Entre em contato

Cultura

Feminicídio e heresia

Publicado

on

“Claro, poderíamos chamar todos esses jornalistas de hereges contanto que a ortodoxia do jornalismo fosse a busca e apresentação da verdade. Não podemos, porém, enquadrá-los como hereges, porque a mentira, há décadas, é a ortodoxia do jornalismo brasileiro.”

O comportamento normal dos jornalistas da grande mídia brasileira é semelhante ao dos heréticos que se alastraram no seio do cristianismo. Uma das características centrais de um herege é professar a si mesmo como um membro de uma comunidade e perverter insistentemente, desde dentro, suas doutrinas, costumes, moral e fé, em nome da defesa do que chama de verdade. O herege jamais é alguém de fora – jamais. Um muçulmano jamais será herege na fé católica ou anglicana, mas um sunita que se meta a interpretar o Corão a seu bel-prazer será executado por heresia. E o herege, como de costume, não descaracteriza completamente toda a fé de uma vez só. O seu hábito comum não é alterar, mas  a arte da seleção: pinçar aquele ou este ponto e reduzí-lo ou enaltecê-lo desproporcionalmente, como alguns gnósticos cristãos, que elevaram tanto a divindade de Jesus que acabaram sumindo com a sua humanidade; ou como alguns teólogos modernos que humanizaram tanto o Cristo que perderam de vista o próprio Deus.

O jornalista herege é aquele que, sendo identificado publicamente naquela profissão, deturpa o fato, através da deliberada seleção e ênfase parcial das informações que o compõem.

Eis o drama por trás dos anúncios da mídia. Em parceria com o governo brasileiro de Dilma Rousseff, em abril de 2016, e o Escritório do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos, a ONU Mulheres soltou mais um documento-base para o alastramento da confusão: ‘Diretrizes para investigar, processar e julgar com perspectiva de gênero as mortes violentas de mulheres – feminicídio’, documento que é uma versão adaptada do Modelo de Protocolo latino-americano para investigar as mortes violentas de mulheres por razões de gênero (femicídio/feminicídio), elaborado pelo Alto Comissariado de Direitos Humanos em 2014. A ONU montou e o governo nacional adaptou. Adaptou mal por sinal.

A heresia é patente: violenta o Código Penal brasileiro, art. 121, inciso VI. Desde  9 de março de 2015, com a Lei n°13.104, o Brasil prevê o feminicídio como circunstância qualificadora de crime de homicídio, definindo-o como tal quando ocorre “contra a mulher por razões da condição de sexo feminino” e considera que “há razões de condição de sexo feminino quando o crime envolve” (I) “violência doméstica e familiar” e (II) “menosprezo ou discriminação à condição de mulher”. Contraditoriamente, o objetivo declarado do documento das Nações Unidas é “sensibilizar as instituições e a sociedade sobre sua [feminicídio] ocorrência e permanência na sociedade, combater a impunidade penal nesses casos, promover os direitos das mulheres e estimular a adoção de políticas de prevenção à violência baseada no gênero”.

Bem, se o tal Modelo de Protocolo pretende ser uma versão adaptada à realidade brasileira, o primeiro passo seria construí-lo em consonância direta e em nada dissonante do ordenamento jurídico brasileiro, neste caso, o Código Penal. A discrepância entre “gênero”, termo usado pela ONU, “sexo feminino” e “mulher”, utilizados na lei brasileira, não é sem razão ou por acaso. A coordenadora do grupo de trabalho interinstitucional que adaptou o documento, Wânia Pasinato, foi coordenadora sobre Acesso à Justiça e responsável pelo Programa de Enfrentamento à Violência da ONU Mulheres/Brasil, e tem o perfil ideal desejado pelas Nações Unidas: feminista, pró-Dilma, petista, a favor da descriminalização do aborto, contra a tal “cultura do estupro” e ávida defensora daquela Greve Geral de 28 de abril de 2017, que destruiu não somente Brasília, mas um dia inteiro do trabalhador.

