fbpx

O que resta para a oposição? Deixe o seu comentário

No Programa Legião de ontem (30), fizemos um resumo dos fatos e algumas impressões sobre as últimas eleições. Gostaríamos que você deixasse o seu comentário também com a sua opinião.

Resumo do Programa Legião de 30/10/2018

  • O Partido dos Trabalhadores, desde o Impeachment de Dilma Rousseff, comprou a narrativa do “Golpe“, que não apenas se espalhou na boca do povo como uma verdadeira praga, mas pelo meio artístico e universitário. Inclusive foram criadas disciplinas em algumas universidades brasileiras sobre o tema;
  • O processo que depôs Dilma foi mal digerido até mesmo pela cúpula do STF: Ricardo Lewandowski rasgou a Constituição ao criar um mecanismo jurídico para que ela não tivesse seus direitos políticos cassados; Dias Toffoli, ex-advogado do Partido, não mediu esforços para conter os avanços dos julgamentos contra petistas históricos; Gilmar Mendes tem atuado como um verdadeiro advogado de defesa dos presos condenados pela Lava Jato;
  • A Lava Jato deu esperança para um povo já cansado da impunidade que vigorava no país. Nas classes de Direito Penal, uma coisa era certa até então: para não ser preso, bastava ter dinheiro para contratar um bom advogado para protelar ao máximo a condenação do criminoso. O juiz Sério Moro e uma leva de sangue novo do Ministério Público compraram a briga do povo, realizando algo jamais sonhado pelo mais esperançoso dentre os brasileiros: ver Luiz Inácio Lula da Silva um dia preso. No entanto, aqueles mesmos apoiadores que compraram a narrativa do “Golpe” contra Dilma, insistem ainda em dizer que Lula foi condenado sem provas e que ele não passa de um “preso político”;
  • Nas Eleições de 2018, a ideia inicial era que Lula fosse candidato a Presidente – seus advogados não mediram esforços para que isso acontecesse. Haddad seria o seu vice. Manuela D’Ávila deu uma série de entrevistas como candidata a Presidente pelo PCdoB. Com Lula impedido de concorrer, Haddad foi lançado como candidato, tendo Manuela como vice; 
  • A disputa entre Bolsonaro e Haddad foi uma briga de David e Golias. De um lado, havia um candidato que realizou uma campanha franciscana, com poucos recursos, agindo dentro da lei e, além disso, sofrer uma tentativa de assassinato. Isso sem contar que precisou pedir proteção especial e não pode sair de casa – não só por problemas médicos da facada que levou, mas pelo número de ameaças de morte sofrida. Do outro lado, um candidato que não mediu esforços para cometer um sem-número de ilícitos, instigar o ódio de toda a sua militância, fazer uma campanha milionária, além de contar com o apoio da grande mídia, da classe artística e do sistema de ensino como um todo; 
  • Sérgio Moro, assim como Bolsonaro, não é apenas um símbolo nacional do combate à corrupção, mas uma prova de como uma militância de esquerda pode transformar a vida de um homem num verdadeiro inferno. Moro já não dispõe do direito de ir e vir: a esquerda não dá um minuto de sossego; 
  • Muitas universidades não pouparam esforços para barrar a eleição de Bolsonaro. Recentemente relatamos o caso vergonhoso da Universidade de Passo Fundo. Tau Golin, professor do PPGH da Universidade, promoveu evento com cartaz difamatório contra Bolsonaro. Culpou a Direita pelo cartaz, mas ainda não explicou que foi o responsável pela sua autoria. A Universidade ainda não divulgou (muito estranhamente) o responsável. Além disso, uma série de pichações racistas foram feitas em banheiros da UPF. Grupos de Direita estão sendo apontados como autores. O caso ainda não foi explicado. No entanto, como comentado no Programa de ontem: “Pichação sempre foi monopólio da esquerda”. A Universidade segue se omitindo sobre os casos;
  • Seguido nessa questão do ensino, a UFRGS não conta apenas com a disciplina do “Golpe” entre as suas opções, como também não impediu manifestações contra Bolsonaro na Universidade. As universidades, quase sem exceção, estão cometendo um verdadeiro genocídio cultural: além do viés ideológico, não estão preparando os alunos para o mercado de trabalho, lançando-os ao mundo com diplomas, mas sem qualquer capacidade de exercer uma vida profissional;
  • Jair Bolsonaro provou que um homem com força é capaz de carregar um partido inteiro sobre os ombros. O PSL se tornou uma das principais bancadas políticas não só no Congresso Nacional, como nas Assembleias Legislativas do Brasil afora;
  • A velha classe política foi reduzida a sua insignificância merecida, de um grupo de coronéis como fome e sede de poder. Muitos terão que voltar  para casa sem privilégios e com a Lava Jato com mais força do que nunca;
  • O Partido dos Trabalhadores deverá ser tratado como quadrilha, porque a Lava Jato e demais operações têm deixado claro que de partido o PT apenas tem o nome: trata-se de um dos partidos mais corruptos da história da humanidade;
  • O PCdoB voltou a ser um partido de militantes estudantis, não elegendo ninguém de expressão política. Manuela D’Ávila finalmente não ocupará nenhuma vaga como eleita e o seu cinismo prova que está incapacitada de exercer qualquer papel político na vida pública; 
  • O PSol de Guilherme Boulos, líder do grupo terrorista MTST, fez menos votos do que o desconhecido Cabo Daciolo. Prova que o partido não passa de um grupo de arruaceiros com tempo de televisão para prometer um monte de coisas que nem com todo o dinheiro do mundo seriam capazes de cumprir. Boulos voltará a invadir propriedades privadas;
  • A classe artística saiu derrotada, desacreditada e insultada. Não só perderam o prestígio perante o seu grupo de fãs, como provavelmente serão rejeitados e condenados ao ostracismo;
  • O “politicamente correto” deverá ter os ânimos esfriados. Bolsonaro provou que o país precisa de homens de verdade, e não figuras construídas por marketing político com um discurso feito para agradar. Ficará provado que negros, mulheres, homossexuais e outros grupos considerados como “minorias” nunca foram perseguidos, mas apenas utilizados como massa de manobra na mão de um um grupo de psicopatas no poder. Witzel, governador eleito no Rio, já disse que bandido não será mais tratado como “vítima social”;
  • O mercado já reagiu positivamente à vitória de Bolsonaro. Não só a Bolsa de Valores cresceu, como o dólar baixou. Paulo Guedes, futuro Ministro da Economia, já disse que o país não adotará “ideologia” como critério de negociação comercial. O patrocínio a ditaduras africanas e a regimes de esquerda terá fim. Muito provavelmente os assaltos ao BNDES serão investigados;
  • O apoio internacional a Bolsonaro já foi reconhecido. Estados Unidos, Rússia, China, Chile – dentre outros – já deram sinal de apoio. Inclusive Nícolas Maduro mandou mensagem ao Presidente eleito parabenizando-o pela vitória. 
Previous ArticleNext Article

Responder