para o bem ou para o mal. Se um indivíduo tem o hábito diário de desafiar sua resistência física, com o tempo seu cérebro irá se habituar a resistência com maior facilidade; seus gatilhos mentais o levarão a ter maior facilidade em ser uma pessoa resiliente. O mesmo processo pode acontecer com um indivíduo que tem o hábito compulsivo e diário de estar conectado às mídias sociais por horas ou de assistir continuamente muitos vídeos rápidos, como no TikTok – sua capacidade de concentração e atenção prolongada irá diminuir, pois sua mente estará sendo treinada diariamente a ter curtos períodos de concentração. As consequências podem ser vistas na impaciência dos usuários diante de atividades mais prolongadas como ler um livro, ler textos longos na internet, assistir um filme inteiro, assistir a uma palestra ou, especialmente entre os jovens, assistir atentamente a uma aula de 50 minutos.

Em 2010, Steve Jobs revelou a um jornalista do New York Times que seus filhos nunca haviam usado iPad, sua própria invenção. Em 2018, Bill Gates admitiu que tinha severas regras de tempo para os filhos usarem tecnologia. Chris Anderson, antigo editor da prestigiada revista de tecnologia Wired, afirmou que nunca permitiu seus cinco filhos usarem aparelhos com tela em seus quartos. Evan Williams, um dos sócios-fundadores do Twitter, sempre evitou dar um iPad ou celular aos seus filhos pequenos. Se os próprios envolvidos na criação da tecnologia admitem os prejuízos pelo uso compulsivo, não ser ingênuo diante da mídia de algoritmos é o primeiro passo para recuperar a capacidade de concentração profunda, que tanto fez bem à humanidade. E se você leu até aqui, parabéns e obrigado.

Cultura

Por que a esquerda odeia tanto a beleza?

Publicado

on

Jennifer Lopez

Foto recente da cantora americana Jennifer Lopez repercutiu em texto passivo-agressivo de colunista brasileira da Vogue. Até quando?

A cantora e atriz americana Jennifer Lopez postou uma foto nua em um ensaio para comemorar seus 53 anos de idade. Até aí, tudo bem. Ela fez o mesmo (com um pouco mais de roupa – um biquini) no ano passado. É do jogo.

As implicações do fato cruzaram as fronteiras e foram parar nas páginas digitais da edição brasileira da revista Vogue. A colunista Cláudia Lima publicou um texto que podemos chamar amadoristicamente de passivo-agressivo, tamanha a quantidade de afirmações que variam da raiva até a suposta admiração pela atriz, distantes poucas linhas umas das outras.

O escrito gerou uma curiosidade jornalística. Na primeira publicação, saiu com o título “Jennifer Lopez e o desserviço às mulheres de 50, 60, 70…”. Horas depois, foi trocado para “Jennifer Lopez: precisamos ter o corpo perfeito sempre?”, mas o endereço da postagem no site permaneceu o mesmo, passado também entregue pela transcrição em áudio (um recurso extra presente no site da Vogue) que ainda tem o conteúdo antigo. A parte retirada era assim:

Jennifer Lopez e o desserviço às mulheres de 50, 60, 70… – Ensaio de sua marca de beleza é retrocesso na luta das mulheres pela aceitação de seus corpos, de sua imagem e contra os preconceitos em relação a idade. [sic]

Depois, o primeiro parágrafo começa com “eu amo a Jennifer Lopez” e o texto desfia um rosário de olhares típicos do feminismo sobre o caso de uma mulher que ousou mostrar as curvas perfeitas. Poderia ser a sua vizinha, mas é a Jennifer Lopez. Release the Kraken do lacre! Pra já! A ordem é oprimir a atriz que ousa trabalhar para a indústria que insiste em oprimir… as mulheres!

A peça acaba (depois de definir fronteiras para a liberdade e criticar indiretamente até a ética da atriz) com “Sejamos nós, sempre! Livres!”.

Irreal.