Outra queridinha da ONU, sob cujos auspícios as diretrizes foram adaptadas, é Eleonora Menicucci, amiga pessoal e vizinha na faculdade da então presidente, Dilma Rousseff. Menicucci participou da luta armada no governo militar, é uma petista inveterada, apologista da legalização do aborto e, pasmem, gabou-se em 2004, quando ainda era ministra, de ter recebido treinamento na Colômbia para realizar abortos sem a ajuda de médicos por meio do Coletivo Feminista Sexualidade e Saúde. Dona Eleonora comemorou o lançamento do documento. Não sem razão.

A dialética linguística entre a lei brasileira, que usa o termo sexo, e o Modelo de Protocolo das Nações Unidas, que utiliza gênero, tem o propósito específico de confundir os operadores do direito. Um dos gênios do mal que compreendeu a necessidade de alterar lenta e progressivamente a cultura pela linguagem foi Pierre Bourdieu. Ele admitiu plenamente, em A Economia das Trocas Simbólicas, que “o campo cultural transforma-se por reestruturações sucessivas e não através de revoluções radicais” [1].

Perfeitamente, as mudanças têm de ser sutis e sucessivas e este documento da ONU em parceria com o governo brasileiro serve exatamente para este fim. Quando o gênero entra em conflito com o sexo – sem uma definição, por assim dizer, dicionarística –, ocorre um conflito de esquemas lingüísticos e, das duas, uma: ou a palavra sexo será diluída confusamente pela indefinição da palavra gênero, ou sexosignificará a mesma coisa que gênero, ou seja, tudo e, ao mesmo tempo, nada. Tanto uma, como a outra, cumprem o objetivo: indeterminar o que possa significar a palavra sexo. Será, portanto, o documento da ONU que afrouxará ainda mais a interpretação do Código Penal e não o último que normatizará o primeiro. Eis a mágica da heresia.

Contudo, a insistência dos hereges não pára por aí. A lei que instaurou o feminicídio, instrumento reforçador das tão proclamadas diferenças entre homens e mulheres, entra em conflito não somente com as diretrizes da ONU, mas também com a Lei Maria da Penha (11.340/2006), principalmente em seu artigo 5°, que assim define a violência doméstica e familiar contra a mulher: “qualquer ação ou omissão baseada no gênero que lhe cause morte, lesão, sofrimento físico, sexual ou psicológico e dano moral ou patrimonial”.

A tensão lingüística ali intensionada da qual já fiz menção aplica-se ao caso acima, uma vez que a própria lei Maria da Penha também conflita diretamente com o Código Penal ao tratar de “ação ou omissão baseada no gênero”, e não no sexo, palavra que está certa e indubitavelmente atrelada à biologia. Parece truísmo dizer que a confusão da heresia não tem fim. Em verdade, em verdade vos digo: foi feita para o propósito de não ter fim.

Eis um caso recente da baderna entre sexo e gênero. Recentemente uma mulher – repito e trepito, MULHER – foi condenada pelo juíz da Vara de Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher de São Gonçalo, André Luiz Nicolitt, porque ela, mãe de um homem transgênero, segundo o magistrado, “agiu de forma ‘machista’ ao internar a filha [homem transgênero] à força”. Para a mãe, o filho estaria com problemas mentais. Para fundamentar sua decisão o juiz utilizou-se daquele indefinível e arqui-aplicado princípio da dignidade humana – o que quer que isso possa significar – e pomposamente citou ainda as feministas Simone de Beauvoir e Judith Butler.

Observação: Beauvoir, amante de Sartre, ficou conhecida pela frase “ninguém nasce mulher, torna-se mulher” e Butler é aquela arquiteta do mal que uniu diferentes teóricos progressistas para criar o que podemos chamar hoje de ideologia de gênero. Foi a última que incutiu a idéia nas mentes iluminadas de que a questão de gênero deve ser “um objetivo político”, e “não apenas um pré-requisito metodológico e normativo” (livro ‘Problemas de Gênero’). 

Sob esses “fundamentos” o juiz afirmou que o gênero é um conceito sociológico independente do sexo, logo, explicou ele, se a filha “se veste como mulher, se identifica socialmente como mulher, ingere medicamentos hormonais femininos, ou seja, [ele] se vê e se compreende como mulher, não possuindo terceira pessoa autoridade para a designar de outra forma”. Basta ver-se e compreender-se como mulher que a lei se aplica. Quem seria louco de pensar o contrário?

