Menino ou menina: seu filho escolhe

Um bebê nasce com características próprias. Quando uma mãe faz seus exames pré-natais, uma das principais perguntas que surge é: “Doutor(a), é menino ou menina?”

Não há outro gênero na espécie humana. Não há neutralidade, nem mesmo uma mistura entre os dois: ou se é menino ou menina. É assim que a natureza determinou como seria a vida humana. Não é uma questão de escolha.

A ideologia de gênero, no entanto, quer transformar uma condição humana natural numa imposição social.  Isso quer dizer que um menino é um menino não por fatores biológicos, mas porque a sociedade o condiciona a agir dessa forma por ter nascido com um órgão reprodutor masculino.

Mais uma vez: para os defensores da ideologia de gênero, a criança é menino ou menina porque a sociedade exige isso deles, e não por um fator natural! Veja o vídeo a seguir, “Entendendo a ideologia de gênero em 2 minutos”:

(https://www.youtube.com/watch?v=j7zbS1RYdpg)

Ao longo da história humana, homens e mulheres assumiram papéis diferentes na sociedade. Isso é machismo? Imposição social? Opressão? Ora, a sociedade sempre se organizou dessa forma. A natureza organizou-se assim.

Mas os defensores da ideologia de gênero insistem em bater nas mesmas teclas: como mudar a cabeça de uma criança que nasce numa família e vive numa sociedade na qual essas diferenças naturais existem?

Simples: criam-se leis e materiais didáticos que ensinem que essas diferenças não passam de uma imposição social. A criança não é menino ou menina porque a natureza quis, então ela pode se transformar no gênero que bem entender.

Uma obra de muito mau gosto exposta no Santander Cultural mostrava isso:

São ensinados, no plano educacional, que não existe qualquer diferença entre menino ou menina: trata-se de uma possibilidade de escolha. As crianças são influenciáveis, tanto para o bom quanto para o mau exemplo: muito certamente, ensinadas desde cedo, pode-se instaurar uma verdadeira confusão mental nas suas cabeças.

O que havia então era um problema de igualdade, certo? Mas e como fica a questão da identidade? Na cabeça de uma criança, se ela pode ser qualquer coisa, afinal o que ela é?

No vídeo a seguir, Dra. Carla Dorgam, em nome de uma associação médica que faz estudos de gênero, foi enfática ao dizer: “não há bases científicas que sustentem a ideologia de gênero”.

(https://www.youtube.com/watch?v=HxeTzYL7cbM)

Deus, natureza, pais, sociedade, instituições acabam levando a culpa, sendo que a confusão não está sendo criada por eles, mas pelos propagadores da ideologia de gênero.

(Jean Willys, um dos deputados federais mais atuantes pela difusão da ideologia de gênero)

Assine o Manifesto em http://www.manifestoprotecao.com.br:

 

Previous ArticleNext Article

Responder