Entre em contato

Você se importa em apresentar sua identidade ao comprar bebidas?

Publicado

on

Algumas pessoas estranharam um novo hábito que vem sendo adotado em alguns supermercados de nossa cidade: ao comprar qualquer tipo de bebida alcoólica, o cliente é solicitado a mostrar seu documento de identidade. Não importa se a pessoa aparenta ter mais (ou bem mais) de 18 anos; todos são inquiridos da mesma forma, às vezes por constrangidos funcionários dos caixas dos supermercados. Se depender do Ministério Público (MP), a medida deve se tornar cada vez mais comum devido a uma série de Termos de Ajustamento de Conduta (TAC) propostos pelo órgão junto aos supermercados de Passo Fundo. A intenção, de acordo com a promotora Clarissa Simões Machado, é dificultar a compra e ingestão de bebidas alcoólicas por parte de adolescentes. A grande pergunta é se a iniciativa vai alcançar o fim proposto – e não somente criar mais um procedimento que não resolva o grave problema do consumo em excesso de bebidas pelos menores.

Essa nova realidade vem mexendo com as opiniões de consumidores e comerciantes: parte dos primeiros alega que os cabelos grisalhos lhes credenciam a comprar o que quiserem; os segundos receiam implantar a nova rotina devido ao temor de que estabelecimentos concorrentes não a apliquem (atraindo assim maior público), ou ainda com a preocupação de que algum cliente desavisado não tenha consigo sua identidade e deixe de comprar a mercadoria. A divergência, no entanto, extrapola as questões comerciais e toca em um ponto crucial na existência de nossa sociedade: por que a orientação das famílias está falhando a tal ponto de entidades de fora precisarem intervir?

 

A justificativa do MP

A promotora relata que o MP já celebrou uma série de TACs com as boates de Passo Fundo, a fim de que elas tenham algumas normas de funcionamento que resguardem o adolescente que frequente o estabelecimento. “Os empresários se comprometeram em preencher um cadastro contendo o nome do adolescente e o contato com pais ou responsáveis, para que se forem flagrados bebendo, os pais e o Conselho Tutelar possam ser acionados”, disse. Recentemente iniciaram as ações voltadas aos supermercados, pois a promotoria percebeu que estava sendo fácil para o adolescente adquirir a bebida nos mercados. “Já tive audiência com duas redes e a ideia inicial era que se exigisse de todo e qualquer consumidor a apresentação da carteira de identidade com foto para evitar a margem de erro que muitas vezes ocorre pelo operador do caixa. E especialmente para criar essa cultura na comunidade de que adquirir bebida alcoólica é um ato que exige responsabilidade, mesmo para o adulto”, assegura.

Clarissa explica que o TAC é um acordo que o MP faz com os investigados, mas com consenso, ou seja, sem a imposição.  Entretanto, a promotora não descarta que no futuro a iniciativa possa ser levada à Câmara de Vereadores para ser transformada em lei. “O TAC somente se concretiza quando a vontade do investigado coincide com a do MP. Se fosse uma lei municipal seria diferente. Se fosse lei que obrigasse a todos os segmentos do ramo a fazer isso, ela seria de observância obrigatória para todos. O que o MP faz é abrir um expediente para cada rede e vamos chamando eles aos poucos para tentarmos entrar num acordo que eles não são obrigados a aceitar. Os que não aceitarem serão alvo de uma fiscalização mais acirrada e se constatarmos que a venda continua acontecendo, aí talvez tenhamos que chamar o Legislativo para debater a necessidade da criação de uma lei”, afirma.

Questionada sobre a fiscalização nas ruas da cidade, que geralmente são palco de badernas e bebedeiras, a promotora explica que é muito difícil executar o trabalho em todas as áreas. “A minha promotoria está encarregada da proteção da criança e do adolescente em todos os municípios da Comarca. Eu procurei estabelecer algumas metas e ir aos poucos alcançando-as, por absoluta falta de tempo de assumir tudo junto”, revela. Segundo Clarissa, o trabalho será longo. “Ainda que se dificulte a venda de bebida na via pública e nos estabelecimentos, isso não vai fazer com que o jovem pare de beber, mas vai começar a provocar o envolvimento maior da família e da comunidade em trabalhar essa situação. É um processo muito longo de criar uma cultura que mostre aos jovens que há outros meios de se divertir sem bebida alcoólica”, conta.

 

E a família?

Sem dúvida, a iniciativa é louvável do ponto de vista de tentar impedir que crianças e adolescentes consumam bebidas alcoólicas. Entretanto, faz-se necessário ressaltar que essa é uma batalha dificílima que poderia – e deveria – ter uma grande aliada dentro de casa: a família. Se os pais não impuserem limites a seus filhos, criando neles a consciência de que o exagero faz mal, sempre será encontrado um meio para conseguir o acesso a bebidas ou a outros produtos. Abundam notícias de jovens que saem para baladas e perdem o rumo de tanto beber. O panorama não é tão diferente nas ruas do centro de Passo Fundo e isso é verificável ao se caminhar pela rua General Netto em uma segunda-feira pela manhã, quando garrafas, copos e sacos plásticos que sobraram da noite ficam espalhados pela via e pelas calçadas. E esse problema não tem classe social.

Percebe-se que a intenção sobrepõe-se à lei: se nas boates os jovens não podem comprar bebidas, eles chegam à balada já bêbados; se nas ruas não podem comprar suas cervejas e vodcas, eles contam com o auxílio de companheiros maiores de idade. Podemos colocar na rua todo o efetivo militar da cidade, com leis e TACs debaixo do braço, e o problema continuará a existir. Essa situação é fruto direto da desgraça moral por que passa nossa Nação, onde a família vem perdendo sua autonomia. Pais e mães não orientam seus filhos, justamente esperando que o Estado tome as providências. Quando orientam, muitas vezes não são ouvidos, visto que as crianças e adolescentes estão embebidos em uma cultura de “revolução permanente”, que dá a falsa sensação de independência.

Educar um filho não é tarefa fácil e, infelizmente, a ideia que se destaca na atualidade é de que a vida humana deve ser recheada de conforto, prazer e facilidades. Dizer “não” a um filho requer, muitas vezes, enfrentar um protesto; entretanto, essa experiência de ver “negado” o acesso a uma vontade é importante para a criança saber que nem tudo na vida é possível. Uma das ideias em voga hoje é a de que não se pode dizer “não” para as crianças; com isso, perde-se o referencial de limites – primeiro, dentro de casa e depois perante a sociedade. Não é à toa que vemos, como na foto que ilustra essa matéria, a irresponsabilidade de deixar na rua o lixo para os outros recolherem. Assim também ocorre em relação à bebida: muitos jovens desconhecem a hora de parar, exatamente porque não tiveram o limite imposto quando pequenos.

Antes de criar novas diretrizes e leis, que ampliam o poder do Estado, mas geralmente são dribladas de forma fácil, será preciso voltar a por em prática algumas doutrinas. Uma delas é a que preserva, protege e promove a celula mater da sociedade.

Continue Lendo
1 Comment

1 Comment

  1. Thiago Capuano

    2 de setembro de 2016 at 15:13

    Não só pedir a identificação, mas também registrar o código de barras do produto e cataloga-lo, mantendo-o disponível por 1 mês, deste modo com o recolhimento de seu descarte de modo irregular nas ruas é possível localizar e penalizar o responsável, mesmo que financeiramente pelo ato. Mera questão de logística com baixíssimo custo ao setor público, aliás, com a redução do custo dos gastos que já é feito com a limpeza da cidade.

Deixe um Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Copyright © 2021. Lócus Online.