Terminando o show de horrores, o sr. Nicolitt concluiu que “convicções contrárias à orientação e identidade sexuais da pessoa não merecem acolhida nos dias de hoje”. Sexuais ou de gênero, senhor juiz? Percebem como a dialética lingüística já engoliu a consciência do sujeito? É algo semelhante ao que escreveu o controverso teórico da lingüística Benjamin Lee Whorf [2], “o pensamento segue uma rede de caminhos abertos no interior de uma linguagem particular, uma organização capaz de orientar de modo sistemático na direção de certos aspectos da inteligência ou de certos aspectos da realidade, descartando sistematicamente outros aspectos valorados por outras linguagens. O indivíduo é inteiramente inconsciente desta organização e completamente amarrado a estes liames intransponíveis”.

Para o propósito de eu não continuar em abstrações, façamos um rápido esforço imaginativo considerando apenas a tríade: Lei do Feminicídio (parte do atual Código Penal), Lei Maria da Penha e o Modelo de Protocolo da ONU. Dos três, apenas o último não é normativo, mas tem o propósito de orientar a interpretação dos anteriores. Os dois últimos consideram as mulheres como um gênero, o primeiro as define como sexo feminino. Pergunta: entre gênero e sexo, qual perspectiva hermenêutica orientará a deliberação e categorização de um crime de homicídio?  O único deles que qualifica o assassinato contra a mulher de sexo biológico é o Código Penal, nos dois últimos qualquer um que alegar ser mulher poderá ser amparado. Em 2016, o STJ, no conflito de competência 88.027, deliberou um entendimento fixando que a Lei Maria da Penha pode se aplicada tanto para homens quanto para mulheres, como no caso mencionado. Houve outro caso ainda mais curioso, desta vez em Cuiabá, no qual um homem, que se entendia como homem, agredido por uma mulher foi amparado pela mesmíssima lei.

O intento, por fim, não é alterar desde cima, através do Congresso Nacional, as leis brasileiras. É, porém, desde baixo, a partir das crescentes jurisprudências conflitantes, provocar instabilidade na aplicação das mesmas forçando, paulatinamente, a Casa de Leis nacional a atualizar sua legislação como se tivesse havido uma mudança social espontânea, e não uma estratégia calculada para tal fim. O caos jurídico premeditado, a total contradição entre as pequenas decisões locais, a incompreensão por parte da população a respeito das leis que a constrangem e, por tudo isto, a constante necessidade de reformar e remendar o ordenamento jurídico servem a um único propósito: a destruição da ordem presente, em nome de uma nova, desconhecida, incerta e incontrolável situação.

E os heréticos continuam. Não bastasse intentarem dissolver a ordem atual em nome de um futuro incognoscível, a estatística entra em jogo. O Atlas da Violência 2017, publicado pelo Ipea, contabilizou 60.000 homicídios no Brasil no ano de 2015, doze mil a mais em comparação com 2005. O alarmismo em relação ao feminicídio se deve as 4.621 mulheres assassinadas dois anos atrás, ou seja, 4,5 a cada 100.000. Se considerarmos apenas os jovens entre 15 e 29 anos, que abarcam metade dos homicídios, a taxa é de 60,9, entre jovens homens e mulheres. No universo de jovens homens apenas, a taxa dobra para 113 a cada 100.000. Do total de homicídios, 92% são homens.

Percebem a heresia, a arte de selecionar e enfatizar? Por que não criar um Modelo de Protocolo que oriente a investigação, punição e apuração dos assassinatos contra este grupo que compõe praticamente toda a estatística? Por que elevar justamente apenas 8% como se fossem aqueles noventa e dois? Como enquadrar alguém vítima de assassinato nestas estatísticas sem colher a última declaração do defunto sobre si mesmo?

Conversando sobre esses problemas com um dileto amigo e promotor da justiça, fui alertado de que, constitucionalmente, o feminicídio deve ser julgado por júri popular, constituído de leigos. Ao que me parece, a única possiblidade de haver sensatez num tribunal é submeter as contradições lingüísticas à realidade tal como percebida pelo povo, até agora não imiscuído na heresia da selecionar e enfatizar. Populares são muito mais sensíveis aos sentidos que operadores do direito obcecados por palavras escritas como se estas cumprissem o desejo dos gnósticos e moldassem o mundo.

