Entre em contato

Covid-19

Vacinas: dúvidas, medos e certezas

Publicado

on

Passaportes vacinais tentando obrigar pessoas a submeter seus corpos a invasão por metodologias ainda em fase de teste, principalmente por populações de baixo risco de gravidade, criou o paradoxo “vacinar os outros para proteger os vacinados”

Num mundo onde todos somos alvos de doenças transmissíveis, patógenos que nos contaminam se multiplicam em nosso organismo, destruindo células aos milhares. Ao multiplicarem-se aos milhões, fica claro que, ao preparar o nosso organismo, nossos anticorpos podem ser a melhor forma de enfrentar uma ameaça à vida. Para tanto, vacinas são necessárias.

Durante séculos a humanidade foi assolada por doenças tanto bacterianas quanto de origem viral, transmissíveis pela respiração, por contato ou até por vetores como insetos, que colocavam sociedades de joelho com alta mortalidade e complicadas sequelas. Tudo começou a mudar com a vacina da varíola, que de forma tão eficaz, não só controlou a pandemia, como erradicou o vírus de circulação.

Em muitos países, há pouca adesão a vacinas e campanhas de imunização, predominantemente em sociedades mais desenvolvidas, uma vez que epidemias desencadeadas por patógenos difundidos pela falta de higiene ou por vetores ligados à pobreza, como insetos e ratos, não são estatisticamente significantes.

Já no Brasil, a vacinação mudou a curva para essas epidemias. A paralisia infantil, que causava sequelas e até matava milhares de crianças, foi erradicada por décadas. Sarampo e caxumba se tornaram raríssimas, e a febre amarela passou a ser controlada em níveis confortáveis.

Mas o que levou esse povo a aderir tão facilmente a essa modalidade de tratamento? Em especial, podemos dizer que a segurança e confiança das vacinas desenvolvidas de forma adequada colaborou com o processo, respeitando todas etapas científicas necessárias para garantir o mínimo de efeitos colaterais e riscos para os vacinados.

Nos dois anos que vivemos constantemente assolados por uma pandemia que, sem dúvida, atingiu milhões e matou centenas de milhares, desejar uma vacina contra o Covid se tornou um lugar comum não só para os brasileiros, como para o restante do mundo. Porém, a politização do tema – associado ao interesse financeiro das empresas que as desenvolveram – tornou a campanha de vacinação um verdadeiro turbilhão de emoções. De um lado, aqueles que queriam se vacinar, acreditando que assim garantiriam o fim do coronavírus, não se importando com risco ou com a efetividade da vacina; queriam apenas um suporte para se agarrar durante o espetáculo midiático criado, com propagação diária em rede nacional do número de mortos e da capacidade de leitos em CTI’s. Do outro lado, cidadãos desacreditando que tecnologias novas de vacinação – ou mesmo tradicionais – poderiam ser a melhor opção.

O meio termo, em que prudência e necessidades são avaliadas e direitos fundamentais são garantidos, poderia ser a melhor maneira de acalmar os ânimos. Contudo, ameaças e acusações, sanções e até mesmo restrições foram propostas para garantir que aqueles que dominavam a mídia e a opinião politicamente correta tivessem seus objetivos alcançados. Isto é o que prevaleceu! Uma verdadeira corrida para comprar vacinas, mesmo antes de testadas, foi iniciada; políticas públicas, mesmo desconhecendo riscos desses tratamentos, foram apreciados pelos poderes legislativo e judiciário e direitos fundamentais foram ignorados.

Resultados de pesquisas tiveram seus dados “arredondados” para liberarem vacinas e satisfazer interesses políticos; milhões de reais, senão bilhões, foram gastos com contratos de fornecimento, muitas vezes descumpridos pelos fornecedores. Idosos, os mais gravemente atingidos pelo Covid, foram submetidos a imunizantes os quais hoje sabemos que necessitam de complementação para atingir a eficiência desejada – isto representa dinheiro público gasto com tratamento incompleto e nenhuma notícia publicada a respeito.

Passaportes vacinais tentando obrigar pessoas a submeter seus corpos a invasão por metodologias ainda em fase de teste, principalmente por populações de baixo risco de gravidade, criou o paradoxo “vacinar os outros para proteger os vacinados”.