O mesmo sentimento foi replicado em outra coluna, desta vez para o UOL, por Nina Lemos. Entre outras linhas, dispara a colunista:

“Mas essa semana JLo pisou na bola. Ela publicou uma foto nua fazendo campanha para sua marca de cosméticos (a JLo Beauty). Se fosse só isso, maravilhoso. Precisamos mesmo ver mulheres de mais de 50 mostrando seus corpos. Só que tem um detalhe: o corpo exibido por JLo nas redes sociais é completamente fora da realidade de qualquer mulher de 50 anos”.

Sim, ela meteu essa: qualquer mulher de 50 anos. Se você é mulher e tem 5o ou mais, com curvas lopezianas, você nasceu em outro planeta.

Cláudia e Nina compartilham gostos e apoios políticos muito semelhantes e bem expostos em seus perfis do Instagram, deixando confortável o título do nosso texto. Feminismo, Lula, #ForaBolsonaro, a cartela inteira está lá nas imagens.

O motivo de tanto ódio pelo belo por parte da esquerda e suas ramificações pode ser explicado por diversos autores, de Roger Scruton a Jordan Peterson. Este último teve a ousadia de dizer recentemente que a modelo na capa de uma revista esportiva não era bonita. E a turma do lacre foi ao desespero. Transportando estes pensamentos sobre beleza no geral para o efeito causado especificamente por curvas de uma atriz e cantora americana de 53 anos em um ensaio, há que se imaginar que o ódio pode ter muitas razões: da inveja ordinária sustentada por embasamento de ciência social de botequim, pela irritante proximidade da natureza e seu criador ou pelo simples uso da celeuma como ferramenta de luta de classes.

 

 

Jennifer Lopez cometendo o mesmo crime no ano passado, ao postar o corpo dos 52 anos.

 

Para o lado de cá da história, resta reafirmar aos seus que ainda caem nestes discursos que o caminho para aqueles que apresentam problemas com a beleza alheia não é xingar a sociedade e sim procurar ajuda especializada, o quanto antes.

Continue Lendo

Cultura

Das lições de Olavo de Carvalho: A importância da Literatura

Publicado

on

Por que a literatura é uma maneira de amadurecer a visão e compreensão da realidade? Em seu Curso Online de Filosofia, o professor Olavo não se cansava de lembrar que “a base da formação cultural é a extensa leitura atenta de literatura, pois esta é uma maneira de amadurecer a visão da realidade”

Os ensinamentos e as obras do professor Olavo de Carvalho, falecido em 24 janeiro desse ano, certamente ainda serão muito estudados. Seu legado deixa lições valiosas sobre a unidade do conhecimento humano e o autoconhecimento individual. Uma dessas lições que urge ser propagada diz respeito à importância de ampliar nosso imaginário, através da extensa absorção dos clássicos da literatura.

Tendo assumido a missão de restaurar o cultivo da alta cultura em nosso país (esfacelada por décadas de obscurantismo acadêmico), em seu Curso Online de Filosofia, o professor Olavo não se cansava de lembrar que “a base da formação cultural é a extensa leitura atenta de literatura, pois esta é uma maneira de amadurecer a visão da realidade”. Mas o que isso quer dizer?

É preciso entender que ler muitos livros não significa que o indivíduo incorporou o essencial à sua alma. A leitura atenta é aquela que leva o indivíduo a incorporar, no centro da sua existência, as sutilezas e as possibilidades de experiência humana, narradas exemplarmente nas obras literárias.

 

Qualquer pessoa que já tenha lido um bom romance teve a experiência de sair, por um momento, das formas convencionais de expressar a vida humana. Considere, por exemplo, sentimentos como o amor e o sofrimento. Se você ler O Albatroz, de José Geraldo Vieira, ou Moll Flanders, de Daniel Defoe, ou Sofrimentos do Jovem Werther, de Goethe, ou Romeu e Julieta, de Shakespeare, inevitavelmente perceberá diferentes graus e maneiras de expressar aqueles sentimentos, com todas as suas contradições, nuances e sutilezas. Você irá absorver modos diferentes de atenuar experiências, de realçar detalhes, de descrever sensações e situações de formas tão sutis, complexas e profundas que, inevitavelmente, irão expandir o seu horizonte de consciência sobre a vida humana. Considere por um momento o que o hábito de ler  boa literatura pode fazer a um indivíduo ao longo dos anos.

