Saiba como os agricultores de Passo Fundo se organizaram para protestar contra a caravana de Lula

O dia 23 de março está marcado na história da cidade de Passo Fundo. Nessa data, a sociedade civil manifestou sua contrariedade em relação à visita do ex-presidente Lula e sua comitiva para inaugurar a Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS). Tratava-se, evidentemente, de um evento com claro viés político.

O Sindicato Rural foi uma das entidades que liderou os protestos. Alegando a imoralidade de um político condenado pela Justiça utilizar um espaço público para se autopromover, os agricultores da cidade se postaram em frente a UFFS e na entrada de Passo Fundo, por onde a comitiva iria passar.

Leia também no Lócus: O dia em que Passo Fundo fechou as portas para corrupção

Jair Dutra Rodrigues, presidente do Sindicato Rural, foi entrevistado pelo Lócus para falar sobre esse dia. Ele explicou que os produtores rurais foram ofendidos pelo petista ao serem chamados de caloteiros:

“Nos vínhamos acompanhando a caravana do ex-presidente Lula e da ex-presidente Dilma por diversas cidades do Rio Grande do Sul. Nos reunimos somente no dia anterior no Sindicato Rural por cobrança de associados nossos, de produtores e de outras entidades do município. Determinamos o que faríamos. Achamos um absurdo uma pessoa sem cultura nenhuma vir inaugurar uma universidade. Lula nos chamou de caloteiros, mas cada produtor rural que vai fazer financiamento deixa algo em garantia: ou área de terra ou a safra que ele está plantando. Ele, como ex-presidente, sabe que não é verdadeiro o que ele mesmo disse”.

Assista ao vídeo completo:

Previous ArticleNext Article

Responder