A sociedade politicamente correta, com o suporte da mídia, ignorando os preceitos fundamentais da Constituição (além do bom senso), como a inviolabilidade do corpo, o pátrio poder e a liberdade de ir e vir. Acusações de negacionistas, terroristas e genocidas. E, um tanto pior, sem evidência alguma, tentam obrigar aqueles que naturalmente já desenvolveram anticorpos possivelmente mais eficazes, os que já se curaram do coronavírus, a se submeter a vacinação coerciva.

Crianças, nossos filhos, nosso legado, serão possivelmente coagidos – a fim de frequentar a escola – de receber vacina de uma doença que rarissimamente pode levar a um desfecho desfavorável sobre a faixa etária abaixo dos 12 anos, com um agente com tecnologia nova, como as vacinas de mRNA (que seguramente seriam a melhor opção pela sua eficácia nos idosos), que poderá apresentar complicações a longo prazo, especialmente numa população tão jovem, potencialmente apresentando mais riscos do que benefícios para eles.

Inverteu-se a ordem da lógica para satisfazer a pressa, o interesse, a política. Semeou-se o pânico e a ansiedade para garantir o controle. Isso tudo sancionado por indivíduos em posição oficial atuando em órgãos como ANVISA e CFM, que jamais compactuaram com a coerção ou obrigatoriedade de impor tratamentos. Se opuseram a corrente mais éticas dos médicos, de jamais submeter seus pacientes a tratamentos não aceitos pelos mesmos, e nem mesmo querem obrigar o cidadão a revelar seu prontuário através de um passaporte vacinal, ignorando o sigilo médico.

Pior que isso tudo, por fim, será o legado. Tanta arbitrariedade respingará no futuro. Consequentemente, isso afetará uma tradição tão bonita do brasileiro de consentir e aderir tão facilmente a campanhas vacinais, desde que com tecnologias sabiamente seguras e doses eficientes.

*Dr. Guilherme Krahl é cirurgião cardiovascular em Passo Fundo

Leia também: “Passaporte sanitário nada mais é do que o cerceamento da nossa liberdade”

Covid-19

Lei pra inglês ver: Na Câmara, norma de visitação é violada no mesmo dia

Publicado

on

Conforme noticiado por vias oficiais, o vereador Evandro Meireles (PTB) reassumiu a presidência da Câmara de Vereadores nesta segunda-feira (24), coordenando mais uma reunião da Comissão Representativa, que atua no período de recesso parlamentar. Na oportunidade, foi editado e assinado um novo Projeto de Resolução, nº 10/2022, intensificando as medidas de prevenção a Covid-19, especialmente através do controle de circulação do público nas dependências do Legislativo. A principal mudança é a limitação de um visitante por vez, em cada gabinete.

Conforme Meireles, a medida se faz necessária para que a Câmara siga com suas portas abertas, mantendo o atendimento à população, porém com todos os cuidados necessários frente a Covid-19:

“Desde o início da pandemia, a Câmara vem mantendo todos os cuidados, todas as pessoas que chegam precisam fazer a higienização e usar a máscara e, agora, diante do recente aumento nos casos de contaminação, juntamente com a Mesa, decidimos editar essa nova resolução, limitando a quantidade de pessoas visitando os gabinetes, garantindo que não haja aglomeração nas dependências da Casa”.

No entanto, parece que a norma foi violada em seguida. Também noticiado pela Comunicação da Casa, Meireles recebeu, na tarde da mesma segunda-feira (24), a visita do Rotary Club de Passo Fundo Planalto Médio, através do seu presidente, Zilmar Bastos Junior e da coordenadora do banco de cadeira de rodas do clube, Reialda Almeida. Na oportunidade, Zilmar e Reialda apresentaram os trabalhos realizados pela instituição, todos projetos sociais, sem fins lucrativos.

E a regra de “um visitante por vez”?