Nós jamais conseguimos ver além do nosso horizonte de consciência. Se esse horizonte for limitado, é muito provável que, em algum momento, o indivíduo se sinta mal por não compreender a si mesmo, o que acontece ao seu redor, ou não compreender as pessoas para além do que elas lhe aparentam. Por isso, alertava o professor Olavo, buscar ampliar a nossa imaginação através da absorção da boa literatura é aumentar a nossa capacidade de perceber, expressar e comunicar a experiência humana.

Esta era uma lição insistentemente lembrada por Olavo como um dos passos básicos para a restauração da alta cultura no país. Atualmente, a julgar pelas várias iniciativas e projetos sobre literatura encabeçados por ex-alunos do professor e afins, é preciso admitir que mais passos estão sendo dados e muitas pessoas estão tendo essa experiência de absorção literária. Os cursos e grupos de estudos do canal Formação do Imaginário; as análises e mentorias literárias do Matheus Araújo; os ciclos de leitura sobre literatura brasileira do historiador Thomas Giulliano; as análises literárias de Gabriel Santana; os encontros do Clube do Livro de Paulo Briguet e Silvio Grimaldo; os cursos de leitura e escrita do crítico Rodrigo Gurgel; as análises e leituras do canal Os Naufrágos, de Curitiba; a Sociedade do Livro, do grupo Brasil Paralelo; as análises e cursos do escritor João Filho; as análises e leituras no canal da tradutora Juliana Amato. Isso é uma breve lista de exemplos de iniciativas e trabalhos sérios que levam adiante o estudo e a leitura atenta da literatura como forma de ampliação do imaginário.

Todos esses projetos e trabalhos acabam atraindo muitas pessoas a seguir um caminho que não visa apenas certificados ou diplomas, mas um caminho que desperta algo mais valoroso e permanente: o verdadeiro apreço por expandir o conhecimento e buscar a verdade, por mais desafiador que isso seja. Para quem, felizmente, pode presenciar, essa foi uma lição que o professor Olavo não ensinou apenas com palavras e aulas gravadas, mas com a força da sua própria pessoa.

Continue Lendo

Cultura

Por que está cada vez mais difícil e desinteressante estudar latim?

Publicado

on

Com a adoção do método de Paulo Freire nas escolas, nossa inteligência não caiu em constante e sutil queda, mas despencou ladeira abaixo, como um corpo arremessado de um penhasco

Eu estava conversando recentemente com o Cidney Surdi Jr., que além de ser meu colega na Lócus, é um amigo de longa data, sobre o estudo do latim. Tanto ele quanto eu nos arriscamos a estudar a língua do Lácio, embora certamente ele tenha o feito com maior empenho aos longos destes anos, sobretudo por ter cursado a disciplina no Departamento de Letras da UFPR, instituição onde ele se formou e fez mestrado em Filosofia.

Eu me interessei pelo latim quando comecei a acompanhar as aulas do Curso Online de Filosofia do professor Olavo de Carvalho, que lamentavelmente nos deixou no dia de ontem (25). Ele foi o responsável por resgatar um método que há anos estava esquecido nas estantes dos sebos, porque há muitos anos não era republicado. Trata-se da Gramática Latina, de Napoleão Mendes de Almeida.

Já vi muitas pessoas tentarem por conta própria estudar latim utilizando este trabalho. No entanto, poucos acabam avançando as páginas, na sua maioria desistindo já nas primeiras lições. Uns dizem que o estudo é chato, outros que não estavam entendendo nada, outros que acusaram o método de estar lhes fritando o cérebro. Eu mesmo, lá no início, abandonei o estudo em duas oportunidades. Por que isso acontece com a maioria das pessoas?

