Entre em contato

Nacionais

Nesta terça (18), o Senado poderá suspender o decreto das armas

Publicado

on

Nesta terça-feira, na Ordem do Dia do Senado Federal, será votado o projeto (PDL 233/2019) que susta o decreto do governo que amplia as possibilidades de porte de arma (Decreto 9785, de 2019). Isto é, susta o Decreto nº 9.785, de 07 de Maio de 2019, que regulamenta a Lei nº 10.826, de 22 de dezembro de 2003, para dispor sobre a aquisição, o cadastro, o registro, a posse, o porte e a comercialização de armas de fogo e de munição e sobre o Sistema Nacional de Armas e o Sistema Nacional de Gerenciamento Militar de Armas.

O projeto foi aprovado, em conjunto com outras seis propostas, na última quarta-feira (12) na Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ). Os PDLs 233235238239286287 e 332/2019 tramitam em conjunto e seguem para a análise do Plenário em regime de urgência.

A CCJ rejeitou, por 15 votos a 9, o parecer do senador Marcos do Val (Cidadania-ES). Ele era contrário aos PDLs e favorável ao Decreto 9.785, de 2019. O regulamento assinado em maio pelo presidente da República concede porte a 20 categorias profissionais e aumenta de 50 para 5 mil o número de munições que o proprietário de arma de fogo pode comprar anualmente. Marcos do Val voltou a defender o decreto, que regulamenta o Estatuto do Desarmamento (Lei 10.826, de 2003), afirmando que “as armas são o único meio para defesa de inocentes expostos à violência de bandidos” e que “todo cidadão tem direito à autodefesa”. De acordo com a justificativa do PDL 233/2019:

O instrumento utilizado pelo Presidente da República é uma maneira rasteira de driblar o Estatuto do Desarmamento. O Congresso Nacional é o local adequado para se realizar qualquer alteração no que diz respeito ao porte e posse de armas de fogo, uma vez que está havendo criação de direitos. Tal medida burla claramente o princípio constitucional da reserva legal e da separação dos Poderes.

As matérias receberam quatro votos em separado. Três deles — dos senadores Veneziano Vital do Rego (PSB-PB), Rogério Carvalho (PT-SE) e Fabiano Contarato (Rede-ES) — eram favoráveis aos PDLs e contrários ao decreto de Jair Bolsonaro. A CCJ adotou como parecer o voto de Veneziano Vital do Rego, para quem o Presidente da República “extrapolou o poder regulamentar”, pois o princípio da razoabilidade não foi observado, alterando assim as bases do Estatuto do Desarmamento. Categoricamente, afirmou: “O escopo da lei foi desarmar a população”. 

Por essa razão, na certeza de que essas inovações trazidas pelo Decreto nº 9.785, de 07 de maio de 2019, é uma verdadeira extrapolação ao poder regulamentar concedido ao Presidente da República ao legislar e criar novos direitos, conto com o apoio dos nobres Parlamentares para a aprovação deste projeto de decreto legislativo que restabelecerá o princípio constitucional da reserva legal, uma vez que alterações ao Estatuto do Desarmamento só podem ocorrer por meio de lei, fazendo valer o valioso princípio da separação dos Poderes.

Em consulta popular, o projeto do Senador Randolfe Rodrigues (REDE/AP) foi altamente  rejeitado pelos participantes:

Assinado em maio pelo presidente da República, Jair Bolsonaro, o decreto concede porte a 20 categorias profissionais e aumenta de 50 para 5 mil o número de munições que o proprietário de arma de fogo pode comprar anualmente. Essas medidas que facilitam o acesso a armas e munição faziam parte das promessas de campanha de Bolsonaro, por conta dos mais de 60 mil assassinatos que ocorrem em média, por ano, no Brasil. 

Continue Lendo
Clique Para Comentar

Deixe um Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Copyright © 2021. Lócus Online.