fbpx

O Democratas de Patric Cavalcanti é a nova galinha de Leonel Brizola

patric cavalcanti

Cacarejando para a esquerda e botando ovos para a direita, o partido segue apoiando um projeto socialista local, embora “ligado” ao Governo Federal em Brasília

O eleitor mais interessado em temas da direita em Passo Fundo via, nos últimos anos, dois caminhos possíveis na hora de depositar a confiança nas urnas: PP e DEM.

O PP, sofrendo de envelhecimento e abandono das novas formas de fazer política, além da tendência a só aparecer em época de eleição, perdeu o brilho de outros tempos; seus vereadores são nomes independentes, não “políticos do PP”. Na última eleição, seu canto do cisne foi a parceria com o PDT, colocando Susin na vaga de vice.

O DEM manteve-se na base dos últimos prefeitos: parcialmente com Dipp; de corpo e alma com Luciano Azevedo, em uma grande coligação na primeira eleição em 2012 e votos renovados (sem trocadilho) em 2016. Um pacotão pelo “bem maior” e sem nojinhos para dividir posições até com o PCdoB.

Nota oficial do Democratas Passo Fundo, em novembro de 2019: “O Democratas Passo Fundo vem, através desta, informar que mantém seu posicionamento político, com objetivo de concorrer às eleições majoritárias no pleito de 2020.
A escolha para o cargo à majoritária sempre foi muito aberta e amplamente divulgada, tendo sido escolhido como pré-candidato o vereador e atual presidente municipal do partido, Patric Cavalcanti.

Desde 2018, com a participação ativa de Onyx Lorenzoni na entourage de Jair Bolsonaro,  Patric Cavalcanti começou a reforçar a marca de ligação com o Governo Federal através do Deputado, que foi para a Casa Civil e depois desceu alguns degraus até o Ministério da Cidadania. Por aqui, Patric prometeu uma heróica candidatura própria para prefeito (chegou a anunciar nomes da equipe de elaboração do plano de governo); desistiu, contudo, e resolveu assumir um cargo em Brasília; depois, colocou todo o apoio possível na chapa socialista Pedro e João Pedro, com participação ativa na campanha.

Veja também: Patric insiste que não possui alinhamento ideológico com a Esquerda, mas a realidade é outra.

Patric após as eleições: Pedro é um político ético e moral.

Veja também: Não é Havana, em Cuba; é o Hospital Municipal Dr. César Santos, em Passo Fundo.

Certa feita, disse Leonel Brizola sobre o Partido dos Trabalhadores: “O PT é que nem galinha: cacareja na esquerda, mas bota ovo na direita.” O DEM passo-fundense parece trilhar o mesmo rumo, querendo ganho político com a direita bolsonarista no cenário nacional, enquanto apoia e sobrevive com sua modesta estrutura partidária ligada ao Executivo municipal, indicando nomes para diversos cargos.

O DEM fez dois vereadores nesta eleição – Nharam e Colussi – sem grandes identidades ideológicas conhecidas. Como partido ativo no Executivo, dependerá em parte do resultado da “distribuição do bolo” a ser realizada (ou sacramentada) pelo prefeito eleito Pedro Almeida. Sobre a terceira força, a militância orgânica, talvez o fator mais forte no jogo político municipal, não se tem notícia. Talvez Patric possa perguntar aos colegas socialistas do PSB ou comunistas do PCdoB sobre como fazer.

Previous ArticleNext Article

Responder