A confusão demoníaca não termina aqui. Se combinarmos os conflitos de sexo e gênero entre as leis e construção das estatísticas, temos uma quimera ainda pior. Se toda a definição de gênero depende de como o indivíduo enxerga e compreende a si mesmo, conhecível apenas se ele a verbaliza, qual indelével método de necromancia poderia ser utilizado para descobrir a auto-definição do indivíduo no momento mesmo da sua morte? Que lei ou operador do direito seria capaz de dizer com acerto qual o último gênero da vítima quando foi assassinada? Quem teria o poder de colher esta informação para saber se, por exemplo, uma mulher que apanhou e foi morta por seu marido, no momento de sua morte e num acesso de raiva e auto-negação, sentiu-se homem? Seria isto um feminicídio, ou apenas um homicídio sem qualificadora de crime? A designação do crime torna-se impossível. Como expressou um amigo promotor de justiça, “a partir do momento em que a verdade é submetida a um sentimento ou desejo, toda e qualquer certeza jurídica desaparece”.

A heresia não parece ter fim. E não terá fim. O trabalho de desmantelá-las é  desproporcionalmente mais extenso e chato, pois a mentira é sempre curta e rápida, já a verdade é detalhada e minuciosa. Basta uma manchete dizendo Brasil registra oito casos de feminicídio por dia, diz Ministério Público (G1, 23/08/17) para a confusão se alastrar e os 92% dos homens mortos serem esquecidos pelo simples fato de não serem mencionados. Não é mentira, mas trata-se omissão, seleção e ênfase desproporcionada.

Claro, poderíamos chamar todos esses jornalistas de hereges contanto que a ortodoxia do jornalismo fosse a busca e apresentação da verdade. Não podemos, porém, enquadrá-los como hereges, porque a mentira, há décadas, é a ortodoxia do jornalismo brasileiro.

______________________

Texto original publicado em: http://www.impresso.info/2017/09/04/feminicidio-e-heresia/

 [1] A Economia das Trocas Simbólicas, tradução Sergio Miceli et alli. 8ª ed. São Paulo : Perspectiva, 2015, p.208.

[2]  Language, Thought and Reality, a review of general semantics, 9, n°3, p. 167-8.

Cultura

Por que a esquerda odeia tanto a beleza?

Publicado

on

Jennifer Lopez

Foto recente da cantora americana Jennifer Lopez repercutiu em texto passivo-agressivo de colunista brasileira da Vogue. Até quando?

A cantora e atriz americana Jennifer Lopez postou uma foto nua em um ensaio para comemorar seus 53 anos de idade. Até aí, tudo bem. Ela fez o mesmo (com um pouco mais de roupa – um biquini) no ano passado. É do jogo.

As implicações do fato cruzaram as fronteiras e foram parar nas páginas digitais da edição brasileira da revista Vogue. A colunista Cláudia Lima publicou um texto que podemos chamar amadoristicamente de passivo-agressivo, tamanha a quantidade de afirmações que variam da raiva até a suposta admiração pela atriz, distantes poucas linhas umas das outras.

O escrito gerou uma curiosidade jornalística. Na primeira publicação, saiu com o título “Jennifer Lopez e o desserviço às mulheres de 50, 60, 70…”. Horas depois, foi trocado para “Jennifer Lopez: precisamos ter o corpo perfeito sempre?”, mas o endereço da postagem no site permaneceu o mesmo, passado também entregue pela transcrição em áudio (um recurso extra presente no site da Vogue) que ainda tem o conteúdo antigo. A parte retirada era assim:

Jennifer Lopez e o desserviço às mulheres de 50, 60, 70… – Ensaio de sua marca de beleza é retrocesso na luta das mulheres pela aceitação de seus corpos, de sua imagem e contra os preconceitos em relação a idade. [sic]

Depois, o primeiro parágrafo começa com “eu amo a Jennifer Lopez” e o texto desfia um rosário de olhares típicos do feminismo sobre o caso de uma mulher que ousou mostrar as curvas perfeitas. Poderia ser a sua vizinha, mas é a Jennifer Lopez. Release the Kraken do lacre! Pra já! A ordem é oprimir a atriz que ousa trabalhar para a indústria que insiste em oprimir… as mulheres!

