Entre em contato

Armas: pelo menos uma chance de defesa

Publicado

on

A comunidade de Passo Fundo acompanhou há alguns dias o caso das três professoras septuagenárias que foram vítimas de um assalto cometido por dois criminosos que, além de agredi-las, roubaram o carro de uma delas. Durante a ação, uma das vítimas tentou sair do carro em movimento e foi alvejada na cabeça por um dos bandidos. Até o fechamento deste texto, ela permanecia em estado grave no hospital.

O fato chocou a cidade devido à brutalidade com que os assaltantes agiram, derrubando uma das vítimas, com mais de setenta anos, e desferindo um tiro contra outra. O crime leva a uma reflexão sobre o poder de reação das pessoas perante a ação dos bandidos. Afinal, deve-se ou não reagir? Como a vítima pode reagir diante de um assaltante armado se ela está em uma situação desfavorável?

O Estado, por meio de suas autoridades, desestimula a reação. O cidadão tem incutido em seu pensamento a premissa de que é normal perder tudo, sem a mínima possibilidade de defesa ou reação. Prova disso é a sanha governamental em retirar as armas das pessoas. Obviamente, somente os cidadãos de bem entregaram suas armas; os criminosos, por estarem à margem da lei, seguem armados. O resultado são os mais de 60 mil assassinatos por ano no país, nessa guerra civil em que apenas um lado está armado.

O excelente livro Mentiram para mim sobre o desarmamento (Flávio Quintela e Bene Barbosa, Vide Editorial) rebate de forma bastante compreensível os argumentos pró-desarmamento que perpassam os anos e analisa especialmente a realidade brasileira. A partir da leitura dessa obra conclui-se que, se houvesse uma pessoa de bem portando uma arma no momento do assalto às professoras, o desfecho da ação criminosa poderia ter sido diferente.

O livro cita em nove capítulos as mentiras mais utilizadas nas ações governamentais e na guerra cultural para que as pessoas abram mão de seu direito de defesa. O primeiro capítulo afirma que nenhum governo desarma seus cidadãos porque se preocupa com eles. A intenção por trás de tanta “bondade” é o intento de dominação para perpetuação no poder. Para dominar os outros, somente uma coisa é necessária: vantagem de força. Uma mulher, menos forte fisicamente, pode dominar um homem caso porte uma arma. Da mesma forma, um homem sozinho pode dominar um grupo caso tenha algo que o ponha em vantagem de força. Da mesma forma, a população armada tem mais força de reação perante um governo autoritário ou frente a um grupo de bandidos. Um exemplo clássico dessas premissas é a memorável derrota de Lampião em Mossoró, em 1927.

Outra mentira – essa muito propalada pela imprensa – é a de que armas matam. Obviamente, as armas não matam ninguém; quem mata ou deixa de matar é a pessoa. Fosse assim, também deveriam ser proibidos o porte de facas, pedras e bastões e a utilização de carros. As armas, assim como os outros objetos, servem para o bem ou para o mal e a decisão de como usá-las é do indivíduo e não do objeto inanimado.

Mais segurança sem armas. Será verdade?

Faz parte do discurso dos desarmamentistas que os países que restringem o porte de armas são mais seguros e o exemplo mais utilizado é o da Inglaterra que, após a Segunda Guerra Mundial, foi progressivamente retirando o direito de seus cidadãos andarem armados. Entretanto, estudos apontam que a taxa de crimes violentos na Inglaterra é maior do que nos Estados Unidos e em outros países desenvolvidos. No Brasil, após a vigência do Estatuto do Desarmamento, os índices de homicídios cresceram de 27 para cada 100 mil habitantes em 2004 para 29 para cada 100 mil habitantes em 2012. Em sentido inverso, países como a República Checa possuem 700 mil armas para uma população aproximada de 10 milhões de habitantes. O país é classificado pelo Escritório de Segurança Diplomática dos EUA como um dos mais seguros para turistas americanos, e registra queda no índice de crimes violentos nas últimas décadas.

Outro argumento que deve ser desmascarado é o de que as armas só servem para matar. Quem utiliza essa premissa não leva em conta que há dois tipos de usos de armas: de modo ofensivo e de modo defensivo. O uso ofensivo é o criminoso – e nem sempre é preciso que haja um disparo para que seja assim caracterizado. Já o uso defensivo, que poucas vezes é citado em coberturas jornalísticas, é a razão que leva uma pessoa de bem a desejar possuir uma arma.

