O desespero de Alckmin o força a confrontar Bolsonaro de uma forma que ele jamais fez com o PT

A última vez que Geraldo Alckmin foi visto em uma campanha nacional, trajava um macacão com emblemas de estatais. Era o ano de 2006 e ele disputava a presidência com Lula. Envolvido na estratégia petista de demonizar as privatizações, o tucano pagou pedágio ideológico para o adversário. Se deixou pautar na eleição cujo principal tema era o Mensalão. O resultado foi uma derrota acachapante. Alckmin conseguiu a façanha de fazer menos votos no segundo turno do que havia obtido no primeiro.

Doze anos se passaram desde o maior vexame eleitoral da história da democracia brasileira. A morte política prematura de de Aécio Neves possibilitou a volta de Alckmin como pré-candidato a Presidente. Agora, entretanto, o cenário é bastante diferente. Naquela época, por falta de alternativas, o PSDB ocupava confortavelmente a totalidade do campo oposicionista ao PT. Mesmo sem discurso, o partido se beneficiava com o voto útil de uma parcela da sociedade que não gostava de Lula mas que estava órfã de representação. Sem esforço, e sem compartilhar a visão ideológica de seus eleitores, os tucanos disputavam o poder simulando polarizar com o PT.

O pleito de 2018 tem outros atores em cena. Na oposição ao petismo, veio Jair Bolsonaro, que ganhou simpatizantes vocalizando a frustração da população com a violência e a ojeriza generalizada pela classe política tradicional. Esse eleitorado, que quer lei e ordem, viu no ex-capitão do Exército o nome que personalizaria esses sentimentos, saindo do padrão de comportamento polido e politicamente correto que se tornou marca registrada de todos os demais candidatos.

O PSDB, que tem sua origem na mesma matriz política do PT, viu o bonde da história sumir no horizonte. Ao longo dos mandatos de Lula e Dilma, poderia ter se reformado, deixando a centro-esquerda de lado para vocalizar os valores da parcela mais conservadora da população. Por sua natureza, e acreditando que era seu destino revezar no poder com seu irmão ideológico, virou um partido sem personalidade, perdendo apoio assim que um nome forte o suficiente surgisse.

Não é a toa que hoje, patinando em todas as pesquisas eleitorais, Geraldo Alckmin tente atacar Jair Bolsonaro. O ex-governador de São Paulo quer debater segurança com o pré-candidato do PSL. Ainda que tenha bons números de sua administração para mostrar, o tucano dificilmente passará a ser o guardião dessa pauta na eleição. Em tópicos gerais, é Bolsonaro o nome visto pelo povão como defensor da redução da maioridade penal, favorável ao aumento de penas para criminosos e crítico do desarmamento.

Se o PSDB tivesse atacado o PT ao longo do tempo, talvez fosse Alckmin hoje o nome preferido do segmento social não esquerdista. Bolsonaro, afinal de contas, cresceu também no vácuo deixado pelos pretensos opositores do lulismo. É o desespero de quem não nunca conquistou os tão sonhados votos da esquerda e perdeu os votos da direita que sempre esnobou.

Se você gostou deste artigo ou de outros de nossos materiais, clique no link abaixo apoie Lócus fazendo uma assinatura anual. Com ela você terá acesso a conteúdos exclusivo.

 

 

Previous ArticleNext Article

Responder