Congresso Nacional libera a farra nas contas públicas

Segundo o relatório Prima Fiscal, divulgado pelo Ministério da Fazenda, a projeção de déficit público em 2018 está estimada em R$ 149,6 bilhões. Mesmo com o esforço do governo, o fato é que o país continua com uma complicada situação orçamentária. Em virtude da crise política, inúmeras medidas fundamentais para garantir o equilíbrio das contas foram deixadas de lado.

Nesta última quarta-feira, os integrantes do Congresso Nacional resolveram ignorar essa periclitante realidade exercitando a mais descarada irresponsabilidade fiscal. Votaram um conjunto de projetos que podem inviabilizar qualquer tipo de austeridade que se tente implementar em 2019. Entre o que foi aprovado, a possibilidade de se conceder aumentos para o funcionalismo, desonerações e criação de cargos públicos. O custo total poderá chegar a R$ 100 bilhões.

Em comentário feito na rádio Jovem Pan, a jornalista Vera Magalhães, uma das mais qualificadas jornalistas do país, apontou com razão o silêncio obsequioso dos pré-candidatos à Presidência. Pelo menos daqueles que se vendem como garantidores de um mínimo de racionalidade administrativa. Nenhum pio de Geraldo Alckmin, Jair Bolsonaro, Marina Silva, Álvaro Dias, João Amoêdo e Henrique Meirelles. Junto com a Segurança, a Economia vai se impor como pauta principal da eleição. É impressionante que nada seja dito sobre as recentes deliberações dos parlamentares. E não há motivos para cobrar posicionamentos de nomes como Ciro Gomes, Lula, Guilherme Boulos e Manuela D’Ávila. Estes são integrantes de partidos que defendem a elevação da gastança como solução mágica para os problemas do país.

Com a não aprovação da Reforma da Previdência e a greve dos caminhoneiros, que gerou prejuízos bilionários, a projeção inicial de um crescimento de 3% do PIB para esse ano já foi rebaixada para módicos 1,6%. Some-se o cenário de completa instabilidade gerado por uma eleição fragmentada e teremos uma perspectiva aterradora para 2019, com a possibilidade concreta de um populista chegar ao poder e implementar uma agenda econômica semelhante àquela de Dilma Rousseff. É nessa nada auspiciosa conjuntura que entra a farra autorizada pelo Congresso Nacional. 

Se você gostou deste artigo ou de outros de nossos materiais, clique no link abaixo apoie Lócus fazendo uma assinatura anual. Com ela você terá acesso a conteúdos exclusivo.

Previous ArticleNext Article

Responder