Evandro Meireles (PTB) recebendo a visita do Rotary Club de Passo Fundo Planalto Médio, através do seu presidente, Zilmar Bastos Junior e da coordenadora do banco de cadeira de rodas do clube, Reialda Almeida. E a regra de “uma pessoa por gabinete”? (Foto: Comunicação Digital/CMPF)

 

Continue Lendo

Covid-19

Em busca da autonomia médica em tempos de pandemia

Publicado

on

Interessante manifestação em apoio à decisão do senhor Secretário de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos, Dr. Hélio Angotti Neto, foi criada recentemente. Trata-se de abaixo-assinado pela rejeição das DIRETRIZES TERAPÊUTICAS PARA O TRATAMENTO FARMACOLÓGICO DA COVID-19 (HOSPITALAR E AMBULATORIAL), que funcionariam como um recurso para proibição e restrição da autonomia dos médicos e dos pacientes, ferindo, portanto, preceitos fundamentais da liberdade do indivíduo. O visou garantir a liberdade do médico, em conjunto com seu paciente, para receitar os medicamentos que entender serem os melhores e mais adequados.

A decisão, publicada por meio da Nota Técnica SCTIE/MS nº 04/2022, está disponível em: http://conitec.gov.br/images/Audiencias_Publicas/Nota_tecnica_n2_2022_SCTIE-MS.pdf. O documento possui 45 páginas.

De acordo com a manifestação, o documento assinado pelo Dr. Hélio Angotti Neto expõe que critérios adotados para decidir contrária ou favoravelmente às recomendações para diferentes abordagens profiláticas e terapêuticas não foram uniformes, além de apontar para potenciais conflitos de interesse de parte dos membros que propuseram as diretrizes (conflitos esses que merecem a devida apuração e investigação).

Segundo manifestantes, aqueles que são contrários ao uso de medicamentos reposicionados nessas condições se esquecem que essa conduta é comum na prática clínica e querer interferir indevidamente no ato médico é ilegal e sem amparo jurídico. Ao contrário, os médicos que utilizam esses tratamentos são respaldados pelo CFM através da resolução 04/2020.

De forma agressiva, destemperada e organizada com a qual reagiram algumas sociedades de especialidades e a Associação Médica Brasileira, que mantém estreito relacionamento com as indústrias farmacêuticas, é uma evidência incontestável da relevância da decisão tomada, de maneira séria, imparcial e corajosa, pelo gestor do Ministério da Saúde. 

A Nota Técnica SCTIE/MS nº 04/2022 implica a garantia para que estudos adequados prossigam normalmente, de forma descentralizada, sem demonização e politização de determinados tratamentos ou supressão da autonomia de escolha entre médicos e pacientes.

A manifestação pode ser apoiada no link a seguir, que já possui, no momento desta publicação, mais de 5 mil assinaturas: ABAIXO-ASSINADO.

Continue Lendo

Cinema

Não olhe jamais para os lados.  Um conto jamais visto na Netflix.

Publicado

on

Talvez seja oportuno assistir a “Não Olhe Para Cima”, filme novo com Leonardo Di Caprio e Jennifer Lawrence, disponível na Netflix, antes de ler este texto.

Ao que parece, os telescópios em 2019 não encontraram nenhum asteroide vindo em direção da Terra.  Ainda bem, porque microscópios identificaram um vírus.  Desde o começo sabíamos que não dizimaria a vida na Terra; desde o começo relatos de sobreviventes, mesmo que ainda não tivéssemos a real percentagem, em poucos dias vimos que a letalidade era seguramente menor que 5%.

Escolhemos mesmo assim viver o filme, a imprensa amou!  Sentiram-se os donos do espetáculo, conseguiram a atenção e editaram aquilo que deveria ser conhecido (daquele momento em diante) como ciência. Somente seus especialistas e convidados eram os entendidos sobre o novo coronavírus.  Apelaram! O governo teve de enviar aviões intercontinentais para regatar alguns brasileiros que poderiam se infectar na China, de onde veio esse vírus.

Cenas fortes de ruas completamente vazias eram televisionadas diuturnamente com enormes caminhões despejando líquidos nelas.  Logo após a Itália começou a apresentar a peste e de lá imagens de caixões empilhados nas igrejas eram divulgadas ao mundo.

Optamos, graças à coragem dos governos do Rio de Janeiro e São Paulo, em continuarmos a fazer o nosso melhor: pular carnaval!  Como aquele médico disse na Globo, “nada a se preocupar”.  Mas Bolsonaro levou centenas de milhares às ruas, quando os governadores 2 dias depois fecharam o Brasil com o amparo de 11 jogadores de preto.