Mortes acidentais

As armas de fogo também são taxadas como grandes responsáveis por mortes acidentais. Para desmentir essa afirmação basta pesquisar dados do Ministério da Saúde, através do Sistema de Informações Sobre Mortalidade. Os índices relacionados a crianças, entre 2003 e 2012, apontam que o que mais causa mortes acidentais são as ocorrências de trânsito, com 39,7% do total. As mortes causadas por armas de fogo figuram na oitava colocação, com 0,7%.  No caso de adultos, 62,5% desse tipo de mortes são oriundas de acidentes de trânsito. As decorrentes de acidentes com armas de fogo representam 1,4% do total. Os dados são de 2012.

Estatuto do Desarmamento não reduziu taxa de homicídios

O Estatuto do Desarmamento, aprovado em 2003 e regulamentado em 2004, não provocou diminuição no número de homicídios no Brasil, como previam os desarmamentistas. Em 2003 foram 51.043 casos; entre 2004 e 2007 os índices figuraram sempre abaixo dos 50 mil a cada ano; após 2008 foram registados aumentos nesse índice.

Fonte: http://www.mapadaviolencia.org.br/pdf2016/Mapa2016_armas_web.pdf

Em suma, a lei que diz proteger o cidadão não o protege, e sim acaba por tolher a sua liberdade, pelo menos a de defesa. A condição de ter acesso a uma arma fica restrita à discricionariedade de um agente do Estado, no caso a do delegado da Polícia Federal, que decide se o cidadão pode ou não possuir uma arma.

Abundam as redes sociais vídeos que mostram como os bandidos desistem de suas ações quando veem que a vítima – ou qualquer pessoa no entorno – possui uma arma de fogo. Esse é um dos motivos que proporcionam forte apelo popular à iniciativa que tramita no Congresso de revogar o Estatuto do Desarmamento. Defensores do desarmamento imaginam que sem as regulamentações da lei passaremos a viver em um faroeste, com pessoas andando pela rua ostentando seus arsenais. Não é nada disso. A intenção é de que o cidadão possa, pelo menos, prover sua própria defesa, já que as forças de segurança do Estado não estão presentes em todos os lugares o tempo todo.

Confira também: “A chave para a liberdade é a capacidade de defender a si mesmo” – A realidade suíça

Passo Fundo

Vereadores aprovam projeto de inclusão que vai onerar empresários e setor público

Publicado

on

Projeto de autoria da vereadora Regina dos Santos (PDT) estabelece a inserção de senhas sonoras, letras ampliadas e impressão em braile simultaneamente às senhas eletrônicas utilizadas para atendimento ao público nos estabelecimentos públicos e privados do município

As pautas de inclusão sempre aparecem travestidas de “movimento democrático”, no sentido de ampliar os direitos e garantias para a parcela da população. No entanto, é preciso estar atento: na maior parte das vezes, os projetos pouco modificam a realidade desses grupos, pois não passam de ativismo político travestido de políticas públicas. O projeto recentemente aprovado por unanimidade entre os parlamentares na Câmara de Vereadores de Passo Fundo é uma amostra disso.

O Projeto de Lei nº 105/2021, de autoria da vereadora Regina dos Santos (PDT), estabelece a inserção de senhas sonoras, letras ampliadas e impressão em braile simultaneamente às senhas eletrônicas utilizadas para atendimento ao público nos estabelecimentos públicos e privados do município.

De acordo com a justificativa, a proposta foi construída pela “necessidade de tornar a cidade mais inclusiva e atender aos direitos das pessoas com deficiência”. Nota-se, na própria justificativa do projeto, que os termos utilizados uníssonos nas pautas inclusivas, mas demasiadamente generalista. Quando se quer resolver tudo, na prática não ocorre – ou muito pouco.

O texto da matéria ainda determina para os estabelecimentos públicos e privados que não optarem pela impressão de senhas em braile deverão implantar a senha com aviso sonoro por voz ou identificar, além de disponibilizar um atendente exclusivo enquanto a pessoa com deficiência ou limitação visual estiver no recinto. Parece que os parlamentares desconhecem o comércio da própria cidade, possivelmente a maior parte sendo gerida pelo dono – ou por poucos funcionários. A obrigação, portanto, está fora da realidade.

Embora alguns tenham se posicionado contrário a uma possível oneração do setor empresarial, sobretudo numa economia em fase de recuperação, no voto os parlamentares acabam cedendo: pautas inclusivas ganham um sim até mesmo quando o vereador é, no fundo, contra.