A peça acaba (depois de definir fronteiras para a liberdade e criticar indiretamente até a ética da atriz) com “Sejamos nós, sempre! Livres!”.

Irreal.

O mesmo sentimento foi replicado em outra coluna, desta vez para o UOL, por Nina Lemos. Entre outras linhas, dispara a colunista:

“Mas essa semana JLo pisou na bola. Ela publicou uma foto nua fazendo campanha para sua marca de cosméticos (a JLo Beauty). Se fosse só isso, maravilhoso. Precisamos mesmo ver mulheres de mais de 50 mostrando seus corpos. Só que tem um detalhe: o corpo exibido por JLo nas redes sociais é completamente fora da realidade de qualquer mulher de 50 anos”.

Sim, ela meteu essa: qualquer mulher de 50 anos. Se você é mulher e tem 5o ou mais, com curvas lopezianas, você nasceu em outro planeta.

Cláudia e Nina compartilham gostos e apoios políticos muito semelhantes e bem expostos em seus perfis do Instagram, deixando confortável o título do nosso texto. Feminismo, Lula, #ForaBolsonaro, a cartela inteira está lá nas imagens.

O motivo de tanto ódio pelo belo por parte da esquerda e suas ramificações pode ser explicado por diversos autores, de Roger Scruton a Jordan Peterson. Este último teve a ousadia de dizer recentemente que a modelo na capa de uma revista esportiva não era bonita. E a turma do lacre foi ao desespero. Transportando estes pensamentos sobre beleza no geral para o efeito causado especificamente por curvas de uma atriz e cantora americana de 53 anos em um ensaio, há que se imaginar que o ódio pode ter muitas razões: da inveja ordinária sustentada por embasamento de ciência social de botequim, pela irritante proximidade da natureza e seu criador ou pelo simples uso da celeuma como ferramenta de luta de classes.

 

 

Jennifer Lopez cometendo o mesmo crime no ano passado, ao postar o corpo dos 52 anos.

 

Para o lado de cá da história, resta reafirmar aos seus que ainda caem nestes discursos que o caminho para aqueles que apresentam problemas com a beleza alheia não é xingar a sociedade e sim procurar ajuda especializada, o quanto antes.

Continue Lendo

Cultura

Das lições de Olavo de Carvalho: A importância da Literatura

Publicado

on

Por que a literatura é uma maneira de amadurecer a visão e compreensão da realidade? Em seu Curso Online de Filosofia, o professor Olavo não se cansava de lembrar que “a base da formação cultural é a extensa leitura atenta de literatura, pois esta é uma maneira de amadurecer a visão da realidade”

Os ensinamentos e as obras do professor Olavo de Carvalho, falecido em 24 janeiro desse ano, certamente ainda serão muito estudados. Seu legado deixa lições valiosas sobre a unidade do conhecimento humano e o autoconhecimento individual. Uma dessas lições que urge ser propagada diz respeito à importância de ampliar nosso imaginário, através da extensa absorção dos clássicos da literatura.

Tendo assumido a missão de restaurar o cultivo da alta cultura em nosso país (esfacelada por décadas de obscurantismo acadêmico), em seu Curso Online de Filosofia, o professor Olavo não se cansava de lembrar que “a base da formação cultural é a extensa leitura atenta de literatura, pois esta é uma maneira de amadurecer a visão da realidade”. Mas o que isso quer dizer?

É preciso entender que ler muitos livros não significa que o indivíduo incorporou o essencial à sua alma. A leitura atenta é aquela que leva o indivíduo a incorporar, no centro da sua existência, as sutilezas e as possibilidades de experiência humana, narradas exemplarmente nas obras literárias.