Bem, talvez a coisa mais importante do método do professor Napoleão não seja ensinar o latim propriamente dito. Mas deixar às claras, como um olhar sincero ao espelho, o que se tornou o sistema de ensino brasileiro. Bem, sobre este ponto, fica muito difícil resumir o cenário. Com o Cidney mesmo eu realizei alguns estudos sobre o tema. No entanto, o resumo da ópera é o seguinte: o ensino brasileiro já vinha decaindo a partir da década de 60; com a adoção do método de Paulo Freire nas escolas, nossa inteligência não caiu em constante e sutil queda, mas despencou ladeira abaixo, como um corpo arremessado de um penhasco.

Vou tentar explicar um pouco melhor por que a Gramática Latina nos dá esse tapa na cara. Na primeira lição da obra, assim está escrito: “Numa oração nós podemos encontrar seis elementos: o sujeito, o vocativo, o adjunto adnominal restritivo, o objeto indireto, o adjunto adverbial e o objeto direto”. A partir daí, embora gradualmente, o estudo só avança. Enfim, por que nós encontramos dificuldades já nas primeiras lições?

Quando o professor Napoleão concebeu essa obra, muito certamente a população que havia frequentado a escola tinha uma sólida base gramatical. Dizer isso, no entanto, não basta. Vou além…

Essencialmente, as gramáticas de língua portuguesa são divididas em três partes: (1ª) a fonologia, que é o estudo dos fonemas, letras e pontos de articulação, isto é, é o ramo da linguística que estuda o sistema sonoro de um idioma; (2ª) a morfologia, que é estudo da composição dos vocábulos, das classes de palavras e das classes gramaticais; por fim, (3ª) a sintaxe, que estuda da relação entre palavras de uma oração e relação entre as orações de um período.

Essa terminologia utilizada pela Gramática Latina, logo no início, parte do que seria o estudo final de uma gramática de língua portuguesa, que é a análise sintática. Como a maioria de nós jamais se debruçou com seriedade sobre o estudo da língua portuguesa, é tarefa impossível o estudo do latim.

Vejamos um exemplo. Leia a frase a seguir: “O deputado recebeu dois homens. O primeiro estava de terno”. Pergunto: a palavra “primeiro”, enquanto classe de palavras, o que é? É um numeral. Mas ela está se comportando como um numeral da frase? Não, pois ela está exercendo a função de “sujeito”, de acordo com a análise sintática.

O que eu quero dizer é que não basta saber classificar as palavras. Cada palavra, quando inserida num contexto, pode estar exercendo uma função diferente daquela que usualmente ocorre.

É possível, nesta sintética abordagem, ter uma noção do problema que um brasileiro qualquer enfrenta ao tentar estudar latim? Ele precisa conhecer muita coisa anteriormente para poder avançar nas lições, por isso a tarefa acaba sendo demasiadamente desgastante.

Uma sugestão: é preciso que todos voltemos muitos passos para trás e nos debrucemos alguns anos sobre a língua portuguesa. Isto, todavia, não se faz com a leitura de gramáticas, mas com muitas obras de literatura. Sabe o velho Machado de Assis que está abandonado nas estantes da sua sala? Pois comece por ele. Quando surgir dúvidas, consulte dicionários e, pouco a pouco, vá se interessando por um estudo mais aprofundado de gramática. Depois de muitos anos, com sorte, você estará apto para vencer as primeiras lições do fabuloso método do professor Napoleão Mendes de Almeida.

Mas se dizem por aí que o latim é língua morta, por que é que eu devo perder todo esse tempo estudando isto? Bem, este tema merece um artigo específico para melhor explicá-lo; contudo, darei uma palinha: “Latim não serve para você falar, mas para aumentar a sua inteligência”. É para isto? Sim, apenas para isto!

Continue Lendo

Assine nossa newsletter

* indicates required

Mais Acessados

Copyright © 2021. Lócus Online.