fbpx

Prefeitura se nega a responder quanto gastou com a Uirapuru neste último mandato de Luciano Azevedo

uirapuru

Poder Executivo Municipal tem adotado o arquivamento como praxe a fim de evitar abrir dados que deveriam estar contidos no site da Transparência

Só nas duas últimas semanas, a Lócus divulgou duas matérias mostrando pedidos de informação que foram arquivados pela prefeitura sem qualquer resposta, apenas pelo decurso de prazo. A primeira delas apresentou alguns pedidos que não foram respondidos, como “gastos em publicidade”, “ciclovias”, entre outros. A segunda, seguiu sem informar o custo de contratação da IMED para atuar na pandemia em Passo Fundo.

Recentemente, novo pedido foi arquivado, no qual foi solicitado o valor gasto pelo Poder Executivo com a Uirapuru, tanto no rádio quanto no jornal, no último mandato de Luciano Azevedo. O site da Transparência apresenta uma série de falhas; no que tange aos “gastos em publicidade”, talvez seja a mais evidente. A solicitação foi realizada no dia 10 de agosto de 2019, com previsão de 20 dias para resposta. No entanto, foi arquivada em 16 de outubro de 2020, mais de um ano depois.

É certo que Luciano Azevedo contou com o apoio da emissora durante a sua gestão. Apenas para citar três exemplos:

1. Em 2019, Prefeitura e Uirapuru invertem a lógica para dar a entender que IPTU baixou. Apontamos a mentira que estava sendo difundida AQUI;

Prefeitura e Uirapuru2. Também em 2019, a Uirapuru divulgou pesquisa em que apontou Luciano Azevedo como o “melhor prefeito de Passo Fundo”. Os equívocos da pesquisa foram mencionados AQUI;

3. O pedido de impeachment contra o prefeito, protocolado em 2020, foi solenemente ignorado pela rádio (VEJA).

Para uma gestão que já se vangloriou de ter o site da Transparência com pontuação de 100% em avaliação do TCE, sendo que a  notícia da pontuação foi celebrada no site da Prefeitura. Todavia, a realidade é outra. Em termos de transparência, ainda deixa muito a desejar. E quando opta por ignorar pedidos de informação, reforça um elemento arbitrário que não quer explicar nada, mas somente fazer publicidade em cima de obras mal acabadas. Por isso, é certo que, se depender desta Administração, nunca saberemos por quanto canta o passarinho.

Previous ArticleNext Article

Responder