Não era um meteoro, nem mesmo uma guerra com soldados. Mas nos fizeram acreditar que devíamos nos trancar sob quatro paredes para “achatar” a curva, acreditamos que era por duas semanas de março. Em Passo Fundo, por exemplo, o então prefeito Luciano Azevedo pedia “só mais 15 dias de paciência”, renovados quinzenalmente. Vimos o sol em outubro para votar: isso podia, era seguro, diziam.

Enquanto isso aqueles negacionistas, nos quais me incluo, começaram a estudar, ler e aprender. Remédios baratos e seguros foram apontados como a possibilidade de tratamento, obviamente como um ônibus espacial velho com a solução barata e, a seu tempo, eles foram desprezados, afinal, até aquele ponto, com uma situação favorável, apenas a China tinha lucrado com máscaras, aventais e respiradores, além, é claro, de alguns consórcios de compras.  A indústria farmacêutica não queria vender testes para a doença ser depois tratada com medicamentos já sem patente.

Bolsonaro, Trump, Osmar Terra, Nise Yamaguchi, Ricardo Zimmermann, entre outros capitães e soldados como eu, como tantos ficaram muito bem no papel do louco que falava palavrões ao tentar cumprir sua missão.  Não a ciência era mais charmosa… Renata Vasconcelos, Amanda Klein, William Bonner e, claro, Maju Coutinho com seus especialistas de plantão (que só faltavam perguntar: é pro Fantástico?) saberiam muito mais dessa ciência com eficácia comprovada. Sim, classes de recomendação e níveis de evidência foram temporariamente substituídos por com eficácia ou sem eficácia comprovada.

Ali, como um cientista deslumbrado com a fama, traidores pularam fora do esforço de manter a nação e passaram a atormentar, como Mandetta, aquele do “só procure atendimento se tiver falta de ar” ou o Morno, desculpe, Moro, que resolveu preservar biografia no meio da pandemia, tentando salvar sua imagem em vez de vidas.

E veio 21 e aí, assim como as lindas naves de drone das empresas Bash, vieram as vacinas potentes de micropartículas de mRNA da Pfizer Bio’nTech, entre outras, a preços exorbitantes. Uma corrida feita por governos, que para garantir o contrato tiveram de comprar muito mais doses que usariam, sem poder reclamar da eficácia ou segurança nestes casos, afinal o foguete era lindo!

Mas o meteoro era malvado e mudou de nome. Agora era Delta e matava muito mais. As potentes naves da Pfizer, digo vacinas, dariam conta, né?  Passaportes vacinais foram criados e direitos fundamentais ignorados, como a liberdade de ir e vir, o direito ao emprego e ao lazer. Aqueles que se esqueciam e olhavam para cima, digo, que não traziam as máscaras, poderiam ser agredidos por seguranças e até mesmo pela polícia.  Deveríamos seguir as regras, usar máscaras, falar mal do tratamento precoce, se vacinar, odiar o genocida Bolsonaro, jamais olhando para o lado e percebendo que a fome, o desemprego, a obesidade, o stress, a educação, tudo desandava, olhando sempre pra frente, na telinha da Globo.  Como diziam, “a economia a gente vê depois”.

O depois chegou. A economia piorou, a inflação voltou, a gasolina subiu – por culpa do genocida, claro! A CPI muito bem conduzida pelos assessores da Merryl Streep, digo, pelos ilustríssimos senadores, confirmou.

Não olhe para o lado. Não veja que lá na terra do Biden a inflação chegando a 7,5%. Em alguns países, milhares de pessoas detidas por reclamar dos combustíveis. Olhe para frente, veja o esquálido César Tralli.

E o meteoro ignorou a revisão por pares – o que tampouco no filme ou na realidade foi feita. A vacina dobrou-se a Omicron, ignorou uma, duas, três, até quatro doses.  Dinheiro posto fora, caos criado, para onde embarcarão todos aqueles cientistas?!? Ondes se criopreservarão até a próxima eleição?

Mas a Globo teima. Não olhe para o lado, olhe para a telinha. Vejam: começou o Big Brother!

Continue Lendo

Assine nossa newsletter

* indicates required

Mais Acessados

Copyright © 2021. Lócus Online.