Tchequinho quer lançar a campanha “Não pague o IPTU”

iptu 2020

Os carnês com o reajuste do IPTU já estão a caminho. As denúncias estão chegando até os vereadores, muitos deles cobrados pelo aumento abusivo aprovado pela Casa.

A Câmara de Vereadores de Passo Fundo aprovou o aumento do IPTU em 2019. Não há qualquer justificativa sana para aumento de impostos no Brasil, mas alguns parlamentares decidiram reverberar o discurso da “justiça tributária”. A população certamente foi ludibriada, pois o “reajuste” seria apenas para “corrigir casos pontuais”. No entanto, como a equipe da Lócus já havia alertado com alguns poucos políticos da oposição: no final do ano, todos se certificariam de que a tal “justiça tributária” não passava de um discurso empostado para estragar o Natal dos passo-fundenses.

Abaixo, é possível identificar os vereadores que aprovaram o aumento abusivo do IPTU na Câmara. Vale lembrar que os vereadores Patric Cavalcanti e Gleison Palhaço Uhu se ausentaram da Sessão (o que, obviamente, não diminui a responsabilidade dos mesmos).

No dia 07 de novembro, Jesael Duarte publicou o artigo “Prepare-se para o pior com o IPTU 2020 em Passo Fundo“, no qual informava, conforme discurso do vereador Luiz Miguel Scheis, que os carnês estavam sendo confeccionados com até 1.00% de aumento.

Dias atrás, a rádio Uirapuru publicou matéria com lógica invertida, na qual o site oficial da Prefeitura e da emissora publicaram texto focando apenas os imóveis que sofreriam redução (uma parcela mínima), com o título “Cerca de 13 mil imóveis terão IPTU reduzido”. Isso representa pouco mais de 10% dos contribuintes. Essa inversão foi denunciada pela Lócus no texto “Prefeitura e Uirapuru invertem a lógica para dar a entender que IPTU baixou. É mentira!“.

Na Sessão Plenária desta segunda-feira (16), Rufa (PP) foi a tribuna mostrar alguns carnês enviados por eleitores com aumento exorbitante. Luiz Miguel (PDT) mostrou outros. Tchêquinho (PSL) disse que irá disseminar a campanha “Não pague o IPTU”.

Abaixo, é possível acompanhar a discussão entre os parlamentares:

Previous ArticleNext Article

Responder