 

Qualquer pessoa que já tenha lido um bom romance teve a experiência de sair, por um momento, das formas convencionais de expressar a vida humana. Considere, por exemplo, sentimentos como o amor e o sofrimento. Se você ler O Albatroz, de José Geraldo Vieira, ou Moll Flanders, de Daniel Defoe, ou Sofrimentos do Jovem Werther, de Goethe, ou Romeu e Julieta, de Shakespeare, inevitavelmente perceberá diferentes graus e maneiras de expressar aqueles sentimentos, com todas as suas contradições, nuances e sutilezas. Você irá absorver modos diferentes de atenuar experiências, de realçar detalhes, de descrever sensações e situações de formas tão sutis, complexas e profundas que, inevitavelmente, irão expandir o seu horizonte de consciência sobre a vida humana. Considere por um momento o que o hábito de ler  boa literatura pode fazer a um indivíduo ao longo dos anos.

Nós jamais conseguimos ver além do nosso horizonte de consciência. Se esse horizonte for limitado, é muito provável que, em algum momento, o indivíduo se sinta mal por não compreender a si mesmo, o que acontece ao seu redor, ou não compreender as pessoas para além do que elas lhe aparentam. Por isso, alertava o professor Olavo, buscar ampliar a nossa imaginação através da absorção da boa literatura é aumentar a nossa capacidade de perceber, expressar e comunicar a experiência humana.

Esta era uma lição insistentemente lembrada por Olavo como um dos passos básicos para a restauração da alta cultura no país. Atualmente, a julgar pelas várias iniciativas e projetos sobre literatura encabeçados por ex-alunos do professor e afins, é preciso admitir que mais passos estão sendo dados e muitas pessoas estão tendo essa experiência de absorção literária. Os cursos e grupos de estudos do canal Formação do Imaginário; as análises e mentorias literárias do Matheus Araújo; os ciclos de leitura sobre literatura brasileira do historiador Thomas Giulliano; as análises literárias de Gabriel Santana; os encontros do Clube do Livro de Paulo Briguet e Silvio Grimaldo; os cursos de leitura e escrita do crítico Rodrigo Gurgel; as análises e leituras do canal Os Naufrágos, de Curitiba; a Sociedade do Livro, do grupo Brasil Paralelo; as análises e cursos do escritor João Filho; as análises e leituras no canal da tradutora Juliana Amato. Isso é uma breve lista de exemplos de iniciativas e trabalhos sérios que levam adiante o estudo e a leitura atenta da literatura como forma de ampliação do imaginário.

Todos esses projetos e trabalhos acabam atraindo muitas pessoas a seguir um caminho que não visa apenas certificados ou diplomas, mas um caminho que desperta algo mais valoroso e permanente: o verdadeiro apreço por expandir o conhecimento e buscar a verdade, por mais desafiador que isso seja. Para quem, felizmente, pode presenciar, essa foi uma lição que o professor Olavo não ensinou apenas com palavras e aulas gravadas, mas com a força da sua própria pessoa.

Continue Lendo

Cultura

Por que está cada vez mais difícil e desinteressante estudar latim?

Publicado

on

Com a adoção do método de Paulo Freire nas escolas, nossa inteligência não caiu em constante e sutil queda, mas despencou ladeira abaixo, como um corpo arremessado de um penhasco

Eu estava conversando recentemente com o Cidney Surdi Jr., que além de ser meu colega na Lócus, é um amigo de longa data, sobre o estudo do latim. Tanto ele quanto eu nos arriscamos a estudar a língua do Lácio, embora certamente ele tenha o feito com maior empenho aos longos destes anos, sobretudo por ter cursado a disciplina no Departamento de Letras da UFPR, instituição onde ele se formou e fez mestrado em Filosofia.

Eu me interessei pelo latim quando comecei a acompanhar as aulas do Curso Online de Filosofia do professor Olavo de Carvalho, que lamentavelmente nos deixou no dia de ontem (25). Ele foi o responsável por resgatar um método que há anos estava esquecido nas estantes dos sebos, porque há muitos anos não era republicado. Trata-se da Gramática Latina, de Napoleão Mendes de Almeida.