Segundo previsto na redação do art. 3º, o descumprimento ao que dispõe a presente Lei pelos estabelecimentos sujeitará aos infratores às seguintes sanções: I – advertência, em caso de primeira notificação; II – multa de 100 (cem) UFMs (Unidades Fiscais Municipal) em caso de segunda notificação; III – multa de 200 (duzentas) UFMs (Unidades Fiscais Municipal) em caso de reincidência. As sanções pecuniárias decorrentes desta Lei serão aplicadas em favor de políticas públicas para as pessoas com deficiência.

Se o prefeito não vetar a proposta, a proposição entra em vigor 180 (cento e oitenta) dias contados da data de sua publicação.

A discussão pode ser acompanhada no vídeo a seguir (11:53-28:25):

Continue Lendo

Passo Fundo

A narrativa da fome: até quando a esquerda vai alimentar pautas com dados dissimulados

Publicado

on

Se por muito tempo a dinâmica de luta de classes foi o eixo do pensamento esquerdista, a forma agora aparece em diferentes contornos. Direitos de minorias, invasões urbanas e outras aparecem com frequência nas pautas. No entanto, uma delas tem aparecido com forma nos últimos tempos: a fome.

No artigo “O golpe petista da fome em Passo Fundo“, o articulista da Lócus Jesael Duarte da Silva mostrou como o discurso da fome vem ganhando espaço aqui mesmo em Passo Fundo. recentemente, foi criada a Frente Parlamentar de Combate à Fome na Câmara de Vereadores de Passo Fundo.

Contrastando a informação fornecida pelo vereador petista de que, no Brasil, 119 milhões de brasileiros vivem em situação de insegurança alimentar, Rodinei Candeia (PL) buscou a fonte dessa narrativa, já que vem sendo reverberada pela imprensa de uma maneira geral. Veja:

Continue Lendo

Eleições 2022

Pré-candidata apoiada pelo PSDB será Lula desde criancinha no segundo turno

Publicado

on

lula

Simone Tebet deu a entender em entrevista que seu candidato no segundo turno é o petista, deixando os tucanos virtuais cabos eleitorais de Lula

Após toda a novela das prévias e do embate com Dória, o PSDB decidiu apoiar oficialmente a pré-candidata do MDB, Simone Tebet, para concorrer contra Bolsonaro e Lula em outubro. O anúncio do partido ocorreu no dia 9 de junho e a votação foi 39 a 6 com uma abstenção, o que configura uma boa união em torno da escolha.

Não podemos esquecer que o trio de partidos que escolheu a alcunha de “terceira via” para disputar as eleições em grupo é composto por MDB, PSDB e Cidadania. O União Brasil quase entrou no arranjo, mas desistiu.

Simone Tebet

As redes sociais oficiais do PSDB nacional já são 100% Simone Tebet. Confira o post aqui.

O #fechadocomtebet do PSDB ainda não tinha duas semanas de vida quando Simone Tebet foi para os estúdios da Globo para ser sabatinada pelo G1. No podcast O Assunto/ “G1 Eleições”, com Renata Lo Prete, a líder da terceira via deu a entender que vai para o palanque do Lula em um segundo turno, caso “não chegue lá”. Em um modo de expressar ideias muito similar ao do seu amigo Eduardo Leite, Tebet disse:

“Eu não estarei assistindo na sala, na frente de uma televisão. Eu vou estar num palanque eleitoral defendendo a democracia e defendendo a candidatura, as propostas de país que possam efetivamente tirar o país dessa vergonhosa estatística de ser um dos países mais desiguais do mundo”.

Simone Tebet é abertamente opositora do governo Bolsonaro, não economiza críticas para os mais variados setores da administração e, convenhamos, tem no mínimo um flerte pesado com o progressismo.

A situação fica ruim para os tucanos, especialmente para os gaúchos. PSDB por aqui foi uma espécie de “casa da direita” onde eram investidos os votos do antipetismo antes da era Bolsonaro. Gente que subiu em caminhão com a bandeira do Brasil jurando oposicionismo aos vermelhos agora levará no peito uma chama que até pode não ter uma estrela, mas logo depois que a última urna for apurada no primeiro turno, terá dado poder para quem estará entoando o “Lula lá”.

Dizem que o PSDB é o PT de terno. Se os acontecimentos continuarem neste ritmo, essa afirmação será uma injustiça com o resto do guarda-roupas. É PT de tudo.

PS. Até a escrita deste artigo, o vice de Tebet na chapa ainda é indefinido. Como Leite já disse no passado que não se vê concorrendo como vice, a chance de ser ele o escolhido é grande.

Continue Lendo

Assine nossa newsletter

* indicates required

Mais Acessados

Copyright © 2021. Lócus Online.