Entre em contato

Não, Cecília. Eu não aceito!

Publicado

on

 

Comercial de TV da Revista Donna (encarte feminino do jornal Zero Hora) joga todas as fichas no “combate ao preconceito”. Que tal trabalharmos alguns conceitos?

A Revista Donna completou 24 anos em 2017. É o encarte com conteúdo feminino presente na edição dominical do Jornal Zero Hora, hoje com site próprio e presença constante nas redes sociais. Para comemorar o aniversário, lançou um novo posicionamento no mês de maio com o mote “Sou Donna de Mim”, levantando a bandeira da liberdade da mulher ser quem ela quiser: ser dona de si, com as escolhas que fizer na vida, no mercado de trabalho, no estilo e até mesmo no próprio corpo.

 

Capa da edição de aniversário da Revista Donna. “Sobre o meu corpo, decido eu.”.

 

A peça principal da campanha consiste num comercial de TV com atores sendo indagados sobre o comportamento de uma personagem chamada Cecília. Supostamente amigos ou colegas, eles criticam as roupas usadas, o relacionamento com alguém mais novo e “algo mais”, as tatuagens, estar acima do peso e não querer ter filhos. Tudo isso ao som de uma valsa tocada lentamente. No final, em outro ambiente, é mostrada a Cecília: uma menina acima do peso, sorridente e cheia de tatuagens. Nesta fase, o comercial já tem uma música alegre e Cecília termina com a ordem ACEITEM!. Fecha com os caracteres #Sou donna de mim acima da imagem.

 

 

O comercial, muito bem feito, entrou na programação estadual da RBS TV (afiliada Rede Globo no Rio Grande do Sul) e foi recordista em exibições durante grande parte da grade de programação nos meses de junho e julho. O time da Revista Donna é muito amado dentro da empresa, pois deixou para trás várias marcas do grupo RBS e entrou na repetição infinita. Aliás, a campanha da Rede Globo chamada  “Agro é tudo” também passa toda hora. Nota-se que o Agro até pode ser tudo, mas a Cecília é mais.

Fica para a imaginação de quem assiste determinar o tipo de relacionamento dos críticos com a Cecília, a natureza desta crítica e todo o passado desta convivência. O caminho mais fácil seria determinar que são pessoas que apenas falam da vida dos outros, a Cecília não está nem aí e senta um fo@#$da-se na cara da sociedade. Dada a proposta da campanha e o posicionamento, trata-se disso mesmo, com gatilhos para “meu corpo, minhas regras” e outros chavões do feminismo.

O conceito aqui é o desprezo a quem vai contra o ditame do “faça tudo o que quiser, desde que te faça feliz”. Ignore a preocupação legítima com sua saúde, com relacionamentos amorosos mais felizes. Lacre na vida, mate bebês. A proibição ao aborto é mais uma chatice dessa gente preconceituosa e metida. E não interessa se são colegas de trabalho, faculdade ou seus amigos e parentes mais íntimos.

A RBS entra de cabeça em uma espécie de sinalização de virtude corporativa, adotando o discurso empoderado do feminismo, tornando chavões desenvolvidos em laboratórios de ciências humanas em verdades absolutas e prejuízos a serem reparados. Enquanto isso, a média diária de circulação do jornal onde a Revista Donna é recheio, cai 8% ao semestre (segundo dados do Instituto Verificador de Circulação – IVC). Um dia vão aprender que o faturamento não virá de curtidas e comentários “linda, lacrou” abaixo de cada informação com qualidade discutível. A briga agora é na internet e lá temos gente chata como a turma dos Tradutores de Direita, entregando conteúdo da Prager, farta em material para todo o tipo de narrativa esquerdista.

 

 

https://www.youtube.com/watch?v=V1j5fCkBdqE

 

Cecília, não há nada para ser aceito. A realidade fora do mundo ativista é feita de escolhas, pequenas exclusões ou proteções e a caminhada em busca de um mundo melhor para os familiares e amigos. Coisas que você talvez só descubra depois dos 50, já tarde demais.

Copyright © 2021. Lócus Online.