Já vi muitas pessoas tentarem por conta própria estudar latim utilizando este trabalho. No entanto, poucos acabam avançando as páginas, na sua maioria desistindo já nas primeiras lições. Uns dizem que o estudo é chato, outros que não estavam entendendo nada, outros que acusaram o método de estar lhes fritando o cérebro. Eu mesmo, lá no início, abandonei o estudo em duas oportunidades. Por que isso acontece com a maioria das pessoas?

Bem, talvez a coisa mais importante do método do professor Napoleão não seja ensinar o latim propriamente dito. Mas deixar às claras, como um olhar sincero ao espelho, o que se tornou o sistema de ensino brasileiro. Bem, sobre este ponto, fica muito difícil resumir o cenário. Com o Cidney mesmo eu realizei alguns estudos sobre o tema. No entanto, o resumo da ópera é o seguinte: o ensino brasileiro já vinha decaindo a partir da década de 60; com a adoção do método de Paulo Freire nas escolas, nossa inteligência não caiu em constante e sutil queda, mas despencou ladeira abaixo, como um corpo arremessado de um penhasco.

Vou tentar explicar um pouco melhor por que a Gramática Latina nos dá esse tapa na cara. Na primeira lição da obra, assim está escrito: “Numa oração nós podemos encontrar seis elementos: o sujeito, o vocativo, o adjunto adnominal restritivo, o objeto indireto, o adjunto adverbial e o objeto direto”. A partir daí, embora gradualmente, o estudo só avança. Enfim, por que nós encontramos dificuldades já nas primeiras lições?

Quando o professor Napoleão concebeu essa obra, muito certamente a população que havia frequentado a escola tinha uma sólida base gramatical. Dizer isso, no entanto, não basta. Vou além…

Essencialmente, as gramáticas de língua portuguesa são divididas em três partes: (1ª) a fonologia, que é o estudo dos fonemas, letras e pontos de articulação, isto é, é o ramo da linguística que estuda o sistema sonoro de um idioma; (2ª) a morfologia, que é estudo da composição dos vocábulos, das classes de palavras e das classes gramaticais; por fim, (3ª) a sintaxe, que estuda da relação entre palavras de uma oração e relação entre as orações de um período.

Essa terminologia utilizada pela Gramática Latina, logo no início, parte do que seria o estudo final de uma gramática de língua portuguesa, que é a análise sintática. Como a maioria de nós jamais se debruçou com seriedade sobre o estudo da língua portuguesa, é tarefa impossível o estudo do latim.

Vejamos um exemplo. Leia a frase a seguir: “O deputado recebeu dois homens. O primeiro estava de terno”. Pergunto: a palavra “primeiro”, enquanto classe de palavras, o que é? É um numeral. Mas ela está se comportando como um numeral da frase? Não, pois ela está exercendo a função de “sujeito”, de acordo com a análise sintática.

O que eu quero dizer é que não basta saber classificar as palavras. Cada palavra, quando inserida num contexto, pode estar exercendo uma função diferente daquela que usualmente ocorre.

É possível, nesta sintética abordagem, ter uma noção do problema que um brasileiro qualquer enfrenta ao tentar estudar latim? Ele precisa conhecer muita coisa anteriormente para poder avançar nas lições, por isso a tarefa acaba sendo demasiadamente desgastante.

Uma sugestão: é preciso que todos voltemos muitos passos para trás e nos debrucemos alguns anos sobre a língua portuguesa. Isto, todavia, não se faz com a leitura de gramáticas, mas com muitas obras de literatura. Sabe o velho Machado de Assis que está abandonado nas estantes da sua sala? Pois comece por ele. Quando surgir dúvidas, consulte dicionários e, pouco a pouco, vá se interessando por um estudo mais aprofundado de gramática. Depois de muitos anos, com sorte, você estará apto para vencer as primeiras lições do fabuloso método do professor Napoleão Mendes de Almeida.

Mas se dizem por aí que o latim é língua morta, por que é que eu devo perder todo esse tempo estudando isto? Bem, este tema merece um artigo específico para melhor explicá-lo; contudo, darei uma palinha: “Latim não serve para você falar, mas para aumentar a sua inteligência”. É para isto? Sim, apenas para isto!

Continue Lendo

Assine nossa newsletter

* indicates required

Mais Acessados

Copyright © 2021. Lócus Online.