Os deputados estaduais eleitos por Passo Fundo campeões nos gastos com diárias

Diárias

O levantamento prévio de janeiro a setembro mostra quem mais gastou dinheiro público com o benefício durante o ano

Assim como os vereadores de Passo Fundo, os deputados estaduais também gastam muito dinheiro público com diárias. A Lócus realizou um levantamento das diárias consumidas por políticos que fizeram mais de 1000 votos aqui na cidade, nas eleições de 2018.

Via de regra, costuma-se dizer que os “deputados de Passo Fundo” são Mateus Wesp (PSDB) e Gilberto Capoani (MDB), mas expandimos a lista por justiça aos eleitores que depositaram um significativo voto de confiança em políticos de outras regiões, fruto do interesse natural ou do forte trabalho dos cabos eleitorais da região, muitos deles vereadores.

Quatorze candidatos fizeram mais de 1000 votos em Passo Fundo. Destes, 8 foram eleitos. Na tabela abaixo, os eleitos, suas colocações em Passo Fundo e no RS, votos e gastos com diárias.

Os deputados, em ordem de votos em  Passo Fundo. Criamos a coluna “% dos votos PF” para medir o grau de envolvimento dos candidatos com a cidade; Mateus Wesp é de longe (e obviamente, por ser daqui) o mais conectado com os eleitores (70,28% dos votos). Um distante segundo lugar fica com Gilberto Capoani (MDB, 11,9%) e os demais oscilando entre 1,1 e 3%.

A mesma tabela, em ordem decrescente de gastos com diárias. Any Ortiz(PPS) e Luciana Genro (PSOL) não receberam diárias no período. Por coincidência, os três deputados mais ligados com o eleitorado passo-fundense são também os campeões em gastos com diárias. Capoani e Wesp elevaram em muito os gastos por conta de viagens internacionais. Turra usou o recurso em idas a Brasília e diversas viagens pelo interior gaúcho.

A seguir, o detalhamento dos gastos com dados do portal da Transparência RS, dos 3 primeiros colocados no ranking.

Gilberto Capoani (MDB)

Capoani fez uma viagem para a China em maio, com uma comitiva composta por outros políticos e representantes de entidades. Só essa empreitada significou mais da metade dos valores recebidos, somando R$ 35 mil.

Mateus Wesp (PSDB)

Nosso estreante deputado e ex-vereador de Passo Fundo está no segundo lugar deste ranking, com R$ 19 mil. Uma viagem para a Hungria em setembro, onde participou de evento, custou quase R$ 9 mil somente em diárias. O deputado é presidente da “Frente Parlamentar de Promoção de Políticas Públicas Orientadas à Família” e a viagem internacional foi baseada neste tema.

Sérgio Turra (PP)

O deputado de Marau realizou viagens para Brasília e diversos deslocamentos no interior do Rio Grande do Sul, totalizando um gasto de R$ 14 mil.

O problema da diária

O tema é recorrente na imprensa gaúcha: o gasto exagerado com diárias e a falta de transparência nos setores responsáveis é notório, um problema antigo e até agora não foram tomadas providências sérias para que o cidadão tenha acesso a comprovantes detalhados, notas fiscais e relatórios completos dos trabalhos de nossos políticos nestas viagens, dentro e fora do país. O cidadão até pode tentar “um pouco mais de informação” via Lei de Acesso, mas é uma via altamente burocrática, lenta e ineficaz.

 


Valores das diárias pagas aos deputados e servidores da AL: 400 euros (R$1811,00) compram muita coisa na Europa.

Os sites da Assembleia Legislativa e da Transparência RS geram tabelas ou mostram, sempre atrasados, o mínimo de informações sobre as viagens. Ainda existe a dúvida que não quer calar: os deputados estão embolsando o dinheiro que sobra após gastos com alimentação e translados nas viagens? Assim como o fantástico “auxílio mudança” de um salário adicional pelo incômodo da instalação do deputado na capital, serial as diárias mais uma forma de engordar o salário? ao que tudo indica, sim. Os deputados que porventura estiverem prestando conta do que foi realmente gasto com deslocamento e alimentação, devolvendo aos cofres públicos a diferença, estão de parabéns pela quebra de paradigma. Os que embolsam o valor – ainda que dentro da lei – deveriam repensar a prática, especialmente em tempos de crise para o caixa.

É importante destacar que focamos aqui no gasto com diárias apenas dos deputados. Muitos deles viajam com assessores que igualmente recebem o benefício. O período analisado aqui neste artigo gerou um gasto geral (toda a AL) para a alínea “à serviço de deputado” um gasto total de R$ 841.281,72 com para 426 pessoas que acompanharam os deputados (via Transparência RS).

No cômputo geral, para todos os poderes, o número é assustador: o quebrado estado do Rio Grande do Sul gastou R$ 49.962.196,51 em diárias em nove meses. Quase 50 milhões.

O ranking em outubro

Faltam menos de 3 meses para o recesso parlamentar. O levantamento nesta época alerta o eleitor e pagador de impostos sobre o comportamento dos políticos no uso do dinheiro público. A divulgação dos gastos abre espaço para cobranças diretas dos envolvidos, aqueles que deverão voltar ao trabalho em fevereiro de 2020 – ano eleitoral – com muitos sorrisos e estratégias para o pleito, concorrendo diretamente ou indicando companheiros. Caberá ao eleitor conferir se o discurso bate com a ação.

 

Previous ArticleNext Article

Responder