O plano de destruição da família

O plano de destruição da família:

veja como a esquerda está transformando a pedofilia em normalidade. 

A ideologia de gênero é cuidadosamente projetada e calculada, valendo-se de técnicas de persuasão criadas em laboratórios por engenheiros sociais (leia-se: especialistas em manipulação) e submetida a análises de estudiosos de programação neolinguística antes de serem divulgados no meio acadêmico. Depois de suficiente discussão, os estudantes são massificados de forma milimetricamente calculada.

A pedofilia é um movimento internacional, um tentáculo-braço do projeto globalista de destruição da cultura ocidental. A seguir, vão legaliza-la e perseguir quem se opor como “fascista” e “preconceituoso”. Observe, a seguir, os passos de legalização…

Nos anos 70, a esquerda universitária importou textos de filósofos, antropólogos e defensores da pedofilia, aplicando-os em projetos de “pesquisa” e nas discussões acadêmicas. A pedofilia passou a ser “normal” no meio das ciências humanas e sociais.

Quando a aceitação acadêmica da pedofilia aumentou, implementaram a sexualização precoce nos meios de comunicação, através de músicas pornográficas para adolescentes e crianças, exibindo crianças seminuas simulando atos sexuais em programas de calouros, como os de Raul Gil.

Com base nesse cientificismo artificialmente industriado, os falso-humanistas do direito começaram a lutar para diminuir e relativizar a idade de consenso para o sexo entre menores e maiores de idade. Os Tribunais seguem há tempos esse entendimento:

Uma linha do tempo mostrando essa evolução pode ser conferida no site do Manifesto contra Pedofilia e Sexualização Infantil no link a seguir: http://www.manifestoprotecao.com.br/timeline/. O Manifesto já foi assinado por mais de 53 mil pessoas: www.manifestoprotecao.com.br.

Além disso, exposições artísticas usando dinheiro público são criadas com o objetivo de chocar os decentes e causar discussão sobre a pedofilia, apoiados pela grande mídia brasileira:

(ZH defendeu desde o início a exposição do Santander Cultural. Veja mais em: http://www.locusonline.com.br/2017/09/29/assine-zero-hora-assine-zero-hora/)

Enquanto essas exposições forem se repetindo e intensificando, a sociedade bombardeada pela mídia tenderá a deixar de se chocar com imagens de crianças envolvidas com atos sexuais.

O pedófilo deixará de ter a sua imagem associada à de um criminoso, passando a ser tratado como doente. O objetivo disso é gerar compaixão em torno dele, além do apoio ao indivíduo que mantém relações sexuais com crianças.

As crianças serão sexualizadas precocemente, devido ao trabalho da mídia e das escolas, serão vistas como detentoras de “direitos sexuais”. Consequentemente, o conceito de consentimento será rediscutido juridicamente como um direito natural da criança ao sexo.

A ideia do pedófilo como um doente será deixada de lado e acusada de preconceituosa. A atração por crianças passará a ser vista como uma orientação sexual normal e que deve ser respeitada. O movimento LGBT abraçará a pauta da pedofilia como um direito humano.

A mídia passará a mostrar romanticamente o envolvimento de crianças com adultos.

Será feito até o impossível para normalizar a pedofilia, silenciando as vozes contrárias como “propagadores de preconceitos” e “crimes de ódio”.

Haverá uma luta para pais perderam o direito a preservar a inocência e a intimidade de seus filhos. A esquerda fará de tudo para massacrar o pátrio poder, valendo-se do Estado para tomar crianças de pais que não achem certo o sexo entre crianças e adultos. As estratégias da esquerda em relação às drogas e ao aborto foram implementadas assim, trabalhando-se por etapas.

Com relação à pedofilia, estamos no meio do caminho para a sua legalização. A mídia e a academia são dominadas pela simpatia em favor da pauta, usando de subterfúgios para defender atos pedófilos, como foi com a exposição no Santander Cultural.

Como combater isso? Com a verdade sempre e acima de tudo. Saia da zona de conforto e combata a mentira e a indecência. Conheça como agem esses hipócritas: usam a “espiral do silêncio” e as demais técnicas de propaganda desenvolvidas a partir de estudos de Freud, usadas pela esquerda para manipular e promover o desmanche cultural, a idiotização e o fim da família.

Veja mais sobre essas estratégias em: http://www.locusonline.com.br/2017/10/02/como-as-novelas-influenciaram-e-continuam-influenciando-negativamente-sociedade/

Assine o Manifesto contra Pedofilia e Sexualização Infantil. Compartilhe!

Previous ArticleNext Article

Responder